Pelourinho da Batalha

IPA.00000325
Portugal, Leiria, Batalha, Batalha
 
Arquitectura comemorativa, do séc. 20. Pelourinho de pinha ovalada, com soco misto, circular e hexagonal, com quatro degraus, onde assenta fuste torso com faixas ornadas por esferas, com nó central. No topo, o símbolo heráldico da Batalha e remate ovalado, encimado pela Cruz de Cristo. Pelourinho construído com base em documentação que mostra o pelourinho que terá existido na Batalha, destacando-se o fuste com fuste cortado por nó cordiforme e com decoração nas faixas que compõem o torso.
Número IPA Antigo: PT021004010003
 
Registo visualizado 519 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Comemorativo  Memória de pelourinho    

Descrição

Estrutura em cantaria de calcário, composta por soco de quatro degraus sendo o primeiro circular e os restantes hexagonais, todos eles com o bordo superior boleado, onde assenta a base da coluna composta por um elemento circular e outro octógonal. O fuste é constituído por duas secções torsas estriadas, com sentidos opostos, sendo decorado em metade das estrias por pequenas meias esferas, ambas as secções são separadas por um nó central encordoado. Encimando o fuste, capitel com brasão da Batalha onde sobressai a padroeira Santa Maria da Vitória, rematado pela peça terminal com coroa tendo nas pontas trevos de três folhas e no meio uma esfera onde assenta uma cruz de Cristo em ferro.

Acessos

Largo de D. Filipa de Lencastre; Rua Luís da Silva Mouzinho de Albuquerque (restaurador do Mosteiro). WGS84 (graus decimais) lat.: 39.658498; long.: -8.823957

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado, em largo ajardinado formado pela confluência de vários eixos viários, tendo na sua envolvente o Mosteiro da Batalha (v. PT021004010001), a Igreja Matriz (v. PT021004010002), a Igreja da Misericórdia (v. PT021004010006) e um edifício do séc. 18 (v. PT021004010009).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Comemorativa: memória de pelourinho

Utilização Actual

Comemorativa: memória de pelourinho

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

MESTRES: Alfredo Ribeiro (2000); Pedro Oliveira (2000).

Cronologia

1712 - é da Comarca de Leiria e tem 570 vizinhos; 1844, 27 de Outubro - em conferência feita pelo Visconde de Juromenha à Real Associação dos Architectos Civis e Archeologos Portugueses, afirma ter visto o Pelourinho e assemelha-o, do ponto de vista decorativo, aos de Alverca e ao primitivo de Sintra; 1860 - data aproximada da demolição do pelourinho da batalha originada por um acto de vandalismo; 1907 - Silva Leal refere que o pelourinho da batalha era um dos mais notáveis espécimens da arquitectura portuguesa pela natureza dos seus ornatos mimosíssimos e pelo primoroso rendilhado, como o de todos os trabalhos da época da renascença, vulgarmente denominado manuelino. 2000, 19 Março - inauguração do novo pelourinho, em memória do antigo, construído segundo desenhos existentes; 2011, 27 Dezembro - Declaração nº 322/2012 publicada em Diário da República nº 234, Série II, desclassificando o pelourinho.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónoma.

Materiais

Estrutura em cantaria de calcário.

Bibliografia

COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza…, vol. III, Lisboa, Officina Real Deslandesiana, 1712; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; SILVA LEAL, A Nossa Pátria, 1907; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito de Leiria, Viseu, 2000.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Cecília Matias 2001

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login