Recolhimento de Santa Maria Madalena e São Gonçalo / Recolhimento das Convertidas

IPA.00000350
Portugal, Braga, Braga, Braga (São Vítor)
 
Recolhimento feminino barroco, de planta rectangular definindo um pátio interior central e integrando igreja de planta longitudinal, com portal lateral, aberto na fachada principal onde se abrem, alternadamente, janelas decoradas com aletas e frontões triangulares interrompidos e outras de cornijas rectas. Decoração interior barroca, com retábulo colateral tardo-barroco e retábulo-mor de estilo nacional. Azulejos de figura avulsa joaninos. Recolhimento com planimetria e decoração pouco alterada, possuindo ainda roda de expostos no átrio, vãos com crivaria, balaustrada de pau preto separando a nave da capela-mor, púlpito de excelente talha e imagens de boa qualidade. A fachada principal não revela a divisão espacial interior; o torreão deve ser um acrescento posterior, visto interromper a cornija que a coroa.
Número IPA Antigo: PT010303510076
 
Registo visualizado 1589 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Recolhimento feminino  

Descrição

Planta composta por edifício rectangular, desenvolvido à volta de um pátio. Alçados de dois pisos, tendo na parte poente, onde surge torreão rectangular, três coberturas diferenciadas em telhados de duas e quatro águas. Fachada principal virada a S. com pilastras nos cunhais rematada por cornija dupla, pináculo e cruz grega na empena tranversal. Rasga-a duas portas sobrepujadas por janelões com avental, emoldurados por aletas, encimados por frontões triangulares interrompidos, possuindo no tímpano uma cartela com emblema do recolhimento e brasão do Arcebispo Dom Rodrigo, respectivamente na porta de entrada da casa e da capela, entre estas duas janelas e um pequeno vão rectangular no primeiro piso, decorados por cornijas rectas. Na torre, com cunhais de cantaria sobrepujados por pináculos sobre a cornija, abrem-se quatro janelas rectangulares. No primeiro piso organiza-se, à direita, a capela, e, à esquerda, a casa do Recolhimento. Capela de planta longitudinal, composta de nave única, sub-coro, capela-mor e pequena sacristia rectangulares. Interior com lambril de azulejos de figura avulsa, azuis e brancos, coro-alto separado por crivaria; sub-coro separado por portal em ferro de crivaria, com pequena pia de água benta, junto da porta, do lado esquerdo. Colateralmente dois confessionários; no lado do evangelho púlpito quadrado com base de granito polícromo sobre mísula, guardas em talha, com o brasão do Arcebispo, e sanefa, em talha, coroado pelo menino segurando o mundo, e retábulo de talha polícroma; fronteiro, para-vento da porta principal, encimado por janelão rectangular, e pia de água benta concheda. Sobre cornija de pedra, tecto curvo de madeira, pintado com cartela central e "putti" segurando motivos alegóricos. Arco triunfal, pleno, sobre pilastras; balaustrada em pau preto separa a nave da capela-mor. Esta possui altar de talha dourada com várias imagens e trono central; no lado da epístola janelão e no do evangelho porta de acesso à sacristia, onde se destaca arcaz, armário embutido, lavabo em granito, a roda, uma janela e porta de acesso ao púlpito. A casa do Recolhimento tem átrio de entrada com roda de expostos, uma pequena sala com escadas de acesso ao segundo piso, lojas e arrumos e saída para o pátio interior. À volta deste, desenvolvem-se os pequenos aposentos com janelas e aos quais se acede por um corredor estreito, iluminado por janelões rectangulares, colocados a meio, esquema que se repete no segundo piso para as traseiras, no primeiro piso, alpendre sobre duas colunas de pedra, duas salas e casas de banho e, no segundo piso, uma varanda de madeira, a cozinha e casa de banho. Para a frente o coro-alto sob o mirante envidraçado que exibe uma pequena sineira nas traseiras à qual se sobe por uma escada estreita.

Acessos

Braga (São Vítor), Avenida Central

Protecção

Categoria: MIP - Monumento de Interesse Público / ZEP, Portaria n.º 665/2012, DR, 2.ª série, n.º 215 de 07 novembro 2012

Enquadramento

Urbano, adossado, em gaveto com a Avenida Central e a Rua de São Gonçalo. A fachada principal volta-se para os espaços ajardinados da avenida, com tílias centenárias.

Descrição Complementar

Na fachada lateral voltada a poente, ao nível do primeiro piso, portão de acesso ao jardim e abertura de entrada para um pequeno pátio exterior e ao nível do primeiro andar, duas pequenas janelas de iluminação do corredor. Ladeado por uma pilastra e o cunhal, dois janelões rectangulares de verga recta e outros simples, ao nível do primeiro andar e no mirante, duas janelas rectangulares. A fachada posterior possui ao nível do primeiro piso uma porta de passagem para um pequeno pátio e para o jardim e de cada lado duas janelas; No segundo piso, seis janelas, sendo a dos extremos maiores, emolduradas em granito. O retábulo de talha do lado do Evangelho tem a invocação de Nossa Senhora da Luz e tem a imagem de Santa Maria Madalena, penitente. O retábulo-mor, coroado pelo brasão do Arcebispo Dom Rodrigo entrona a imagem de Nossa Senhora da Rosa, ladeada pelas imagens de Santa Ana e São Bartolomeu e São Domingos e São Gonçalo, assentes em mísulas. O frontal do altar, em talha, possui também, ao centro, as armas do Arcebispo. Nas traseiras, jardim rectangular, com canteiros de buxo, laranjeiras e arbustos exóticos e tanque granítico rectangular, com água corrente para a pia, com comunicação para a R. de São Gonçalo, ao qual se acede por escada de pedra que arranca de um pequeno pátio com tanque granítico rectangular e chafariz adossado com água corrente.

Utilização Inicial

Religiosa: recolhimento feminino

Utilização Actual

Assistencial: recolhimento

Propriedade

Pública: Estatal

Afectação

Época Construção

Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor

PINTOR: Manuel Furtado de Mendonça (tecto da capela).

Cronologia

1720 - O arcebispo de Braga, D. Rodrigo de Moura Teles compra umas casas contíguas à capela de São Gonçalo para fundar recolhimento que albergasse as mulheres pecadoras, convertidas a Deus; 1722 - pintura do tecto da capela-mor por Manuel Furtado de Mendonça; 25 abril - inauguração do recolhimento, nele tendo gasto D. Rodrigo de Moura Teles 2.800$000 reis e deixando para o sustento das recolhidas 600$000 reis; permitiu ainda que a Confraria de São Gonçalo continuasse na capela; 1733 - união desta confraria à do Menino de Deus, da Igreja de São Vítor; 1766 - união da nova confraria à de Santa Cruz; 1984 - construção de novas cozinhas e casa de banho; 1998, 03 novembro - Despacho de classificação; 2011, 21 dezembro - publicado em D.R., 2ª série, nº 243, o anúncio 19053/2011com o projecto de decisão relativo à classificação como Monumento de Interesse Público (MIP) e fixação da respectiva zona especial de protecção; 2017, 30 novembro - publicação da Resolução da Assembleia da República n.º 259/2017, DR, 1.ª série, n.º 231/2017, recomendando ao Governo que, em articulação e com o envolvimento do município de Braga, desenvolva um programa de reabilitação do edifício Recolhimento de Santa Maria Madalena ou das Convertidas, bem como um plano específico de musealização e proteção que englobe uma vertente de conservação e inventariação do respetivo património e uma estratégia de sensibilização para o seu estudo, divulgação e valorização.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes.

Materiais

Estrutura, pavimentos, sineira, base de púlpito e mísula, tanques, pias e chafariz em granito; pavimentos da cozinha, casas de banho e varanda de mosaico; divisórias e tectos de taipa; revestimentos interiores e exteriores a cal, azulejo no lambril da capela, cozinha e casas de banho; coberturas exteriores de telha; sino, gradeamento de janelas e portal do coro em ferro; madeira nos pavimentos, tectos, divisórias, caixilharia, portas, crivos, confessionários, altares, púlpito, arcaz e armários.

Bibliografia

FREITAS, Bernardino de Sena, Memórias de Braga, Braga, 1890; FERREIRA, José Augusto (Monsenhor), Fastos Episcopais da Igreja Primacial Bracarense, tomo II, Vila Nova de Famalicão, 1928 - 1932; COSTA, Luis, A Capela de São Gonçalo e o Recolhimento das Convertidas, Correio do Minho, Braga, 11 / 02 / 1990; MELLO, Magno Moraes, Manuel Furtado e a Pintura de Tectos Joaninos em Braga, Mínia, 3ª série, ano 3, nº 3, Braga, 1995.

Documentação Gráfica

DGPC: DGEMN:DSID; DGEMN:DREMN

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN:DSID; DGEMN:DREMN

Documentação Administrativa

DGPC: DGEMN:DSID; DGEMN:DREMN

Intervenção Realizada

Observações

Edifício situado em local privilegiado do centro da cidade de Braga. Apresenta características que o aproximam de obras idealizadas por Vila-Lobos ou Manuel Fernandes da Silva, nomeadamente na disposição e decoração dos vãos.

Autor e Data

João Santos e António Dinis 1997

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login