Casa das Quartas

IPA.00003659
Portugal, Vila Real, Vila Real, Mateus
 
Arquitectura residencial, seiscentista e oitocentista. Casa solarenga em U com capela adossada à fachada principal.
Número IPA Antigo: PT011714150014
 
Registo visualizado 109 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  Tipo planta em U

Descrição

Casa de planta composta em U de dois pisos. Volumes articulados com coberturas diferenciadas em telhado de quatro águas nas diferentes alas e de duas águas na Capela. No prolongamento da fachada principal, exposta a poente implanta-se adossada no seu extremo S. a Capela. A completar o enquadramento da Capela uma parede à altura da Casa serve de painel de assentamento da pedra de armas em escudo esquartelado. A fachada principal apresenta nove janelas no andar superior e outros tantos óculos no piso inferior. As restantes fachadas muito simples apresentam janelas de guilhotina com ou sem moldura de granito.

Acessos

Mateus, Lugar de Abambres, EN 322. VWGS84 (graus decimais) lat.: 41,303680; long.: -7,718793

Protecção

Categoria: IM - Interesse Municipal, Decreto nº 129/77, DR, 1.ª série, n.º 226 de 29 setembro 1977

Enquadramento

Urbano, isolado, junto a uma curva da EN 322, gerando um pequeno jardim no espaço fronteiro à Casa. Para N. desenvolvem-se algumas construções mais recentes. É visível ainda nas traseiras e para o lado S. algum arvoredo incluído na propriedade.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Comercial e turística: casa de turismo de habitação

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 17 - Construção de uma ala da Casa; Séc. 19 - ampliação da casa (construção de um L) e construção da capela; 1974 - Incêndio destroi todo o interior e recheio; 1981 - passa a ser propriedade de José Medeiros de Barros Botelho Coelho Mourão; 1989 - obras de adaptação a Turismo de Habitação.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Paredes exteriores de alvenaria de granito rebocadas pelo lado interior e exterior; Laje de tecto e de pavimento em betão; Revestimento dos pavimentos em soalho de madeira ou revestimento cerâmico; Cobertura revestida a telha de barro; Caixilharias de madeira pintadas; Pátio em terra batida.

Bibliografia

AZEVEDO, Correia de, Brasões e Casas Brasonadas do Douro, Lamego, 1974; IDEM, Património Artístico da Região Duriense, 1972; BARROS, Carlos de, Famílias de Freguesia de S. Martinho de Mateus, Porto, 1971; Património Arquitectónico e Arqueológico Classificado, IPPAR, volume III, Lisboa, 1993; SOUZA, José de Campos e, Novas achegas para a história da Casa das Quartas em Abambres de Mateus, Separata de Arqueologia e História, 9ª Série, volume III, Lisboa, 1971; TRIGUEIROS, Luís Forjaz, A Tradição de Portugal, Portuguese Manor Houses, Lisboa, 1990.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Anos 50 - Envidraçar a varanda do pátio, introduzir os óculos na fachada principal, colocar a pedra d'armas na parede junto á Capela; 1974 - Reconstrução da Casa após o incêndio; 1989 - Obras de adaptação a Turismo de Habitação.

Observações

A enorme pedra de armas da Casa das Quartas representa no primeiro quartel as armas dos Barros, com as suas três bandas acompanhadas de nove estrelas de seis pontas; no segundo, as dos Mesquitas; no terceiro, as dos Pimentéis, e no quarto as dos Pereiras. Esta pedra pertenceu à Casa dos morgados do Espírito Santo de Favaios, levada para a sua Quinta da Comba em Sabrosa. Foi daí removida pelo Dr. João Mourão para a sua casa das Quartas. A origem da Casa das Quartas é a mesma que a da Casa de Mateus, até António Botelho Ribeiro, casado com D. Paula Alvares de Figueiredo, herdeira do vínculo da capela e morgado de Mateus instituído por seu pai, Cristóvão Alvares Coelho. Quando se deu o incêndio a casa ficou reduzida às paredes, ardendo todo o seu recheio. Trata-se de um imóvel profundamente transformado e reconstruído especialmente após o incêndio. Inicialmente a Casa das Quartas seria uma casa de lavoura de planta rectangular a que mais tarde foi acrescentado um corpo em L e a Capela.

Autor e Data

Isabel Sereno 1994

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login