Castelo de Santiago do Cacém / Castelo e cerca urbana de Santiago do Cacém

IPA.00003428
Portugal, Setúbal, Santiago do Cacém, União das freguesias de Santiago do Cacém, Santa Cruz e São Bartolomeu da Serra
 
Arquitectura militar, gótica e revivalista. Castelo de montanha, trapezoidal, com barbacã muito baixa e panos de muralha rectilíneos reforçados por cubelos circulares e quadrangulares, provido de alcáçova com vãos quebrados e em asa-de-cesto e uma cisterna abobadada. Os cubelos circulares constituem uma inovação na arquitectura militar da época.
Número IPA Antigo: PT041509060002
 
Registo visualizado 2197 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Militar  Castelo e cerca urbana    

Descrição

Castelo de planta trapezoidal irregular, com cortinas reforçadas em redor por 4 cubelos quadrangulares e 5 circulares, circundado por barbacã baixa que acompanha em denteados rectangulares salientes os corpos dos cubelos, apenas se interrompendo no canto SO., S. e SE. onde se implanta a Igreja, uma porta na ligação a esta. Pelas faces internas da barbacã e das muralhas correm os respectivos adarves protegidos por merlões paralelepipédicos, alternadamente vazados por pequenas seteiras, e os cubelos são providos de terraços. Do lado E. a cortina central é vazada por uma janela de duplo arco quebrado e outra de arco rebaixado, ambas de molduras facetadas, pertencentes à alcáçova. A entrada faz-se por porta única em arco quebrado rasgada a E., à dir. da Igreja, encimada por duas pedras de armas: a da esq. com duas insígnias da Ordem de Santiago da Espada (uma cruz com vieiras e uma espada) e a da dir. com brasão real de Portugal Antigo; ao lado dir. da porta uma lápide epigrafada comemorativa dos centenários. O interior do recinto é ocupado pelo cemitério, com talhões divididos por sebes de buxo e parcialmente arborizado com ciprestes, uma pequena capela rectangular e um edifício baixo, longitudinal, de serviços administrativos, arrumos e sanitários. A E. localizam-se as ruínas da alcáçova, de planta trapezoidal irregular, composta por parte dos muros mestres com porta em arco rebaixado a O., um cubelo circular a NO., algumas paredes divisórias, e um pátio central com cisterna de poço quadrangular com ferragens.

Acessos

Rua de Santiago. WGS84: 30º00'52.54''N.; 8º41'53.47''O.

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto de 16-06-1910, DG n.º 136 de 23 junho 1910 / ZEP, Portaria, DG, 2.ª série, n.º 265 de 15 novembro 1949

Enquadramento

Urbano. Implantado no alto de um outeiro, sobranceiro ao casario da povoação que se estende para E. e S. A SE. adossa-se a Igreja Matriz (v. PT041509060001), e a E. uma extensa cerca murada e ameiada, com torreta cantonal a SE.. Nas proximidades, a N., a Capela de São Pedro ( v.PT041509060006). Acesso por meio de escadaria, que serve igualmente a igreja, antecedida por parque de estacionamento. Defronte da porta do castelo um cruzeiro do tipo Padrão dos Centenários. No interior o cemitério municipal.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Militar: castelo e cerca urbana

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural / Funerária: cemitério

Propriedade

Pública: Estatal

Afectação

DRCAlentejo, Portaria n.º 829/2009, DR, 2.ª série, n.º 163 de 24 agosto 2009

Época Construção

Séc. 13 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

1157 - Conquista do castelo mouro de Cacém pelos Templários; 1185 - Reconquistado pelos mouros *1; 1186 - Reconquista cristã pelos cavaleiros da Ordem de Santiago; 1191- Nova reconquista moura; 1217 - Conquista definitiva pelos cristão, e doação aos Espatários, confirmada por D. Afonso II; 1310 - Doação a D. Vetaça, dama da corte da Raínha Santa Isabel; 1336 - O castelo regressa à posse da Ordem de Santiago; 1510 - Foral manuelino de Santiago do Cacém; 1594 - Filipe II faz doação aos duques de Aveiro; 1700 - O castelo está muito degradado; 1759 - Passa à posse da Coroa; 1796 - Destruição de parte do pano de muralha em virtude da reconstrução da igreja matriz; 1938 / 1946 - Foram levadas a cabo pela DGEMN várias diligências para remover o cemitério municipal de dentro do recinto muralhado para local mais adequado, sem qualquer resultado prático; 1940, Nov. - Colocação do Cruzeiro comemorativo dos centenários, com a respectiva lápide epigrafada; 1941, Fev. - Um ciclone causou grandes danos no castelo; 1963, Mar. - Derrocada do muro de suporte do terreno anexo à escadaria de acesso ao castelo e à igreja e de parte da muralha do mesmo lado; 1964 - A muralha apresenta grandes fendas do lado S.; 1985 - Abatimento de parte do solo do interior do pátio da antiga alcáçova, decorrente de uma inundação, deixando a descoberto uma abertura provocada pelo desabamento da abóbada da cisterna; 1992, 01 junho - o imóvel é afeto ao Instituto Português do Património Arquitetónico, pelo Decreto-lei 106F/92, DR, 1.ª série A, n.º 126; 2007, 20 dezembro - o imóvel é afeto à Direção Regional da Cultura do Alentejo, pela Portaria n.º 1130/2007, DR, 2.ª série, n.º 245.

Dados Técnicos

Estruturas autoportantes.

Materiais

Cantarias calcárias e alvenarias calcárias e mistas.

Bibliografia

MOREIRA, SILVA, António de Macedo e, O Castelo de Santiago do Cacém, in Panorama, 1943, p. 121; Cor. Bastos, Castelo de Santiago do Cacém, in Diário de Notícias, 1971.08.?; Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1976; FALCÃO, José António Mexia, O Castelo de Santiago do Cacém, in Distrito de Setúbal, 1977.05.31; FALCÃO, António, FERREIRA, Jorge M., Informação sobre o estado do castelo da vila de Santiago do Cacém, no ano de 1605, Lisboa, 1984; BENTO, Sérgio Pereira, A tulha do pátio do Castelo de Santiago do Cacém, in Anais da Real Sociedade Arqueológica Lusitana, 2ª série, II, Santiago do Cacém, 1988; Património Edificado de Santiago do Cacém - Breve Inventário, CMSC, Santiago do Cacém, 2001.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

CMSC: 1936 - Escavação de terras e sua remoção; construção de paredes de muralhas; DGEMN: 1937 - Escavação de terras e reconstrução completa de paredes de alvenaria argamassada, adarves, parapeitos e merlões; 1940 / 1941 - Reconstrução de muralhas de alvenaria argamassada, iguais às existentes, com cintas encobertas de betão armado, adarves, parapeitos e merlões, escavação de terras e execução de alicerces; 1942 - Reconstrução de muralhas, adarves, cortinas e merlões, demolição de paredes de alvenaria argamassada; execução de telhados de telha tipo românica e telhas velhas em capas, assentes com argamassa hidráulica; 1943 / 1944 - Reconstrução de muralhas, adarves, cortinas e merlões; demolição de paredes de alvenaria argamassada; intrudução de betão armada em placas e vigas encobertas para consolidação da torre e muralha; 1945 / 1947 - Obras de conservação e restauro (não especificadas); 1948 - Montagem do cruzeiro, incluindo o alicerce; demolição de parede de alvenaria, construção de muralha em alvenaria, sendo as faces com pedra; 1955 - Obras de consolidação e reintegração: consolidação e restauro dos paramentos das muralhas, com construção de alvenaria hidráulica para consolidação da muralha do castelejo e em coroamento das muralhas do mesmo; conclusão do restauro da barbacã, com alvenaria hidráulica nas zonas por concluir; construção e assentamento de portas em casquinha; 1961 / 1963 - Instalação de iluminação festiva; 1962 - Arranjo da envolvente; 1964 - Levantamento do muro de suporte do parque de estacionamento, junto à escadaria de acesso à igreja e ao castelo; 1986 - Obras de consolidação e recuperação.

Observações

*1 - Uma prospecção arqueológica pôs a descoberto uma tulha possivelmente do período de ocupação islâmica, no ângulo SO. do castelo; sobre ela assentou a muralha cristã (BENTO, 1988).

Autor e Data

Isabel Mendonça 1992 / Lina Oliveira 2005

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login