Lapa da Bugalheira no Lugar de Almonda / Lapa dos Coelhos

IPA.00003382
Portugal, Santarém, Torres Novas, Zibreira
 
Sítio pré e proto-histórico. Gruta natural funerária. Formação natural, devida à acção das águas subterrâneas nos calcários do Dogger, que constituem grande parte da Serra de Aire. As falanges de equídios são frequentes nas sepulturas de Almizaraque (Almeria), associadas a machados de cobre, facas em sílex, setas com asas ou pedunculadas; entre nós foram também encontradas em São Martinho de Sintra, Carrenque e Vila Nova de São Pedro. A pintura rupestre é a primeira encontrada no interior de uma gruta na zona da Estremadura.
Número IPA Antigo: PT031419160004
 
Registo visualizado 130 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Sítio  Sítio pré e proto-histórico  Gruta  Gruta natural funerária    

Descrição

Formação natural constituindo um abrigo sob rocha, comunicando com 2 salas, a de sala de entrada e a sala do Ricardo. No interior: falanges gravadas de equídios, encontradas no centro da gruta, falanges do mesmo tipo, mas sem desenhos, junto à entrada; na parede direita da gruta foram encontrados 2 esconderijos com lâminas de sílex, na esquerda conjuntos de ossos de coelho, reunidos por categorias (fémures, úmeros, cabeças, etc.); machados votivos, lamelas e lâminas, micrólitos, um vaso de grandes proporções; 2 punhais de sílex, 2 dezenas de lâminas de grandes dimensões, cerâmica lisa e com decoração cardial, 2 ídolos antropomórficos - uma placa e um coelho - em osso; pintura rupestre feita à base de pontos, artefactos em cerâmica e zagaias em osso.

Acessos

EN 243 - EM Zibreira / Almonda

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 35 817, DG, 1.ª série, n.º 187 de 20 agosto 1946

Enquadramento

Rural, meia encosta. A c. de 1km. de distância da gruta da nascente do Almonda (entrada nº 1), a lapa abre-se na encosta do Arrife (contraforte da Serra de Aire), sobranceira ao lugar de Almonda.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Não aplicável

Utilização Actual

Não aplicável

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

DGPC, Decreto-Lei n.º 115/2012, DR, 1.ª série, n.º 102 de 25 maio 2012

Época Construção

Paleolítico (conjectural) / Neolítico / Calcolítico

Arquitecto / Construtor / Autor

Não aplicável

Cronologia

Paleolítico inferior - período provável da pintura rupestre; Neolítico final - Calcolítico inicial - vestígios mais abundantes de ocupação da gruta; foram encontrados vestígios de enterramentos ao longo das paredes da sala de entrada e na zona central - ossos cobertos por plaquetas de calcário e pedras; Séc. 18 - 19 - segundo a tradição local a lapa teria siso ocupada esporadicamente, como local de refúgio das populações do Arrife, como por exemplo durante as invasões francesas; 1941 - a confirmar as ocupações setecentistas e oitocentistas, foram encontradas moedas de inícios do séc. 19 e um botão do período pombalino; 1992, 01 junho - o sítio é afeto ao Instituto Português do Património Arquitetónico, pelo Decreto-lei 106F/92, DR, 1.ª série A, n.º 126; 1997 - encontrada a pintura rupestre no interior da gruta; 2009, 24 agosto - o sítio é afeto à Direção Regional da Cultura de Lisboa e Vale do Tejo, Portaria n.º 829/2009, DR, 2.ª série, n.º 163.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

PAÇO, A. do, VAULTIER, M. e ZBYSZEWSKY, G, Notas sobre a Lapa da Bugalheira in Actas do I Congresso Nacional de Ciências Naturais, Lisboa, 1941; PAÇO, A., ZBYSZWESKI, G., FERREIRA, O. da Veiga, Resultados das escavações na Lapa da Bugalheira (Torres Novas) in Comunicações dos Serviços Geológicos de Portugal, T. 55, Lisboa, 1971; ZILHÃO, J., Novas perspectivas para a investigação da Pré-história da região de Torres Novas, Almondinha, nº 2, Torres Novas, 1988; MAURICIO, J. Contribuição para o conhecimento da pré-história do concelho de Torres Novas, Almondinha, nº 2, Torres Novas, 1988.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN / DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN / DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

1940 / 1941 - Primeiras prospecções na gruta realizadas após a remoção dos entulhos, sob a direcção de A. do Paço, G. Zbyszweski e O. da Veiga Ferreira; 1986 - descoberta de uma nova sala - a sala do Ricardo; STEA (Sociedade Torrejana de espeleologia e Arqueologia): 1997, Setembro - desobstrução da gruta sob a direcção de Francisco Almeida.

Observações

Autor e Data

Rosário Gordalina 1992 / Isabel Mendonça 1995

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login