Aqueduto do Mosteiro de São Cristóvão de Lafões

IPA.00033912
Portugal, Viseu, São Pedro do Sul, União das freguesias de Santa Cruz da Trapa e São Cristóvão de Lafões
 
Arquitetura de infraestruturas de distribuição de água, setecentista. Aqueduto de abastecimento a edifício religioso.
Número IPA Antigo: PT021816110193
 
Registo visualizado 158 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Hidráulica de condução  Aqueduto    

Descrição

Aqueduto de rega, em cantaria de granito aparente, com cerca de 100 m, composto por troços de várias tipologias, com caleira no topo. Parte da caleira encontra-se assente em muro, nas zonas de maior desnível o aqueduto apresenta estrutura em vão porticado.

Acessos

EN 227 de São Pedro do Sul, para Vale de Cambra; ao Km 56,4, no Lug. de Gralheira, para EM; a 1,1 Km, para desvio; a 150 m o Convento; existência de placas sinalizadoras.

Protecção

Incluído na Zona Especial de Proteção do Convento de São Cristóvão de Lafões (v. PT021816110015).

Enquadramento

Rural, isolado, implantado numa cota elevada relativamente à área envolvente na Serra da Gralheira. Ladeado por mata, localiza-se a S. do Convento de São Cristóvão de Lafões (v. PT021816110015).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Hidráulica: aqueduto

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Frei Alexandre Pereira (atr., 1721), Margarida Osswald (séc. 20); PEDREIRO: António da Cunha (1762).

Cronologia

Séc. 12, 1º quartel - Cristóvão João e sua mulher Maria Rabaldis, pais de D. João Peculiar, fundam ou restauram o mosteiro; 1161 - filiação na Ordem de São Bento; 1163 - a comunidade, no abaciado de Frei Miguel, filia-se na Ordem de de Cister, dependendo diretamente de Claraval; 1532 - estava arruinado segundo a visitação, de Dom Edme de Saulieu, Abade de Claraval, escrita pelo seu secretário Fr. Claude de Bronseval e ali viviam 4 monges; séc. 17, 2ª metade - reconstrução do mosteiro; 1721, 18 janeiro - assistia no mosteiro um monge douto em matérias de arquitetura Frei Alexandre Pereira, talvez responsável pela construção do edifício; 1762, 4 julho - António da Cunha, pedreiro do lugar do Outeiro, freguesia de Linhares, concelho de Coura, trabalhava no mosteiro, com outros oficiais minhotos; 1834 - estavam as obras do convento e da Igreja ainda inacabadas e após a extinção das Ordens Religiosas é vendido em hasta pública e deixado ao abandono; 1943 - incêndio florestal danifica as paredes em diversos sítios; 1978, 3 julho - início da instrução do processo de classificação; séc. 20, década de 80 - aquisição da zona conventual pelo atual proprietário; 1985 - demolição de parte do aqueduto de abastecimento ao mosteiro, para alargamento da estrada; séc. 20, final - recuperação do convento, conforme projeto da arquiteta Margarida Osswald; 1996, 24 maio - proposta de classificação particular; 1996, 17 junho - despacho de abertura do processo de classificação pelo vice-presidente do IPPAR; 1999, 26 julho - proposta da DRCoimbra de classificação como Imóvel de Interesse Público; 2002, 22 setembro - parecer favorável do Conselho Consultivo do IPPAR; 23 outubro - despacho de homologação da classificação como Imóvel de Interesse Público pelo Ministro da Cultura; 2003, 27 agosto - proposta da DRCoimbra de fixação da Zona Especial de Proteção; 2004, março - a zona do mosteiro abriu ao público como unidade de turismo rural; 2007, 19 março - aprovação, pelo Conselho Consultivo do IPPAR, da proposta de delimitação de uma Zona Especial de Proteção; 2008, 28 janeiro - despacho de homologação da Zona Especial de Proteção, pelo Ministério da Cultura.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante

Materiais

Granito

Bibliografia

ALVES, Alexandre, O Real Mosteiro de S. Cristóvão de Lafões (S. Pedro do Sul), Viseu, 1995; BRANCO, Alberto Manuel Vara, O Mosteiro de São Cristóvão de Lafões durante a Reconquista cristã, in Beira Alta, vol. LI, fasc. 3 e 4, Viseu, Assembleia Distrital de Viseu, 1992, pp. 325-335; Em comunhão com a natureza, in Semana Médica, 8 junho 2006; Mosteiro de São Cristóvão de Lafões, in Casas de Portugal, 5 dezembro 2006; , em 2012-10-22.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN / DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: séc. 20, final - recuperação da parte conventual.

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Teresa Ferreira 2012

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login