Igreja Paroquial de Santo Aleixo da Restauração / Igreja de Santo Aleixo

IPA.00000317
Portugal, Beja, Moura, União das freguesias de Safara e Santo Aleixo da Restauração
 
Arquitectura religiosa, maneirista, barroca. Igreja paroquial com portal lateral maneirista, portal principal, sineira e volutas de remate das empenas de características barrocas. Retábulo-mor barroco de estilo nacional; na capela-mor silhar de azulejos do ciclo dos mestres.
Número IPA Antigo: PT040210050003
 
Registo visualizado 374 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal, composta pelos corpos rectangulares, escalonados, da nave e capela-mor e sala de acesso à tribuna, pela torre sineira quadrada a N., e a S. pela capela baptismal, capelas laterais de planta rectangular e sacristia também rectangular. Volumes articulados, massas dispostas na vertical, com cobertura diferenciada em telhados de 1, 2 e 4 águas, em domo sobre a torre sineira e cupulim sobre a capela-mor. Alçados de alvenaria, rebocados e caiados. Fachada principal a O., de dois panos correspondentes à nave e torre sineira que se destaca apenas ao nível da sineira; embasamento pétreo saliente, funcionando como banco corrido com duas divisórias; remate em empena recortada de volutas, coroada de pináculos e cruz no vértice; pano da nave rasgado por pórtico axial de verga em arco abatido, sobreposta de entablamento sobre pilastras com remates avançados; portadas de madeira almofadadas; sobre o entablamento assenta nicho oval com estátua rematado por frontão redondo; janelão axial de verga em arco segmentar, gradeado. Fachada lateral N. de 3 corpos correspondentes à nave, capela-mor e sala de acesso à tribuna, com remates rectos em cornija e beirado; o corpo da nave, tem adossado, de O. para E.: corpo baixo e estreito da capela baptismal com remate em empena ligeiramente curva; duas capelas laterais geminadas, com alçados laterais com remate em cornija e beirado e os alçados N. em empena, rasgado a 1ª por janela rectangular e a 2ª por porta com acesso por degraus; entre as estas capelas e a capela baptismal duas arcadas cegas, em arco de volta perfeita, a da esquerda mais estreita, e comungando pilar munido de base; no corpo da capela-mor, adossado à capela lateral da esquerda e à face, o corpo da sacristia, com remate recto em cornija e beirado e rasgado por janela vertical com verga sobreposta de frontão em estuque decorado no tímpano por rosetão; a E., adossado à sacristia e à face, muro mais baixo que encerra pátio a E.. Fachada lateral S. de 4 corpos correspondentes à torre sineira, nave, capela-mor e sala de acesso à tribuna; corpo da torre saliente, com alçados apresentando remates em frontão curvo e 4 sineiras em arco de volta perfeita; o alçado S. da torre tem adossado a E. o corpo das escadas que sendo mais baixo se destaca apenas ao nível do remate munido de varandim férreo e com mostrador de relógio de mármore; no corpo da nave rasgam-se 4 arcadas de volta perfeita, todas elas cegas excepto a 2ª onde se rasga a porta travessa, de mármore, com verga sobreposta de entablamento sobre pilastras e coroado por frontão curvo interrompido por cruz sobre peanha tendo inscrita data 1626; portadas de madeira almofadadas; embasamento saliente e capeado a tijoleira interrompido apenas na 2ª arcada; remate recto em cornija e beirado; corpo da capela-mor reentrante, definido a E. por cunhal saliente, rasgado por fresta rectangular e com remate recto sobreposto de pequeno frontão curvo, coroado por urna, e pináculos angulares; corpo da sala de acesso ao trono cego, com remate recto em cornija e beirado. Fachada posterior com o corpo da nave apresentando remate em frontão recortado com sineira no vértice; mais baixos adossam-se os corpos escalonados da capela-mor, de remate recto em cornija e pano definido por cunhais, e o da sala de acesso à tribuna, de dois registos definidos por cornija, com remate em empena e rasgado superiormente por janela rectangular; no vértice e nos ângulos pináculos; a fachada E. da sacristia, adossada a N. à capela-mor, apresenta porta simples de acesso ao interior; o ângulo N. formado pelos corpos da capela-mor e sala de acesso à tribuna com a sacristia è fechado por muro, que se prolonga pela fachada lateral N. da igreja, criando um pátio com acesso por dois degraus e porta simples rasgada na face E. do muro; neste pátio encontra-se, junto à porta de acesso à sacristia, um sino de bronze apeado e no pavimento uma lage epigrafada; a partir do alçado posterior da nave a S., corre embasamento baixo, envolvendo os corpos da capela-mor e da sala de acesso à tribuna e a face E. do muro. INTERIOR: paredes rebocadas e caiadas, cobertura em abóbada de canhão sobre sanca e pavimento de madeira; na parede O. o pórtico com verga simples em arco abatido, ladeado de cada lado por pia baptismal pétrea, sobre alto plinto de alvenaria, e por decoração de estuque, assinalando as estações da Paixão, figurando uma cruz latina gomeada, ladeada por duas chamas; sobre o pórtico o janelão entaipado. Nas paredes laterais elevados arcos redondos falsos, cinco por banda, descarregando em pilares adossados; nas paredes E. e O. a descarga dos arcos é feita em meios pilares adossados; todos eles são munidos de bases e impostas molduradas, decorados por motivo de estuque, assinalando as estações da Paixão, idêntico aos da parede O.; sobre cada imposta, uma coroa também em estuque e no fecho dos arcos motivo de estuque de concheados ou volutas alguns arcos abrigam capelas; no 5º pilar teia de balaústre de ferro e pilaretes pétreos, aberta ao centro, e assente em lage pétrea. Do lado do evangelho: no 1º arco, a capela baptismal com cobertura em abóbada de canhão e pavimento de tijoleira tem acesso por arco redondo parcialmente fechado por portada de madeira com frontão recortado também de madeira pintada; pia baptismal com pé relevado na base e taça em faiança vidrada verde, com relevos de querubins e bolas; no 3º arco altar de estuque com apontamento dourados, de eixo único, banco suportando dias pilastras e duas colunas de fuste espiralado; ático em frontão recortado de aletas, com concheados e duas figurinhas a da esquerda segurando a lua e a da direita o sol; no tímpano, decorado por pequenas cruzes relevadas e pintadas a dourado, medalhão oval com moldura de volutas; pilastras relevadas cada com um atlante dourado, coroado por concha; nicho à face com querubins nos ângulos; mesa de altar de alvenaria em urna; segue-se o púlpito de mármore com guarda-voz em estuque em forma de baldaquino e porta de molduras marmóreas; no 5º arco, retábulo de estuque com apontamentos dourados de estrutura tripartida, 2 peanhas nos panos laterais, munidas de pequenos baldaquinos; maquineta central com remate em frontão curvo recortado; banco destacado ao centro suportando a maquineta, e decorado de volutões angulares; ático em frontão recortado munido de sanefa de perfil curvo tudo em estuque recortado; mesa de altar de alvenaria, rectangular. Do lado da epístola: no 1º arco rasga-se a porta de acesso à torre sineira, de molduras de alvenaria e verga em arco abatido sobreposta de frontão triangular interrompido, de estuque; superiormente as ombreiras são decoradas lateralmente por orelhões de estuque; no 3º arco a porta travessa rasgada na espessura do muro e resguardada por guarda-vento baixo, de madeira envidraçado; no 5º arco retábulo idêntico ao que lhe fica fronteiro, do lado do evangelho. Arco triunfal redondo, assente em pilastras toscanas, tudo em mármore; sobre ele as armas de Santiago coroadas, em estuque, a que se sobrepõe nicho quadrangular, com o fundo pintado e molduras de estuque, recortadas; altares colaterais idênticos, em mármores, branco e negro, de eixo único, com maquineta inserida em moldura de mármore negro que se prolonga pelo banco interrompido ao centro por peanha de mármore; ático em frontão mistilíneo, com o tímpano decorado por querubim e orelhões, assente em pilastras de acantos e enrolamentos na base; portada da maquineta com a parte inferior decorada por dois rectângulos perfurados; mesas de altar rectangulares. Capela-mor com cobertura em cúpula sobre pendentes horizontais; pavimento de soalho; nas paredes laterais silhar de azulejos, azuis e brancos, figurando arquitecturas fingidas e medalhões com paisagem; na parede do evangelho fresta rectângula em capialço; Retábulo-mor de talha dourada, enquadrado por arco redondo sobre impostas.

Acessos

Praça da Restauração

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto n.º 29 604, DG, 1.ª série, n.º 112 de 16 maio 1939 / Incluído no Plano Sectorial da Rede Natura 2000: Zona de Proteção Especial Mourão/Moura/Barrancos (PTZPE0045)

Enquadramento

Urbano, outeiro, isolado. Inserida na zona residencial, a igreja e respectivo adro envolvente situam-se em posição de destaque, num nível elevado em relação ao aglomerado, a uma cota de c. de 283m.

Descrição Complementar

AZULEJOS: silhares da capela-mor dispostos em dois registos, o inferior figurando nos extremos pilastras decoradas com putti e volutões; ao centro composição de enrolamentos, concheados e grinaldas; no registo superior, mais alto, nos extremos pilastras no eixo das inferiores, decoradas por volutões dos quais pendem grinaldas de frutos e flores; ao centro medalhão oval, com molduras de enrolamentos de folhagem, vieira e querubim, contendo uma paisagem fluvial; cada medalhão é ladeado por duas figuras masculinas sustendo gorda grinalda de flores e frutos; este registo é delimitado por entablamento; sobre a sanefa de cada uma das portas laterais, composição de volutões, concheados, grinalda de frutos e querubim envolvendo cartela com inscrição: do lado do evangelho "DERIDETVR / IVSTI SIM / PLICITAS", do lado da epístola "OMNIA OMSA / PROTER AMO / REM DOMINI / MEI".

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

1626 - construção do primeiro templo (segundo data cronografada no portal lateral); 1644 - serviu de refúgio à população aquando do ataque castelhano, sendo então destruída; 1683 - reedificação; 1704 - é novamente seriamente danificada, durante o ataque castelhano, no contexto da Guerra da Sucessão; 1733 - desfeita pelo povo; 1734 - reedificação passando de tês para uma única nave, mantendo-se a capela-mor.

Dados Técnicos

Materiais

Paredes de alvenaria rebocada e caiada, cantaria em molduras, cobertura de telha assente em estrutura de madeira.

Bibliografia

CAEIRO, Bento, Santo Aleixo da Restauração, a Aldeia Heróica da Restauração de Portugal, Moura, 1940.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

DGEMN: 1958 - reconstrução da cobertura; 1967 - consolidação do arco da capela-mor, substituição de porta, 1974 - assentamento de portas e reconstrução de rebocos na torre sineira; 1975 - reparação de fendas, reparação da cúpula da torre e de soalhos; execução de rebocos.

Observações

A igreja serviu de baluarte à população durante as investidas espanholas, depois de ter sido por estes destruído o castelo. Pela sua situação junto à fronteira espanhola, Santo Aleixo da Restauração, tal como Noudar, serviu de atalaia a Serpa, Moura e Mourão.

Autor e Data

Isabel Mendonça 1994

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login