Casa das Pereiras

IPA.00003569
Portugal, Viana do Castelo, Ponte de Lima, Arca e Ponte de Lima
 
Casa nobre construída no séc. 17, com grande sobriedade estilística, exterior e interiormente. Apresenta planta retangular e fachadas de um ou dois pisos, adaptados ao declive do terreno, com cunhais apilastrados e remates em friso e cornija. A fachada principal tem dois pisos, separados por friso, e fenestração regular, denotando a divisão espacial e social comum das casas nobres, tendo no piso térreo o vestíbulo central e espaços de apoio agrícola, rasgadas por janelas jacentes, e, no segundo piso, o andar nobre, rasgado por janelas de sacada. No interior, a partir do vestíbulo, desenvolve-se a escada para o andar nobre, de dois braços, onde as salas têm grande simplicidade, conservando pequeno oratório, revelado por cruz apenas na fachada posterior. O jardim é de caracterização estilística romântica e modernista, com composição arquitetónica e vegetal desenhada e construída intencionalmente pelo homem e onde foram contempladas funções de lazer e de recreio. É constituída por vegetação ornamental disposta no sentido de criar ambientes agradáveis acompanhada de elementos construídos, como namoradeiras, canteiros, estátuas e peças de água. O estilo romântico está patente no mirante, um dos elementos mais significativos do jardim, mas predominam as linhas modernistas, resultantes de intervenções recentes, simples e sóbrias envolvendo a zona da piscina.
Número IPA Antigo: PT011607350057
 
Registo visualizado 219 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  Tipo planta retangular

Descrição

Planta retangular, de massa simples, com dois pequenos corpos adossados nas traseiras, a nascente, e varanda saliente a sul. Cobertura em telhado de quatro águas na casa e de duas nos anexos, rematadas em beirada simples. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, com pilastras nos cunhais e terminadas em friso e cornija. A fachada principal surge virada a poente, com dois pisos, separados por friso, tendo faixa pintada. No primeiro piso, abrem-se regularmente três portas de verga reta, sendo a da esquerda mais larga, intercaladas com cinco janelas jacentes, retangulares, gradeadas, e, no segundo piso, sete janelas de sacada, de verga reta, alta, encimada por cornija, com guarda em ferro. No topo direito, dispõe-se o brasão de família. Fachada lateral norte de um só piso, com soco de cantaria, rasgado por porta de verga reta, ladeado por duas janelas quadrangulares e fresta em forma de cruz de Malta. A fachada lateral sul tem dois pisos, tendo no primeiro, de cantaria à vista, colunata apoiando varanda avançada, desenvolvida ao nível do segundo piso, o qual é rasgado por três portas de verga reta. A varanda e parte desta fachada são cobertas por hera. INTERIOR: vestíbulo central, de pavimento lajeado, acedendo, à direita, a duas salas de receção e, fronteiro, por meio de vão em arco em asa de cesto, com as escadas para o andar nobre, com dois braços, e guarda plena em cantaria. As salas do andar nobre possuem grande sobriedade, com tetos de madeira planos, sobre travejamento, em caixotões ou em masseira. Algumas salas, como a de jantar e a biblioteca têm lareira e armários embutidos na parede. Tem também pequeno oratório retangular, com retábulo de madeira e teto de masseira em caixotões. A propriedade tem planta retangular e é constituída, a sul da casa, por pátio e jardim, ficando a nascente um outro pátio, com zona de horta. O pátio a sul desenvolve-se ao nível do primeiro piso, com acesso a partir da casa, sob a varanda do piso superior. É limitado pelo muro de suporte do patamar do jardim ao qual se acede por escadaria que se inicia na extremidade poente, junto a um poço. O jardim também, está ligado à varanda da casa, por passadiço situado entre a escadaria do pátio e o muro que limita a propriedade. Este muro tem cerca de dois metros e meio a contar da rua mas suporta todo o patamar do jardim servindo-lhe como murete onde se inserem conversadeiras. A partir do passadiço estabelece-se um eixo de ligação a uma zona de estadia com mesa sob caramanchão. Junto a esta zona permanece um mirante, construído no séc. 19. A sul e a nascente o jardim termina em muro alto que o separa a nascente da Mata Conde d'Aurora. O jardim é centrado por zona de estadia sob quatro cameleiras ficando a nascente a zona da piscina envolvida por sebes de buxo. A norte do pátio, o jardim prolonga-se numa zona de topiária com canteiros retangulares de buxo, onde se inserem esferas de buxo e euónimos.

Acessos

Ponte de Lima, Largo Capitão José de Magalhães

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público, Portaria n.º 396/2014, DR, 2.ª série, n.º 103 de 29 maio 2014 *1

Enquadramento

Urbano, isolado. Ergue-se no topo do Bairro das Pereiras, no Centro Histórico de Ponte de Lima. A norte tem porta de acesso ao adro da Capela das Pereiras (v. IPA.00003495) e a nascente confronta com a mata da Quinta de Nossa Senhora da Aurora (v. IPA.00004097), ou Mata Conde d’Aurora. A zona em que se insere caracteriza-se por um clima marítimo, fresco durante todo o ano. Para este contribui em muito o relevo, com encostas médias e altas e cabeços que sobem entre os 100 e os 800 metros. A abundância de água traduz-se na verdura permanente dos campos, matas e prados. Geologicamente dominam os granitos calco-alcalinos.

Descrição Complementar

Na fachada principal, o brasão de família, tem escudo francês esquatelado, tendo no primeiro quartel as armas de Lançoz: cinco lanças em banda e alinhadas em contrabanda; no segundo as armas dos Pereiras: cruz florenciada; no terceiro as dos Andrades: banda abocada por duas cabeças de serpe; e no quarto as armas dos Magalhães: três faixas xadrezadas, de três tiras. Superiormente tem elmo e paquife. No interior, no fim do primeiro lanço de escadas, existe panóplia encimada por lápide com a inscrição: "com verdade sem tomar o alheio, vivei sempre no Santo temor de Deus".

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Comercial e turística: casa de turismo de habitação

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 17 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Idade Média - Construção de algumas casas junto à torre das Pereiras; séc. 16, meados - as casas são vendidas ao Dr. António de Araújo Lima, magistrado e cavaleiro da Ordem de Cristo; séc. 17 - as casas são adquiridas por Francisco Pita Malheiro, cavaleiro da Ordem de Cristo e governador da Fortaleza de Goyane, na Galiza; 1809, cerca - segundo a tradição, é no jardim da Casa das Pereiras que as tropas de Napoleão acamparam durante a Guerra Peninsular; séc. 19, meados - construção da cascata do jardim; 1966, cerca - uma tia deixa a casa à atual proprietária e marido; 1983 - adaptação da casa a turismo de habitação; séc 20, anos 90 - construção da piscina e recuperação do jardim; 1998, 06 novembro - despacho de abertura do processo de classificação do imóvel; 2005, 03 fevereiro - despacho de homologação de classificação do edifício como Imóvel de Interesse Público.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes. Jardim sustentado por muro de suporte.

Materiais

Estrutura em alvenaria ou cantaria de granito, rebocada e pintada; caixilharia, portas e tetos em madeiras; guardas e gradeamentos em ferro; pavimentos de madeira e lajes graníticas; cobertura de telha. JARDIM: material vegetal: cameleira (Camelia japonica).

Bibliografia

AFONSO, Marília - «Prazeres do Minho. A arte de bem receber em cinco casas de família». In Casas de Portugal. Lisboa: 2001, n.º 27, agosto / setembro; ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de - Alto Minho. Lisboa: Editorial Presença, 1987; AZEVEDO, Carlos de - Solares Portugueses. Lisboa: 1963; QUEIRÓZ, Alberto Magalhães - Uma Família Minhota. p. 27.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN:DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

Proprietário: 1960, década - obras de conservação, regularização das coberturas e reconstrução dos tectos ao gosto da época; 1990, década - recuperação do jardim com adaptação ao turismo e construção da piscina.

Observações

*1 - DOF: Casa das Pereiras, jardim e logradouro.

Autor e Data

Paula Noé 1997 / Pereira de Lima 2006

Actualização

João Almeida (Contribuinte externo) 2019
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login