Paisagem da Cultura da Vinha da ilha do Pico

IPA.00035674
Portugal, Ilha do Pico (Açores), Madalena, Candelária
 
Subunidade de paisagem predominantemente humanizada descontínua. A produção vitivinícola foi ao longo de séculos a base do sistema produtivo local, contribuindo para o desenvolvimento regional. A gestão de recursos num ambiente adverso foi fundamental e proporcionou o desenvolvimento desta paisagem singular. A ilha forneceu a pedra e o Homem adaptou estruturas naturais e reorganizou a sua distribuição. Ergueram-se muros de pedra, espaçados entre si e paralelos à costa, para proteger dos ventos e do mar. As videiras foram desde sempre plantadas em milhares de lotes rectangulares dispostos em rede conhecidos por currais, que protegem a vinha de intempéries criam o ambiente propício para o seu desenvolvimento.
 
Registo visualizado 305 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Paisagem  Sub Unidade de Paisagem        

Descrição

A área candidata a património mundial com a designação de Paisagem da Cultura da Vinha da ilha do Pico tem um total de 154,4 ha e está rodeada por uma área de transição de 2445,3 ha. Esta área é composta por dois sítios: o lajido da Criação Velha e o lajido de Santa Luzia. Os lajidos são uma extensa malha de muros de pedra que formam "currais" de vinha (ligada à produção do vinho verdelho). Para a área de transição, estão propostos cinco níveis de protecção, tendo em conta o grau de importância de cada superfície. Estas áreas integram excelentes exemplos da arquitectura tradicional e da construção da paisagem em harmonia com os elementos naturais. As vinhas estão implantadas nas fendas existentes em finas camadas de basalto e o trabalho manual encontra-se intimamente associado a esta produção. Devido à estrutura reticular de muros e às características específicas desta cultura, recorre-se a mão-de-obra intensiva, não só para a sua manutenção, mas também porque não é possível a introdução de máquinas agrícolas. O processo de produção de vinho na ilha repercute-se na paisagem, ou seja, as estações do ano revestem-se de diferentes tonalidades (ao nível da cor, forma e actividade humana) consoante a evolução do vinhedo: no Inverno plantam-se os bacelos, efectua-se o enxerto e podam-se as videiras; na Primavera surgem os rebentos; no início do Verão procede-se ao levantamento da vinha do chão de modo a melhorar o processo de maturação; no fim do Verão realiza-se a vindima recorrendo a mão-de-obra e a métodos tradicionais de apanha da uva.

Acessos

Madalena; Rua General António Ribeiro; ER1; Candelária.

Protecção

Categoria: PPIR - Paisagem Protegida de Interesse Regional, Decreto Legislativo Regional nº. 12/96/A, DR n.º 147 de 27 junho 1996 / Património Mundial - UNESCO, 2004

Enquadramento

Localiza-se na Ilha do Pico, na segunda maior ilha dos Açores, desenvolve-se numa faixa de território compreendida entre dois concelhos, São Roque do Pico e Madalena. A paisagem da cultura da vinha da ilha do Pico abrange parcialmente as costas Norte e Sul, e a costa Oeste da ilha, tendo como referência os núcleos de Lajido da Criação Velha e o Lajido de Santa Luzia.

Descrição Complementar

As áreas de vinha mais bem preservadas correspondem às áreas candidatas a património mundial, nomeadamente o lajido da Criação Velha e o lajido de Santa Luzia. As dificuldades a curto e a médio prazo para a conservação da estrutura actual devem-se sobretudo aos elevados custos de produção, decorrentes não só da natureza das tarefas, intensivas em mão-de-obra, mas também da própria diminuição da força de trabalho. A preservação da paisagem actual passa pela resolução deste dilema. A extracção de inertes, a importação de materiais de construção e a introdução de espécies exóticas também têm alterado a estrutura da ilha, com impactos profundos na paisagem. Segundo o Anuário Estatístico da Região Autónoma dos Açores em 2000, o Pico produziu 6744 hl de vinho de mosto (43% da produção regional). Contudo, estes são valores residuais no contexto nacional, onde a produção açoriana não chega a 1%.

Utilização Inicial

Não aplicável

Utilização Actual

Não aplicável

Propriedade

Não aplicável

Afectação

Não aplicável

Época Construção

Séc. 15 / séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1427 - Diogo de Silves descobre as primeiras ilhas do arquipélago dos Açores; 1460 - o processo de povoamento da ilha do Pico inicia-se pela vila de Lajes (costa S), com o objectivo da produção cerealífera e ao mesmo tempo inicia-se a produção vitinicula; 1562/64 - erupção vulcânica na Prainha; séc. 16 - as ordens religiosas (Franciscana e Carmelita) contribuíram para o desenvolvimento da vinha, na zona Oeste da ilha; séc. 19 (meados) - a produção vitivinicula atinge o seu auge (cerca de 12 a 15 mil pipas), com exportação a partir do porto da Horta para o Brasil, Índias Ocidentais, Alemanha, Inglaterra, Rússia e outros países; 1718 - erupção vulcânica de Santa Luzia e de São João; 1720 - erupção da Silveira; 1866 - a produção decresceu para 100 pipas devido à Filoxera e ao Oidium. Aumento da emigração e alteração da estrutura fundiária: diminuição das grandes propriedades e aumento das propriedades de menores dimensões; 1950 - desenvolvimento de medidas com o intuito de preservar esta actividade; 1951 - criação da Adega Cooperativa Vitivinícola do Pico, com a finalidade de revitalizar e salvaguardar a produção; 1963 - Erupção no mar, a Norte de Cachorro; 1980 - Decreto Regional nº. 25/80/A, de 16 de Setembro, cria a Região Vitivinícola do Verdelho do Pico; 1982 - criação do Museu do Vinho, da associação Círculo de Amigos da ilha do Pico; 1986 - produção de legislação com a finalidade de proteger a arquitectura tradicional; 1994 - Decreto-lei nº. 17/94 aprova o Estatuto das Zonas Vitivinícolas do Pico; 1996 - Decreto Legislativo Regional nº. 12/96/A de 27 de Junho cria a Paisagem Protegida de Interesse Regional da Cultura da Vinha da ilha do Pico; 2019, 07 setembro - a paisagem da cultura da vinha da Ilha do Pico é distinguida com o European Garden Award, obtendo o primeiro prémio na categoria de "Melhor Desenvolvimento de uma Paisagem Cultural de Relevância Europeia, numa cerimónia realizada na Fundação Schloss Dyck, em Dusseldorf, na Alemanha.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

CARQUEIJEIRO, E. (coord.) - Pico - Candidatura a Património Mundial da Paisagem da Cultura da Vinha do Pico, 2001; CRUZ, J. V. - Estudo hidrogeológico da ilha do Pico (Açores - Portugal). Dissertação de Doutoramento apresentada no Departamento de Geociências da Universidade dos Açores. Ponta Delgada: texto policopiado, 1997; «Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico vence prémio europeu». In Jornal Açores 9 Online. 07 setembro 2019; SRA, Plano de Gestão da Paisagem da Cultura da Vinha do Pico, 2001; http://whc.unesco.org/en/list/1117 (consultado a 23-11-2016).

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Rita Vale 2016

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login