Mosteiro de São Pedro das Águias / Igreja de São Pedro das Águias

IPA.00003676
Portugal, Viseu, Tabuaço, União das freguesias de Paradela e Granjinha
 
Convento masculino cisterciense, de pequena dimensão, eventualmente eremitério, de que resta a igreja de planta retangular, orientada, composta por nave única e capela-mor rectangular, com coberturas internas diferenciadas em travejamento de madeira, iluminada escassamente por estreitas frestas, protegidas com vidro tipo catedral, existentes em todas as fachadas. Fachada principal em empena, rasgada por portal em arco de volta perfeita, com várias arquivoltas decoradas. Fachadas rematadas por cornija sustentada por cachorros, a lateral esquerda rasgada por porta travessa em arco de volta perfeita. Interior com arco triunfal em arco ultrapassado, tendo um simples altar-mor na abside. Devido à norma litúrgica, que obrigava a orientação da cabeceira dos templos para nascente, esta igreja apresenta a fachada principal a uma curta distância do maciço rochoso e, foi implantada no sentido do declive, o que justifica o desnível existente entre a capela-mor e o corpo da igreja. Os portais apresentam profusa decoração, marcados por arquivoltas assentes em colunelos capitelizados e tímpanos decorados, distinguindo-se pela decoração figurativa e simbólica, com elaborada combinação de motivos geométricos, fitomórficos, zoomórficos e antropomórficos, a que se junta um Agnus Dei e uma "Croix Nouée". Os leões que se encontram no portal axial surgem também na Igreja de São Pedro de Rates (v. PT011313110001), apresentam cabeça virada para fora e os olhos bem abertos, o que significava no período medieval a vigilância. A função destes animais nos portais era a guarda da entrada dos templos e do seu interior sagrado. Existência de inscrição no fecho do arco do portal N..
Número IPA Antigo: PT011819070009
 
Registo visualizado 5423 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Mosteiro masculino  

Descrição

Planta retangular composta por nave única e capela-mor rectangulares, de volumes articulados e disposição horizontalista das massas, com coberturas diferenciadas em telhados de duas águas, encimados, nas empenas, por cruzes de pedra Fachadas em cantaria de granito aparente, percorridas por embasamento saliente na capela-mor, com estreitas fenestrações protegidas por vidro tipo catedral, que iluminam a nave e a capela-mor, rematadas por cornija, assente em cachorrada decorada por motivos antropomórficos, zoomórficos e alguns sem decoração, exceptuando as fachadas E. e O., onde a cobertura se dispõe directamente sobre o muro. O corpo da capela-mor é percorrido, sensivelmente a meio, por cornija de decoração simples. Fachada principal, voltada a O., rematada em empena, encimada por cruz pátea vazada; a fachada forma um ressalto na zona inferior, onde se rasga portal principal em arco de volta perfeita, com três arquivoltas, a interior com animais afrontados e palmetas, a central com motivos fitomórficos e a exterior com acantos estilizados, que assentam em dois colunelos de fuste liso em cada lado, apoiados em bases decoradas com ziguezagues e ondulados, tendo a interior, do lado esquerdo, decoração simples e uma carranca no ângulo exterior. Os capitéis que encimam as colunas apresentam, no lado direito, motivos antropomórficos e zoomórficos e, os do lado do esquerdo, decoração vegetalista. Sobre estes, imposta decorada com folhas de acanto, que suporta dois leões de cada lado, que sustentam o tímpano, decorado com uma "Croix Nouée" vazada entre laçaria serpentiforme. O vão é protegido por porta de madeira com lemes e fechos em ferro, ladeada por friso decorado com quadricula ao nível da imposta. Sobre este e ao centro uma pequena fresta. Adossado ao lado esquerdo, ligando-se ao maciço rochoso, existe um arco de volta perfeita, que dava acesso ao antigo claustro, actualmente inexistente, que tem no tímpano do lado interior, decoração de linhas entrançadas terminando uma delas em cabeça de animal, talvez uma serpente, encimada por uma cruz pátea em baixo relevo. Fachada lateral esquerda voltada a N., com portal em arco de volta perfeita, composto por duas arquivoltas, a primeira com três cabeças de lobo trincando o toro, envolvidas por decoração geométrica, e a segunda com folhas de acanto, tendo, na pedra de fecho, uma inscrição*1. Assentam numa coluna de fuste liso em cada lado, sobre bases simples, erguendo-se entre elas uma soleira elevada que protege a porta de madeira, com lemes e fechos em ferro; os capitéis apresentam, no lado esquerdo, um motivo zoomórfico (corpo serpentiforme com escamas) e, frente a ele, do outro lado, um com folhas de lança. Por cima deste, encontra-se um elemento zoomórfico (sem cabeça) com semelhanças com os do portal principal. No lado esquerdo, ao mesmo nível, está um bloco pétreo sem definição, talvez colocado em substituição do original. O tímpano é decorado com um Agnus Dei crucífero, em fundo de motivos geométricos*2. A ladear o portal, duas estreitas fenestrações. Perto destas, e, também em ambos os lados, aproximadamente a meio da parede, observam-se algumas mísulas que suportariam uma estrutura primitiva. No ângulo entre o corpo da igreja e o da capela-mor, cego, existe desenhado num silhar, rente ao chão, um entrançado que termina em cabeça de animal, talvez uma serpente. A fachada lateral direita, voltada a S., apresenta, no corpo da igreja, duas pequenas frestas e, no da capela-mor, uma pequena fenestração rectilínea central, acima da cornija que percorre o corpo. Fachada posterior em empena, tendo, no vértice, um cordeiro sobrepujado por cruz vazada, rasgada por uma fresta estreita; sobre a empena da capela-mor, é visível a da nave, sobrepujada por uma cruz de Malta e rasgada por uma fresta estreita sob uma pequena arquivolta decorada por elemento em ziguezague . INTERIOR em cantaria de granito aparente, com cobertura em travejamento de madeira, com acesso através de escadaria descendente em ambas as entradas e pavimento em lajeado de granito. No lado do Evangelho, a ladear o portal, nicho de moldura rectangular,. Arco triunfal de perfil ultrapassado, compondo duas arquivoltas com bozantes, sustentadas por friso decorado com quadricula, que termina nos ângulos, assentes em dois colunelos de fuste liso, apoiados em bases de decoração geométrica e coroadas por capitéis vegetalistas. De ambos os lados, no pano mural, estão representadas duas cruzes páteas em baixo relevo. Capela-mor de pequenas dimensões, tendo altar-mor e plinto paralelepipédico, ambos em cantaria e sem decoração. No lado da Epístola, existe um nicho em arco de volta perfeita e no lado oposto, uma inscrição.

Acessos

Ramal sinalizado na EN 323, ao Km 50 para EM 516, a 1 Km para CM 1116 a 1,5 Km. na povoação de Granjinha

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 39 175, DG, 1.ª série, n.º 77 de 17 abril 1953 / ZEP, Portaria, DG, n.º 132 de 04 junho 1954

Enquadramento

Rural, isolado, a meia encosta, em terreno acidentado, adaptando-se ao declive do terreno, sobre pequeno socalco de afloramentos rochosos, destacado em zona de interesse paisagístico, limitado a O. por maciço rochoso e a E. pela ravina do rio Távora.

Descrição Complementar

INSCRIÇÕES: EXTERIOR: 1. (CEMP. nº 241), inscrição do Salmo 121,8, gravada na pedra de fecho da arquivolta exterior do arco do portal lateral N., linhas auxiliares gravadas. Granito (diferente do que foi utilizado para as restantes aduelas, este tem um grão mais fino). Fracturada nos cantos superiores. Dimensões: a altura a que se encontra impede obter medidas. Tipo de letra: Inicial Capitular. Leitura modernizada e reconstituída: DOMINUS EXERCITUM CUSTODI AT HUIUS TEMPLI INTROITUM ET EXITUM. Tradução: o Senhor guarda as tuas idas e vindas, agora e para sempre. INTERIOR: 1. (CEMP. nº 242), gravado em silhar de pequenas dimensões, colocado na face interna da parede E. da capela-mor. Granito. Dimensões: 32,5 x 56. Tipo de letra: Inicial Capitular. Leitura modernizada: BENEFU […]. 2. (CEMP. nº 243), inscrição funerária gravada na metade inferior de uma tampa de sepultura avulsa, linhas auxiliares gravadas. Granito. Dimensões: 63 x 51 x 10. Tipo de letra: Inicial Capitular Carolino-Gótica. Leitura modernizada: GUNDISALVUS GARCIA. Tradução: Gonçalo Garcia.

Utilização Inicial

Religiosa: mosteiro masculino

Utilização Actual

Cultural e recreativa: monumento

Propriedade

Privada: Igreja Católica

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 12 (conjectural) / 13 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

991, cerca de - construção da Igreja pelos cavaleiros D. Tedon e D. Rausendo e, por alguns eremitas fugidos aos mouros; 1117, 17 Julho - escritura passada por D. João e D. Pedro, conferindo aos monges as terras do couto, o que lhes deu o título de fundadores; 1145, 14 de Junho - abade D. Mendo, reforma a comunidade trocando o hábito negro de São Bento, pelo hábito branco de São Bernardo; 1170 - a igreja consta como pertencendo à Ordem de Cister; séc. 12, 2ª metade - os monges mudam-se para o convento de São Pedro das Águias, na freguesia de Távora; 1832 - com a extinção das ordens religiosas, o edifício foi abandonado, caindo em ruínas; 1953 / 1954 - restauro total do edifício pela DGEMN; 2006, 30 novembro - proposta da DRPorto de ampliação da Zona Especial de Proteção; 2007, 19 março - parecer do Conselho Consultivo do IPPAR; 2009, 28 outubro - parecer do Conselho Consultivo do IGESPAR a retificar o anterior.

Dados Técnicos

Estrutura autónoma.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito; colunas, capitéis, cornijas, cachorros, pavimento em cantaria de granito; cobertura da nave, capela-mor e portas em madeira; cobertura exterior em telha idêntica aos restos que foram encontrados a quando das obras de restauro; janelas com vidro tipo catedral; fechos e lemes das portas em ferro.

Bibliografia

AZEVEDO, D. Joaquim de, História Ecclesiástica da Cidade e Bispado de Lamego, Porto, 1878; ALMEIDA, Carlos A. Ferreira de, História da Arte em Portugal - O Românico, vol. 3, Lisboa, 1933; COCHERIL, Dom Maur, Notes sur l'Architecture et le décor dans les abbayes cisterciennes du Portugal, Paris, 1972; IDEM, Routier des abbayes cisterciennes de Portugal, Paris 1978; COSTA, M. Gonçalves da, História do Bispado e da Cidade de Lamego - Paróquias e Conventos, vol. II, Lamego, 1979; DGEMN, Igreja Românica de São Pedro das Águias, Boletim nº 75, Março 1954; RODRIGUES, Jorge, O mundo românico (séc. XI - XIII), in História da Arte Portuguesa, (Dir. Paulo Pereira), vol. 1, Lisboa, 1995; Tabuaço - um passado presente, Tabuaço, 1999; BARROCA, Mário Jorge, Epigrafia Medieval Portuguesa (862-1422), vol. II, Porto, Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Ministério da Ciência e Tecnologia, 2000; ALMEIDA, Gustavo de, Tesouros Artísticos de Tabuaço, in Correio de Tabuaço, Tabuaço, 1 Março 2004, p. 12.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMC

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMC

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMC

Intervenção Realizada

DGEMN: 1953 / 1954 - remoção de terras e cantarias para ordenar elementos caídos; recalçamento dos alicerces e paredes que não eram convenientes desmontar; apeamento e reposição das paredes e elementos moldurados que estavam em perigo de ruir; reconstrução das paredes em falta e de escassos elementos moldurados, aproveitando as cantarias dos muros vizinhos já patinadas pelos séculos; execução de frechais e betão armado com tirante de ferro para travação das paredes; desmonte da escada e pavimentos interiores para impermeabilização do lastro; reposição de todas as cantarias e lajedos antigos no lugar onde foram encontrados; montagem da pia baptismal e altar-mor encontrados no meio dos escombros; construção de passeios exteriores e drenos para escoamento das águas; construção e assentamento de todo o madeiramento dos telhados e portas, incluindo a cobertura com telha idêntica aos restos que foram encontrados entre as cantarias desmoronadas; limpeza da vegetação daninha e tomada de juntas em profundidade; construção e assentamento de vidros tipo catedral; execução e assentamento de pára-raios especial em gaiola,; 1963 - reparação geral dos telhados e portas exteriores; 1967 - colocação de placa indicativa de "Igreja Românica de S. Pedro das Águias", na EN 323, ao km. 50; 1997 - reparação da cobertura.

Observações

*1 - a nível epigráfico, registe-se que o texto do salmo deste portal, aparece gravado em cerca de quarenta lintéis de portas na Síria cristã (BARROCA, 2000). *2 - este tem, segundo alguns autores, um tamanho desproporcionado em relação ao espaço onde está inserido e, talvez seja essa a razão para o seu aspecto, pernas curtas e o corpo rebaixado; a sua função era marcar a sacralização do edifício. *3 - segundo o Boletim da DGEMN, de Março 1954, há possibilidades de ter existido pintura mural no interior da igreja.

Autor e Data

Madeira Portugal 1992 / João Carvalho 1997 / Rute Antunes 2006

Actualização

Lúcia Pessoa 1998
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login