Capela de São Brás

IPA.00035569
Portugal, Viana do Castelo, Melgaço, União das freguesias de Castro Laboreiro e Lamas de Mouro
 
Capela construída, provavelmente, no séc. 16 / 17, com planta simples, interiormente com iluminação axial e bilateral e cobertura de madeira, acrescentada por galilé no séc. 19 / 20, e recentemente adulterada pelo seu alteamento e colocação de placa de betão. Apresenta estrutura de linhas muito simples, com a fachada principal em empena coroada por pináculos piramidais de bola e cruz, de feitura mais recente, e vãos retilíneos, correspondendo a portal entre janelas. A galilé que a precede é bastante ampla e apoia-se em possantes pilares frontais e outros mais finos, assentes em murete com banco corrido interno, possuindo acesso lateral e frontal. As fachadas laterais, de modinatura seiscentista, rematam em cornija, abrindo-se na lateral direita fresta de capialço na zona do retábulo-mor, enquanto a posterior é cega e termina em empena. Interior atarracado, com supedâneo marcado e estrutura retabular tripartida, talvez do séc. 16 / 17, com painéis pintados de flores, reproduzindo iluminuras medievais, inserido em apainelado recente.
 
Registo visualizado 70 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Capela / Ermida  

Descrição

Planta retangular de nave única, precedida por ampla galilé, também retangular, de volumes diferenciados e coberturas em telhados de duas águas na nave e de três na galilé, sendo essa mais alta, rematadas em beirada simples. Fachadas em cantaria de granito, de aparelho irregular, com a nave terminada em empena, coroada por cruz latina, de braços quadrangulares sobre acrotério, e pináculos piramidais com bola, sobre acrotério, no alinhamento dos cunhais. É rasgada por portal de verga reta sobre os pés direitos, ladeado por dois vãos quadrangulares, gradeados e com portadas de madeira. A galilé apoia-se em dois possantes pilares frontais e dois pilares intermédios, estes assentes em murete, interiormente percorrido por banco, todos eles alteados por elementos de betão e sustentando cornija e placa de betão; a galilé tem pavimento em cimento. Fachadas laterais terminadas em cornija, a esquerda cega e a direita rasgada por fresta de capialço na zona do retábulo-mor. A fachada posterior é cega e termina em empena, com cornija, coroada por cruz latina de braços quadrangulares sobre plinto paralelepipédico. INTERIOR com pavimento em lajes de cantaria, paredes rebocadas e pintadas de branco e cobertura de madeira, em masseira, pintada de azul celeste, possuindo traves transversais no alinhamento de mísulas existentes nas paredes. Possui supedâneo sobrelevado por um degrau e a parede testeira revestida a apainelado de madeira com sotobanco. Ao centro integra estrutura retabular tripartida, definida por pilastras estriadas, pintada com flores, e tendo ao centro mísula desnuda.

Acessos

Castro Laboreiro, Lugar da Assureira; CM 1160. WGS84 (graus decimais) lat.: 42,003906; long.: -8,165528

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 26-A/92, DR, 1.ª série-B, n.º 126 de 01 junho 1992 *1 / Incluído no Parque Nacional da Peneda do Gerês

Enquadramento

Rural, isolado, implantação harmónica no Parque Natural da Peneda do Gerês, a cerca de 180 m da inverneira da Assureira. Ergue-se paralela à estrada, numa plataforma sobrelevada junto à encosta, formando adro, delimitado por muro e acedido por degraus frontais. Nas imediações, ergue-se a Ponte da Assurereira ou de São Brás (v. IPA.00004140) e um moinho.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: capela

Utilização Actual

Religiosa: capela

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Viana do Castelo)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 16 / 17 / 19 / 20 (conjetural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 16 / 17 - época provável da construção da capela de São Brás; 1758, 11 maio - referência à capela de São Brás, pelo padre Inácio Ribeiro Marques nas Memórias Paroquiais da freguesia, como ficando fora do lugar, pertencendo à freguesia, e à qual não acode pessoas em romaria, fazendo-se apenas a festa do orago; séc. 19 / 20 - provável construção da galilé; séc. 20 - alteamento da capela e feitura da cobertura em placa de betão.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito aparente; cimento nas juntas; placa de betão; porta e portadas de madeira; grades de ferro; pavimento em cimento na galilé e em lajes de cantaria de granito na nave; teto de madeira, pintada; apainelado de madeira; cobertura de telha cerãmica.

Bibliografia

CAPELA, José Viriato - As freguesias do distrito de Viana do Castelo nas Memórias Paroquiais de 1758. Braga: Casa Museu de Monção; Universidade do Minho, 2005; LIMA, Alexandra Cerveira Pinto Sousa - Castro Laboreiro. Povoamento e organização de um território serrano. 1996.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGEMN:DSID, SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: séc. 20, meados - obras de conservação adulterantes.

Observações

*1 - A capela foi classificada conjuntamente com a Ponte da Assureira ou de São Brás e o moinho junto à mesma. *2 - Assureira é uma das muitas inverneiras da região, locais relativamente abrigados e a mais baixa altitude ("em torno dos 700 - 800 metros"), onde as populações passavam os Invernos, de acordo com a habitação sazonal que caracterizava esta zona (LIMA, 1996, p. 11). Desde muito cedo, um rudimentar habitat foi concentrado neste local, ponto privilegiado ainda pela proximidade do rio de Castro Laboreiro e pelas naturais condições de passagem.

Autor e Data

Paula Noé 2015

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login