Mosteiro de São João de Arga / Capela de São João de Arga / Santuário de São João de Arga

IPA.00003488
Portugal, Viana do Castelo, Caminha, União das freguesias de Arga (Baixo, Cima e São João)
 
Mosteiro beneditino românico e barroco, transformado em santuário de montanha em recinto fechado com igreja românica, do tipo da bacia do Minho, de planta poligonal, reformulada no séc. 18, em estilo barroco, e dois albergues dispostos frontalmente, de planta em L e dois pisos, de arquitectura popular. Altares em pedra, pintados, polícromos; imagens em pedra; albergues de dois pisos, com planta em L.
Número IPA Antigo: PT011602020022
 
Registo visualizado 836 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Mosteiro masculino  Ordem de São Bento - Beneditinos

Descrição

Igreja de planta poligonal composta pelos volumes desiguais e articulados horizontalmente da nave e capela-mor rectangulares, e sacristia, mais baixa e também rectangular adossada a S.. Coberturas em telhado de duas águas na igreja e de uma na sacristia. A frontaria, virada a O., tem portal axial de verga recta, ladeado e sobrepujado por óculos elipsoidais gradeados, terminando em frontão angular interrompido com aleta em voluta, encimado por cruz latina, alta, assente sobre plinto. Cunhais com pilastras toscanas encimadas por pináculos. Fachadas N. e S. semelhantes, sendo a nave percorrida por cornija sustentada por cachorrada lisa e decorada, excepto na zona próxima da frontaria, em que a diferença no aparelho do paramento demonstra a reconstrução que sofreu. São rasgadas por portal de vão rectangular, com arquivolta em arco apontado, de tímpano liso, sustentado por impostas lisas, sobre pés-direitos; na capela-mor, virada a N. abre-se uma pequena janela e a S. uma abertura quadrangular da sacristia. A fachada E. demonstra pela diferença de aparelhos dos paramentos obras de remodelação; no remate da empena, cruz grega pomeada. No interior, púlpito com base pétrea e varandim em madeira, pintado no lado do Evangelho. Arco triunfal de arco apontado, sublinhado por dois anjos tocheiros e envolvido por amplo retábulo, constituído por duas séries de colunas compósitas sustentando cornija com entablamento clássico, apresentando no intercolúnio as imagens de São João Evangelista, do lado da Epístola, e da Senhora da Conceição, do lado do Evangelho, estando encimadas por sanefas. No ático está gravada num quadro a cena do Baptismo de Cristo, enquadrada por imagens, em pedra, de Santa Ana, do lado do Evangelho e de uma outra imagem, do lado da Epístola. Tecto de madeira de perfil curvo e pavimento lajeado. Na capela-mor, antecedida por um degrau, altar em pedra, barroco, pintado, polícromo. As hospedarias, de planta em L, implantam-se frontalmente a N. e a S. da igreja, definindo o contorno do recinto em três dos seus lados e cujos lados menores enquadram o portal de entrada do terreiro. Formam quatro volumes, com dois pisos, cobertos com telhados de duas águas. Têm pequeno pé-direito, paramentos em aparelho irregular, fazendo-se o acesso por porta de verga recta. No piso térreo, destinado às vendas e tabernas, tem pavimentos cimentados e em terra batida, constituindo a zona frontal uma galeria aberta entrecortada pelos pilares que sustentam o varandim do piso superior. A este acede-se por escadas frontais, tendo o varandim parapeito em grandes lajes e pilares quadrangulares sustentando a cobertura, constituindo um corredor amplo pelo qual se faz a passagem para os compartimentos dos romeiros. As compartimentações efectuam-se por divisórias em madeira, tendo pavimento de soalho, e escassas janelas, de vão quadrangular.

Acessos

Arga de Baixo, São João d'Arga, estradão a partir da EM Argela - Arga de São João

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto n.º 18/2013, DR, 1.ª Série, n.º 119 de 24 junho 2013

Enquadramento

Rural, isolado, plataforma em encosta de pendor acentuado, sobranceira à ribeira de São João, no contraforte N. da Serra de Arga, coberta com pinhal. Recinto de contorno rectangular com duas entradas, abertas no muro que o delimita.

Descrição Complementar

Envolvendo a capela regista-se um murete constituído por lajes colocadas de cutelo, definindo o percurso de promessas. O retábulo-mor, com acesso através de um degrau, apresenta três séries de pilastras, decoradas com motivos que se prolongam nos toros do ático, em cujo remate está, em cartela subcircular, a representação da cena da Degolação de São João Baptista. Na capela-mor conserva-se inscrita num silhar a data 1333, em alto-relevo. A sacristia apresenta uma cobertura em abóbada de pedra, tendo um pavimento lajeado. Num cunhal da hospedaria da ala S. encontra-se inscrita numa cartela, em baixo-relevo, a data 1907. O portal do terreiro é delimitado por ombreiras de secção quadrangular, com base e cornija moldurada, sobrepujado por plinto de pináculo, tendo portão gradeado, alto, de duas folhas, ao lado do qual se encontram outros dois, de uma folha e de menores dimensão. Junto a uma das hospedarias encontra-se um sarcófago, servindo como pia de água. O terreiro está pontuado por alguns sobreiros de grande porte que ensombram os dois coretos, constituídos por bancada de planta quadrangular em alvenaria de granito, sendo só num caso coberto com alpendre metálico. Na bancada de um dos coretos, encontra-se reaproveitado um silhar com uma cruz patada.

Utilização Inicial

Religiosa: mosteiro masculino

Utilização Actual

Religiosa: santuário

Propriedade

Privada: Igreja Católica

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 13 / 14 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 13 - época provável de construção da igreja; 1333 - data inscrita em silhar da capela-mor; 1574 - o mosteiro pertence ao padroado real; séc. 18, finais - época provável de reforma da capela; 1907 - reforma do recinto; 1982, 8 março - proposta de classificação do santuário pela Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho; 1988, 18 janeiro - proposta de abertura do Processo de Classificação da DRPorto; 19 janeiro - despacho de abertura do Processo de Classificação do Vice-Presidente do IPPAR; 2012, 6 dezembro - proposta da DRCNorte para a classificação do imóvel como Monumento de Interesse Público; parecer da SPAA do Conselho Nacional de Cultura a propor a classificação como Monumento Nacional; 24 dezembro - publicação do projeto de decisão de classificar o imóvel como Conjunto de Interesse Público e fixação da respetiva Zona Especial de Proteção, em DR, 2.º série, n.º 248, anúncio n.º 13799/2012; 2013, 16 janeiro - declaração de retificação n.º 47/2013, em DR, 2.ª série, n.º 11; 2015, 24 agosto - cerimónia de abertura ao público do Mosteiro após as obras de requalificação, com a presença do do secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Muro do recinto em silhares graníticos, portão em ferro, estrutura da capela em cantaria e alvenaria de granito, altares em pedra, estrutura dos albergues em cantaria e alvenaria de granito, cobertura em madeira e em madeira telhada, pavimentos em madeira, lajes de granito e terra batida, portas de madeira e madeira chapeada, paramentos rebocados, janelas gradeadas, plataforma dos coretos em alvenaria de granito, alpendre do coreto em ferro.

Bibliografia

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de - Alto Minho. Lisboa: 1987, pp. 154-155; ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de - História da Arte em Portugal. Lisboa: 1986, vol. 3; COSTA, António Carvalho da - Corografia Portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal. Braga: 1706, vol. 1, pp. 248-251; ALMEIDA, José António Ferreira de (org.) - Tesouros Artísticos de Portugal. Lisboa,:1976, p. 100-101; ALVES, Lourenço - Caminha e o seu concelho. Monografia. Caminha: 1985, pp. 281-285; OLIVEIRA, Ernesto Veiga de Santiago - A Romaria de S. Joao D'Arga, Geographica. Lisboa: 1971, 7 (28), pp. 3-15; «Secretário de Estado da Cultura marca presença. Mosteiro de s. João D'Arga reabilitado reabre ao público na segunda-feira». In Correio da Manhã. 22 agosto 2015, p. 15; SERRÃO, Joaquim Veríssimo - Livro das Igrejas e Capelas do Padroado dos Reis de Portugal - 1574. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian Centro Cultural Português, 1971; VIEIRA, José Augusto - O Minho Pittoresco. Lisboa: 1886, vol. 1, p. 175.

Documentação Gráfica

DGEMN:DSID

Documentação Fotográfica

DGEMN:DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Confraria: 1980, década - obras de recuperação das coberturas da capela, limpeza do reboco dos paramentos exteriores da nave, remoção de compartimento, denominado "Casa das Esmolas", adossado à fachada S. da igreja e que encobria o respectivo portal, e recuperação das coberturas dos albergues; Junta de Freguesia: 1996 - obras de construção dos sanitários; Confraria: 1997 - obras de conservação das fachadas da igreja e dos albergues; 2013, 8 novembro - publicação do Anúncio de procedimento n.º 5504/2013, DR n.º 217, 2.ª série, relativo às obras de conservação e valorização do conjunto construído do santuário, com valor do preço base de 605000.00 euros; 2015 - conclusão das obras de requalificação do imóvel, orçadas em 575.209,81 euros, financiadas em 488.928,34 euros pelo ON2 - O Novo Norte, e a restante quantia pela Câmara de Caminha; as obras englobaram trabalhos de conservação e de beneficiação na capela, albergues, espaços exteriores, sanitários públicos e edifício de apoio ao santuário, bem como no melhoramento e execução de algumas infraestruturas.

Observações

*1 - No exterior do terreiro, em frente ao portão, encontra-se um cruzeiro, tal como a c. de 100 m a SE. do recinto, à margem do caminho velho que conduzia ao santuário.

Autor e Data

Alexandra Lima e Paulo Amaral 1997

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login