Solar de Bertiandos, incluindo a alameda e carvalhos do solar até ao rio

IPA.00003478
Portugal, Viana do Castelo, Ponte de Lima, Bertiandos
 
Arquitectura residencial, manuelina e barroca. Solar barroco integrado na tipologia da casa torre, surgindo esta ao centro, a solução menos frequente em Portugal. Conjuga torre de traça quinhentista com dois solares barrocos mas adoptando soluções diferentes e capela, volumetricamente distinta. Solar formado por duas alas ou solares independentes entre si mesmo, desenvolvidos à volta de uma torre de fundação anterior, constituindo, no entanto, um conjunto notável pela sua harmonia, ritmo espacial e arquitectónico. Os dois solares possuem frontispícios de dois pisos, de fenestração regular e soluções diferentes: o do lado nascente integra-se, por si só, na chamada casa torre, possuindo uma em cada extremo da fachada e flaqueando uma varanda alpendrada, solução muito frequente na ribeira Lima, embora neste caso a entrada principal se processe pela fachada lateral; o do lado poente é de planta rectangular e possui dois panos laterais de varandas alpendradas no andar nobre e vãos em arco no piso térreo e um pano central fechado, com janelas de sacada única. É interessante a ligação ou relação existente entre a torre e este solar, através do pormenor decorativo dos merlões chanfrados iguais em ambos.
Número IPA Antigo: PT011607080024
 
Registo visualizado 1671 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  Tipo torre

Descrição

Planta irregular composta por torre, quadrada, servindo de eixo, um corpo independente de cada lado, sendo o de Nascente mais avançado, e capela colocada obliquamente na fachada posterior do corpo poente. Volumes articulados com coberturas diferenciadas em telhados de duas e quatro águas. Torre em cantaria de granito aparente, com fenestração irregular, tendo no piso térreo portal de arco pleno, de largas aduelas, encimado por janela de quilhotina, descentrada, e superiormente antiga janela de ângulo com colunelo; termina em cornija, com gárgulas de canhão nos cunhais, coroada com merlões chanfrados. A nascente adossa-se-lhe, avançado, corpo de planta quadrada, com dois pisos.Tem frontispício com pilastras nos cunhais, sobrepostos por gárgulas de canhão e coroados por pináculos, integrando duas torres mais altas nos extremos. Estas têm os vãos sobrepostos, tendo no primeiro porta de verga recta simples, no segundo janela de sacada, de verga recta encimada por frontão triangular, e no terceiro janela de sacada sobre dois modilhões; junto a uma delas possui relógio de sol, em cantaria. O pano intermédio possui no primeiro piso porta central de verga recta entre duas janelas, todas de modinatura simples; no segundo, o andar nobre, desenvolve-se varanda alpendrada, de colunas sobre plintos, e gradeamento de ferro, encimada por cornija e pano de muro ritmado por quarteirões. A entrada principal faz-se pela fachada lateral O., ao nível do andar nobre, por portal de verga recta encimada por frontão interrompido, precedido por escada, de um braço, abrindo em leque e de amplo patamar, sendo inferiormente rasgada por dois arcos plenos; parapeito com bolas sobre plintos. Esta fachada é ainda rasgada por vãos sobrepostos, sendo os do piso superior janelas de sacada, com gradeamento de ferro, e na torre, ao nível do terceiro piso, duas janelas de sacada com gradeamento de ferro, tendo uma delas com seteira móvel, de madeira chapeada a ferro. A poente liga-se à torre corpo de planta rectangular, de alçados em dois pisos e com frontispício dividido em três panos por pilastras, coroados sobre os telhados por urnas, no alinhamento das pilastras, e merlões chanfrados, no alinhamento das colunas e janelas. Os dois panos laterais têm no primeiro piso vão central de arco pleno, formando túnel, ladeado por duas janelas de guilhotina, envolvidas por hera, e no segundo varanda alpendrada de colunas assentes em plintos, rematadas por cornija moldurada. O pano central tem no primeiro piso espaço aberto por dois arcos em asa de cesto e no segundo pedra de armas entre duas janelas encimadas por cornija e ligadas por varadim gradeado. Fachada O. rasgada por duas janelas de verga recta e caixilharia de guilhotina e, no segundo piso, por janela de sacada sobre mísulas, com gradeamento de ferro. INTERIOR com salas com pavimento de madeira, paredes pintadas com grinaldas de flores e tectos de madeira ou estuque, decorados. Na fachada posterior, de paramentos semi-rebocados, com algumas pedras aparentes, adossa-se capela com painel de azulejos no lado esquerdo e portal lateral, brasonado e com frontão interrompido. Fronteiro ao solar, mas do outro lado da estrada nacional, alameda em terra batida e ladeada por carvalhos vai até ao rio Lima.

Acessos

Bertiandos, EN. 202. WGS84 (graus decimais): lat.: 41.760515º, long.: -8.625650º

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 129/77, DR, 1.ª série, n.º 226 de 29 setembro 1977 / ZEP, Portaria nº 386/92, DR, 1.ª série-B, n.º 107, de 09 maio 1992

Enquadramento

Rural. Ergue-se junto à estrada e ao lado de outras casas, de construção modesta, sendo a quinta de exploração agrícola enquadrada por pinhal. Fronteiro possui grande terreiro relvado, delimitado por sebe bordejada a oliveira, com entrada central por arco pleno, moldurado e com escudo na pedra de fecho, onde se ergue o pelourinho de Bertiandos (v. PT011607080003).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Residencial: casa

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

MARCENEIRO: António Augusto Valente Antunes (1997).

Cronologia

1430 / 1450 - Data possível para a fundação da Casa de Bertiandos por Fernão Pereira, neto de uma irmã do Condestável D' Nuno Álvares; 1566 - Inês Pinto manda construir torre, acrescenta vastas terras às já existentes no senhorio da casa e fundou 2 vínculos, conhecidos pelo 1º e 2º vínculo de Bertiandos: o 1º encabeçado no filho mais velho, Francisco Pereira, situado a Nascente, para o lado de Ponte de Lima; e o 2º no 2º filho António Pereira Pinto, com a torre e o corpo voltado a Poente; posteriormente, os 2 irmãos zangaram-se e cortaram relações, mantendo se a partir daí separado a administração dos vínculos; séc. 18, início - os senhores do 2º vínculo constroiem solar junto à torre; séc. 18, meados - os senhores do 1º vínculo edificam igualmente um novo solar, fazendo-o avançar em relação à torre; 1792, 2 Dezembro - o 10º administrador do 1º vínculo de Bertiandos, Damião Pereira da Silva e Sousa e Meneses, casou com a 9ª Morgada do 2º vínculo, D. Maria Angelina Senhorinha José Juste Pereira Forjaz de Eça Montenegro reunindo-se assim o vínculo familiar; 1846 - a capela estava segura e decente e tinha os paramentos necessários; 1875 - a abertura da estrada Nacional, cortando o terreiro frente à casa, leva o 3º Conde de Bertiandos a vedá-lo com sebe e ajardiná-lo, sob plano do limiano Dr. Freitas; 1910, 8 Outubro - Prícipe D. Luís Filipe, vindo de Braga a cavalo, visitou o solar; séc. 20, anos 40 / 50 - durante o restauro do solar, supriu-se o jardim e voltou-se ao relvado inicial; 1980 - a colocação de uma conduta de abastecimento de água a Viana do Castelo, a partir da freguesia de Bertiandos, levou à abertura de uma vala com c. 2 m. de profundidade e 1.50 m. de largura junto ao solar, com máquinas, o que acabou por provocar alguns problemas estruturais no mesmo.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura de alvenaria de granito, rebocada, pavimentos de madeira, silhares de azulejos, pinturas murais, madeira, gradeamentos de ferro, cobertura de telha.

Bibliografia

ALMEIDA, Carlos Alberto Ferreira de, Alto Minho, Lisboa, 1987; ALMEIDA, José António Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal,Porto, 1988; AURORA Conde d', O Solar de Bertiandos, sep. rev. LUSÍADA, nº 8, Porto, 1956; idem, Roteiro da Ribeira Lima, Porto, 1959; s.a., Guia de Portugal, vol. 4, Lisboa, 1965; AZEVEDO, Carlos de, Solares Portugueses, Lisboa, 1969; PINTO, Fernando F. S., Casa de Bertiandos. Ponto de Lima. Parecer sobre as anomalias existentes na ala poente do edifício, (DREMN), 2001; SILVA, António Lambert Pereira da, Nobres Casas de Portugal, vol. 1, Porto, s.d.; SOARES, Franquelim Neiva, A Sociedade Pontelimense na primeira metade do século XIX. Inquérito do Arciprestado de 1845 - 1846 in Arquivo de Ponte de Lima, vol. 5, Braga, 1984, p. 329 - 390.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DREMN

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

Proprietário: 1997 - Recuperação do telhado, pelo marceneiro António Antunes.

Observações

Autor e Data

Paula Noé 1992

Actualização

Paula Noé 2002
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login