Poços de Neve na Serra da Lousã / Fábrica das Neves

IPA.00035549
Portugal, Leiria, Castanheira de Pêra, União das freguesias de Castanheira de Pêra e Coentral
 
Poços de neve com data de construção incerta, mas documentados no séc. 18, que serviam para manter a neve compacta para transportar para Lisboa. Estes poços da Lousã são, a par dos Neveiros da Serra de Montejunto (v. IPA.00006279), exemplares únicos no país. São estruturas em xisto e barro, circulares e octogonais com coberturas em domo e interiores com poços fundos para manter o gelo preservado.
 
Registo visualizado 269 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto arquitetónico  Edifício  Armazenamento e logística  Poço de neve    

Descrição

Conjunto de três poços de neve, dois deles de planta octogonal e um de planta circular, com coberturas em cúpulas revestidas por lajes de xisto. Estruturas em cantaria de xisto e argamassa de barro, rasgadas por portas viradas a este, com as vergas em tijolos em arco segmentar. INTERIORES com poços profundos, os octogonais de maior dimensão que o circular, a que se acediam por escadas de mão.

Acessos

Coentral, a 4 Km. da freguesia na encosta da Serra da Lousã, a que se liga pela EN236. WGS84 (graus decimais): lat.: 40,077256; long.:-8,162585

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 1/86, DR, 1.ª série, n.º 2 de 03 janeiro 1986 *1

Enquadramento

Rural, isolado. O conjunto formado pelos Poços de Neve e Capela de Santo António (v. IPA.00003285) está localizado no cabeço do Pereiro, no monte fronteiro ao Trevim, a 1.150 m. de altitude, integrando-se harmonicamente no meio físico da Serra da Lousã. A Capela encontra-se implantada sobre plataforma com pequeno desnível envolvida pelas construções dos poços, situando-se quatro no concelho de Castanheira de Pera e três, entretanto desaparecidos, estariam no concelho de Góis.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Armazenamento e logística: poço de neve

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 18 (conjetural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1757 - Alvará de D. José, documentando a existência dos poços de neve do Coentral; 1759, 3 novembro - data da assinatura do alvará pelo Marquês de Pombal; 1769 - Julião Pereira de Castro, "contratador da neve", nomeia Simão Duarte e José Duarte (...) para irem ajuntar neve à Real Fábrica que se acha no Cabeço do Pereiro, Serra da Lousã (...), (BARRETO, 69); 1782 - é vendido gelo daqui proveniente na Casa da Nave, atual Martinho da Arcada (v. IPA.00005955), bem como na torre norte do Castelo de São Jorge e em poços no bairro da Graça; 1786 - é mandada erigir a capela de Santo António por Julião Pereira de Castro, primeiro Neveiro-mor.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estruturas em xisto e barro; verga das portas em tijolo.

Bibliografia

BARRETO, Kalidás - Monografia do Concelho de Castanheira de Pera. 3.ª ed., s.l.: s.n., 2004; MACHADO, Herlander - Os Neveiros de Sua Magestade. Castanheira de Pera: Câmara Municipal de Castanheira de Pera, 1987; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/71809 [consultado em 21 dezembro 2016].

Documentação Gráfica

DGEMN: DREMC/DM

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID, DGEMN: DREMC

Documentação Administrativa

DGEMN: DREMC

Intervenção Realizada

DGEMN: 1986 - intervenção nos poços de secção octogonal, com desaterro; picagem do reboco interior e exterior da cobertura e ainda da face interna das paredes; consolidação e refechamento de juntas; reboco exterior em argamassa impermeabilizante, revestimento do exterior da cúpula com lajes de pedra de xisto; execução de guardas de ferro para as portas.

Observações

*1 - A recolha de neve era feita por mulheres e crianças, que a carregavam em pequenas cestas até aos depósitos. Aqui, os homens calcavam a neve, até que ficasse compacta num bloco de gelo, que cobriam com palha e fetos para melhor conservação. O transporte era feito em carroças até Constância, onde os blocos de gelo eram mudados para barcaças e seguiam por essa via até ao Terreiro do Paço, em Lisboa.

Autor e Data

Carina Padilha (Contribuinte externo) 2015

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login