Igreja Paroquial de São Pedro / Igreja de São Pedro

IPA.00003179
Portugal, Lisboa, Alenquer, União das freguesias de Alenquer (Santo Estêvão e Triana)
 
Igreja paroquial seiscentista de planta retangular e linhas muito simples, após o terramoto de 1755, recebeu uma profunda reforma tardo-barroca, tendo sido estruturada internamente segundo os esquemas pombalinos, com capelas laterais definidas por arcos de volta perfeita assentes em colunas toscanas, amplo arco triunfal e retábulo-mor de talha com marmoreados fingidos. No exterior, a sua fachada principal é em empena truncada por cruz, com os vãos rasgados em três eixos, o central com portal e óculo, sendo os laterais formados por dois janelões. O portal apresenta, no frontão do remate, os atributos do orago, que se repetem no arco triunfal. A torre sineira é de cobertura em coruchéu bolboso, tendo o templo coberturas diferenciadas em falsas abóbadas de berço de madeira, a da nave de construção recente, sendo iluminada pela fachada principal e unilateralmente, por janelas retilíneas rasgadas na fachada lateral direita. Interior com coro-alto de madeira, baptistério e púlpito no lado do Evangelho e capelas laterais, uma delas com retábulo de talha rococó. Capela-mor com supedâneo de degraus centrais e retábulo de talha tardo-barroco. Possui capela funerária de planta quadrangular, recomposta pela DGEMN em 1940 com reaproveitamento de elementos renascentistas, provenientes de uma outra igreja paroquial, onde se conserva o túmulo tradicionalmente apontado como o de Damião de Góis e da sua esposa. De maior interesse são as outras duas lápides, uma alusiva ao seu sepulcro e outra com as suas armas actualmente aplicadas nas paredes laterais da capela. Ambas refletem a ordem e decoração renascentista, podendo-se destacar os típicos medalhões. Um deles, por ter rosto masculino é considerado como sendo a cabeça de Damião de Góis, o que não nos parece conclusivo, visto tratar-se de um elemento decorativo característico do estilo, tal como as laçarias, cartelas e outros. Parece-nos ainda denotar um erro de elaboração heráldica na feitura do escudo de Damião de Góis, uma vez que a forma deste é híbrida entre o chamado escudo "português" e o "francês". Numa das capelas laterais do Evangelho, surge um retábulo de talha com preparação para douramento, de estilo rococó. Na cobertura da capela-mor, painel setecentista com a representação de uma Santíssima Trindade.
Número IPA Antigo: PT031101110012
 
Registo visualizado 739 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Igreja de planta retangular composta por nave, capela-mor, capela funerária adossada à fachada lateral direita, torre sineria no mesmo lado e sacristia e anexo no lado oposto, de volumes articulados e escalonados, com coberturas diferenciadas em telhados de uma, duas e três águas, sendo, a cobertura da torre sineira, em coruchéu bolboso. Fachadas rebocadas e pintadas de branco. Fachada principal virada a oeste, em empena truncada por cruz latina no vértice, tendo, sobre os cunhais, pináculos piramidais em cantaria. É rasgada por portal de verga reta com moldura de cantaria, rematado por friso, cornija e frontão interrompido por volutas, contendo os atributos do orago, sublinhados por friso volutado; o remate é ladeado por pináculos embebidos na estrutura murária e, do friso, pendem dois pingentes. Sobre o portal, rasgam-se duas janelas rectilíneas e um óculo ovalado, todos com molduras de cantaria. No lado esquerdo, é visível a meia-empena do corpo adossado, rasgado por pequena janela rectilínea e com moldura de cantaria. No lado direito, ergue-se a torre sineira de dois registos divididos por cornija, o inferior com cunhais perpianhos e o superior com cunhais em cantaria. O registo inferior possui pequena fresta e, no topo, quatro ventanas em arcos de volta perfeita, assentes em impostas salientes. A estrutura remata em cornija, tendo pináculos nos ângulos. Fachada lateral esquerda com janela retangular rasgada no corpo da nave, tendo, no corpo da sacristia, porta de verga recta com escadas de acesso, óculo circular e pequena fresta jacente entaipada. No corpo anexo, óculo ovalado na face nascente. Fachada lateral direita com duas janelas rectilíneas, uma rasgada no corpo da nave e a segunda no da capela-mor. É marcada pelo adossamento de pequeno corpo em empena, que alberga uma estrutura retabular, o corpo da capela funerária de Damião de Góis, com os cunhais marcados por contrafortes e rasgada por janela retilínea jacente na face sul. Tem corpo adossado com pequena fresta, possuindo, na face poente, porta de verga reta e janela. Fachada posterior em empena com janela de verga reta e óculo ovalado. Os corpos laterais são, de ambos os lados, rasgados por uma janela retilínea. No da direita surge um corpo adossado com sineira em arco de volta perfeita, assente em impostas salientes e com pequena fresta de iluminação. INTERIOR com as paredes rebocadas e pintadas de branco, as da nave percorridas por azulejo de padrão polícromo, formando silhar, tendo pavimento em soalho com corredor central lajeado e cobertura em falsa abóbada de berço abatido, assente em cornijas. Coro-alto de madeira assente sobre mísulas e estípides de madeira pintadas de branco e cinza, com guarda de madeira balaustrada, pintada de branco; tem acesso por portas de verga recta em ambos os lados. Portal axial protegido por guarda-vento de madeira, ladeado por pias de água benta em cantaria. No lado do Evangelho e no sub-coro o baptistério com acesso por arco de volta perfeita assente em pilastras toscanas, com paredes rebocadas e pintadas de branco, cobertura em falsa abóbada de berço, também rebocada e pintada, e pavimento em ladrilho. Contém pia baptismal com pequena coluna ornada por toros e escócias, possuindo taça facetada, decorada por motivos fitomórficos variados. No lado oposto, vão rectilíneo. Confrontantes, duas capelas com acesso por arcos de volta perfeita com fechos salientes, assentes em pilastras toscanas com fustes almofadados. No lado do Evangelho, púlpito quadrangular com bacia de cantaria assente em consola com pingentes, possuindo guarda plena de madeira pintada de marmoreados fingidos e dourada, com perfil galbado; tem acesso por porta de verga recta com moldura de cantaria e remate em friso e cornija. No lado do Evangelho, uma capela dedicada ao Crucificado. No lado da Epístola, a capela funerária de Damião de Góis, com acesso por arco de volta perfeita com fecho saliente e assente em pilastras toscanas, estando elevada por um degrau. Tem paredes rebocadas e pintadas de branco, cobertura em abóbada estrelada, assente em mísulas e com bocetes decorados, possuinfo pavimento lajeado com a laje sepulcral de Damião de Góis. Esta é retangular, partida em três e de linhas sóbrias, com moldura enquadrando longa descrição latina. No lado do Evangelho, pedra com as armas do humanista e da sua mulher, Joana de Hargen, encimada por pequeno espaldar enquadrado por enrolamentos e com cartela central, ostentando querubim. No lado oposto, lápide com inscrição latina, de forma retangular e posta ao alto, com cabeça relevada e remate em cruz de Cristo. Confrontantes, duas portas de verga recta e moldura simples. Arco triunfal de volta perfeita, assente em pilastras toscanas de fustes almofadados, tendo no fecho as armas do orago. A capela-mor, elevada por um degrau, com pavimento em lajeado e cobertura em falsa abóbada de berço de madeira pintada, possuindo apainelado central a representar uma Santíssima Trindade horizontal. Sobre supedâneo de cantaria com três degraus centrais, retábulo-mor de talha pintada com marmoreados fingidos, de planta convexa e um eixo definido por quatro colunas grupadas, de fustes lisos e capitéis coríntios, sobre amplos plintos paralelepipédicos. Ao centro, tribuna lobulada e remate em frontão semicircular, decorado com rosetões, a que se adossam dois fragmentos de frontão que enquadram falso espaldar, ornado por acantos, concheados e medalhão central com estrela. Sacrário em forma de templete, com cobertura em domo, com a porta adornada por custódia.

Acessos

Travessa de São Pedro. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,054552; long.: -9,010631

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto 16-06-1910, DG n.º 136 de 23 junho 1910 (túmulo de Damião de Góis) / IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 35 443, DG, 1.ª série, n.º 1 de 02 janeiro 1946 (Capela funerária de Damião de Góis) / ZEP, Portaria, DG, 2.ª série, n.º 297 de 19 dezembro 1963 (Capela funerária de Damião de Góis) *1

Enquadramento

Urbano, isolado, implantado numa zona de forte declive, no centro histórico de Alenquer, na zona alta da vila, tendo fronteiro largo num nível mais alto que o portal, para onde dão escadas de acesso.

Descrição Complementar

INSCRIÇÕES: Laje sepulcral - "DEO OPT MAX DAMIANO GOI. EQVITI LUSI = / TANO ET IOANAE HARGO = / NIAE. BATAVAE. CONIVGIB. POS = TERISQ. EORVUM. COLLEGIVM = / SACERDOTVM. HVIVSCE TEM = / PLI. VIRGINIS. DEIPARAE. EXO = / LISIPONENSIS. PONTIFICIS. / CONSENSV. CELLAM. INGEN = / TILICIAM. DEDIT. SEPVLTV = / (RAM. CAVTO. NE) CVIALII. EX = / (TRAEFORVM. FAMI)LIAM. IVS ES = / (TO IBI. SEPELIRI. Q)VODII. PAVI = / MENT(VM. C)ELLAE EIVS. VARIO. / AC. PERPOLITO. LAPIDE. OPE = / RE TESSELATO. STERNEN = / DVM. SVA. PECVNIA / CVRAVERVNT / M. D. L. X.". Na Lápide, a inscrição: "DEO. OPT. MAXIMº / DAMIANVS. GOES. EQVES. / LVSITANVS. OLIM. FVI / EVROPAM. VNIVERSAM. REBVS. / AGENDIS. PERAGRAVI. MARTIS. VARIOS. CASVS. / LABORESQ. SVBIVI. / MVSAE. PRINCIPES. DOCTIQ. VIRI. MERITO. ME. AMARVNT / MODO. ALANOKERCAE. / VBI. NATVS. SVM. HOC / SEPVLCHRO. CONDOR / DONEC. PVLVEREM. HVNC. / EXCITET. DIES. ILLA. / OBIIT. ANNO. SALVVTIS. / D.M.L.X.". As armas do humanista e sua mulher são: I - armas de Damião Góis: 5 quadernas de crescente dispostas em cruz no campo; timbre em elmo com paquife desenvolvido e leão saiente; ladeado de 2 asas; II - lisonja com as armas esquarteladas de Joana de Hargen, suspenso de laçarias e envolto por cartelas com inscrição. A Capela do Crucificado insere-se em espaço com acesso por arco de volta perfeita, assente em pilastras toscanas e com fecho saliente, contendo amplo banco de cantaria, que sustenta estrutura retabular de talha com preparação para receber douramento, de planta reta e três eixos definidos por quatro colunas espiraladas, assentes em consolas. Ao centro, amplo nicho e os eixos laterais possuem apainelados decorados por motivos fitomórficos. Remata em fragmentos de entablamento e de frontão, sobre os quais surgem anjos de vulto, encimado por estrutura semicircular, a ostentar decoração fitomórfica.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Lisboa)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 16 / 17 / 18 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

PINTOR: Álvaro Duarte de Almeida (séc. 20).

Cronologia

Séc. 13 - documentação refere a existência da igreja; séc. 16 - execução da pia baptismal; 1502, fevereiro - nasce, em Alenquer, Damião de Góis; 1545 - Damião de Góis, depois de regressar a Portugal, reedifica a Igreja de Santa Maria da Várzea (v. PT031101110029); 1560 - data da laje sepulcral de Damião de Góis; 1574, 30 janeiro - morte de Damião de Góis durante uma viagem para Alcobaça, desconhecendo-se a data da transladação do seu corpo para a Igreja de Santa Maria da Várzea; séc. 17 - provável reconstrução da igreja de São Pedro; séc. 18 - no Dicionário Geográfico do Padre Luís Cardoso, é referido que a igreja é de uma nave, tendo retábulo-mor de talha dourada, ostentando um painel com a representação da Doação das chaves a São Pedro; tem os altares colaterais de Nossa Senhora das Angústias (Evangelho) e Nossa Senhora do Ó (Epístola); tem uma capela lateral no lado do Evantelho, dedicada ao Cristo Crucificado, administrada pelo Dr. Bernardo Pereira de Gusmão; no lado da Epístola, as capelas de Santa Ana e de São Francisco Xavier, esta administrada por Martinho de Sousa de Sá, morador em Lisboa; 1755, 01 novembro - a igreja é destruída pelo terramoto; 1758, 23 maio - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco João Martins da Silva, é referido que a igreja tem uma nave e capela-mor, separados por arco de pedra e tem o altar-mor e os colaterais de Nossa Senhora das Angústias (Evangelho) e Nossa Senhora da Expectação (Epístola); possui três capelas laterais, duas particulares, dedicadas ao Crucificado e a São Francisco Xavier; a Capela de Santa Ana é do pároco; este é prior, apresentado pela Coroa e rende de 350 a 400$000; tem oito beneficiados, apresentados pelo prior, cada um com o rendimento de 120$000; séc. 18, 2.ª metade - reconstrução do templo; 1940, 30 Agosto - devido à ruína em que se encontrava a Igreja de Santa Maria da Várzea , procede-se à trasladação dos restos mortais de Damião de Gois e esposa para a capela por ordem do então ministro das obras públicas Engenheiro Duarte Pacheco; os trabalhos foram dirigidos pessoalmente por Hipólito Cabaço mediante encargo da DGEMN e do seu então director Baltazar da Silva Castro; séc. 20, meados - pintura de um painel a representar São Pedro e o Anjo por Álvaro Duarte de Almeida; 2002, setembro - novembro - exumação e estudo das ossadas de Damião de Góis e de sua mulher, por equipa liderada pelo arqueológo Fernando Rodrigues Ferreira, tendo-se concluido que as mesmas não podem pertencer ao humanista mas sim a um homem mais novo, provavelmente um camponês.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria, rebocada e pintada; modinaturas, cruzes, pilastras, cunhais, cornijas, pavimentos em cantaria de calcário; silhares em azulejo polícromo, industriais; cobertura exterior em telha.

Bibliografia

AZEVEDO, Carlos de; FERRÃO, Julieta; GUSMÃO, Adriano de - Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa. Lisboa, 1963; "Damião de Góis". Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. Lisboa, s.d., vol. 13, pp. 494 - 497; HENRIQUES, Guilherme João Carlos - Alenquer e seu Concelho. Lisboa, 1873; MELO, António de Oliveira; GUAPO, António Rodrigues; MARTINS, José Eduardo - O Concelho de Alenquer. Subsídios para um Roteiro de Arte e Etnografia. Alenquer, 1989, vol. 1; Monumentos. Lisboa, DGEMN, 2002, n.ºs 16 e 17; RIBEIRO, Mário de Sampaio - "Tradições e Lendas Estremenhas. Nossa Senhora do Capítulo". Estremadura. Boletim da Junta de Província. S.l., 1944, série 2, n.º 5, pp. 99 - 104; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/74869 [consultado em 8 agosto 2016].

Documentação Gráfica

SIPA: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

SIPA: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

SIPA: DGEMN/DSID; CMAlenquer: arquivo GTL, GAT; DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 2, n.º 46, fl. 361 - 400)

Intervenção Realizada

DGEMN: 1955 - obras diversas; 1956 - restauro da cobertura (1ª fase). 2001 - 2002 - revisão das coberturas da capela de Damião de Góis; beneficiação do exterior das fachadas e caixilharias; revisão do sistema de drenagem das águas pluviais; limpeza das cantarias; remodelação do terreiro que envolve a capela; 2002 - limpeza das cantarias, tratamento de rebocos e pinturas e revisão da instalação eléctrica da capela de Damião de Góis.

Observações

*1 - DOF: Capela da Igreja de São Pedro e recheio.

Autor e Data

Paula Noé 1992 / Paula Figueiredo 2011

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login