Pousada das Quedas do Duque de Bragança / Pousada das Quedas de Calandula

IPA.00031415
Angola, Malanje, Calandula, Calandula
 
Pousada construída na década de 50, do séc. 20, em local privilegiado, com vista para as quedas do Duque de Bragança, em linguagem moderna, e recentemente recuperada. Tem planta retangular composta por dois corpos dispostos em posição convergência para o meio, formando bloco, de pequenas dimensões, de um ou três pisos, com a fachada posterior de perfil inclinado e aberta à paisagem, nos pisos superiores por amplos vãos retilíneos, envidraçados e com varandas, no segundo piso corrida, e no terceiro separadas por papagaios, desenvolvidos sobre pilotis, ao nível do piso térreo, criando pátio coberto.
Número IPA Antigo: AO911402000005
 
Registo visualizado 2546 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Comercial e turístico  Unidade hoteleira  Pousada  

Descrição

Planta retangular, de cobertura em betão, com duas águas convergentes para o meio. Fachada principal de um piso, formado por dois corpos, o da esquerda rasgada por três amplos vãos retangulares, e com sobrejanelas da mesma largura, tendo à esquerda escada de acesso ao interior. O corpo da direita, ligeiramente mais baixo, possui quatro grandes vãos, encimados por grelhagem. A fachada posterior, virada ao rio e às quedas de água, tem perfil inclinado para a fachada principal, assente em pilotis, definindo pátio coberto, delimitado por parede rasgada superiormente por vãos jacentes. Os dois pisos superiores são amplamente rasgados por vãos retilíneos envidraçados e com varandas frontais, com guarda em vidro; os vãos do segundo piso separam-se por pilares e a varanda é corrida, enquanto os vãos do terceiro se separam por papagaios, interligados superiormente por pala horizontal de betão. O balcão da varanda do terceiro piso funciona como pala sobre os vãos inferiores. As fachadas laterais, de remate inclinado para o meio do edifício, são escassamente rasgadas, por pequenos vãos retangulares. INTERIOR: no nível do segundo piso desenvolve-se sala de refeições, conservando os pilares centrais revestidos a mármores, numa das paredes restos do antigo painel cerâmico que o revestia, com representação de aves, e, na parede interior, lareira. No último piso, dispõem-se sete quartos, com vista panorâmica sobre as quedas de água. Junto à fachada posterior tem piscina, envolvida por zona arrelvado.

Acessos

Calandula, por estrada secundária, 14 km após desvio a partir da estrada Lombe - Calandula, à direita (para norte), e cerca de 39 km depois Lombe. Vindo de Calandula, desvio à esquerda, 14 km após a saída daquela povoação

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Rural, isolado, a 80 kms de Malanje e cerca de 450 kms de Luanda. Implanta-se na margem esquerda do rio Lucala, a jusante das Quedas de Calandula, as segundas maiores de África, com domínio visual a partir de uma cota muito próxima da da crista das quedas. Ergue-se adaptada ao declive do terreno, sendo servida por uma estrada a partir da via Lombe - Calundula. Dispunha de diversas construções do tipo tradicional, que se presume terem sido bungalows.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Comercial e turística: pousada

Utilização Actual

Comercial e turística: pousada

Propriedade

Privada: pessoa coletiva

Afectação

Época Construção

Séc. 20 / 21

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Joaquim José Ferreira Pinto dos Reis (1950, década).

Cronologia

1940 - data de um projeto da pousada, da autoria do arquiteto Franz Schacherl (Missão de Estudos e Construção de Edifícios), que acaba por não ser executado *1; 1959, junho - inauguração da pousada com projeto do arquiteto Joaquim José Ferreira Pinto dos Reis, natural de Penafiel e licenciado em arquitetura pela Escola Superior de Belas Artes do Porto (09-09-1924 - 02-06-1975); 1974 - a pousada ainda está em funcionamento; 1975 - as Quedas do Duque de Bragança passam a denominar-se de Quedas de Calandula; 2009 - o imóvel é adquirido por uma empresa, que o pretende restaurar e refuncionalizar; 2014, maio - as Quedas de Kalandula são eleitas como uma as sete maravilhas de Angola; 2017 - reabertura da pousada ao público, com sete quartos, após obras de reabilitação, lideradas pelo empresário Francisco Faísca, bem como da recuperação de 500 hectares de terreno na sua envolvente, para produção agrícola; a pousada é ainda ampliada com várias estruturas modernas de apoio *2.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes autónomas.

Materiais

Estrutura em betão armado e alvenaria de tijolo; rebocos em argamassa, estuques, ferro e azulejaria; vidros simples.

Bibliografia

http://www.prof2000.pt/users/secjeste/arkidigi/quedas01.htm (consultado em 07 junho 2011); «Pousada das Quedas do Duque de Bragança» In (http://www.hoteisangola.com/reservations/hotels/ao/kalandula/pousada-quedas-duque-braganca-kalandula.html), [consultado em 15 janeiro 2018].

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGPC: SIPA; Arquivo Histórico Ultramarino: Agência Geral do Ultramar Henrique J. C. de Oliveira - Angola, 10/03/1974 in http://www.prof2000.pt/users/secjeste/arkidigi/quedas01.htm

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: 2017 - conclusão das obras de recuperação e total reabilitação do imóvel; consolidação estrutural; restauro de tetos, coberturas, pavimentos, rebocos, caixilharias; instalação de redes técnicas, infraestruturais e instalações especiais; ampliação com construção de outros edifícios de apoio.

Observações

*1 - O projeto do arquiteto Franz Schacherl não foi levado a cabo, apesar de na memória descritiva existir referência à aprovação do mesmo por parte do Governador Geral. O projeto contemplava uma cave, destinada à habitação do arrendatário, piso térreo, com uma ampla sala de estar e de refeições, uma cozinha e quatro quartos, e "sótão habitável", com dois dormitórios, um masculino com seis camas e outro feminino com quatro camas, deveria ter um "aspecto sóbrio e rústico", uma vez que este deveria ser o que mais conviria "à paisagem em que ser [iria] encorporar, para o que contribuirá o emprego dos materiais da região, [...] [sendo] o aspecto exterior do edifício completado com o emprego da pedra da região nos paramentos em que fica á vista em rústico, ficando os restantes caiados a branco com sombra; os suportes do alpendre [...] formando por troncos de árvores ao natural sem casca e a cobertura de telha moldada, será rematada no contorno inferior com madeira." O alpendre deveria ficar voltado à principal cascata, o que parece indiciar que a localização deste edifício deveria ser próxima à do efetivamente construído.*2 - A pousada conta atualmente com sete quartos no edifício principal, no entanto, numa segunda fase, com a construção de bungalows, aumentará a sua capacidade para 31 novos quartos, e parque para atividades de campismo e de caravanismo. Conta-se ainda construir outras estruturas, como: campos para a prática de golfe, de futebol de onze e de áreas para atividades desportivas multiusos, centro para estágios desportivos de equipas nacionais e internacionais multidisciplinares, circuitos para a prática de desportos motorizados (Rali TT e Motocross), tiro ao arco e aos pratos, atividades hípicas.

Autor e Data

João Almeida (Contribuinte externo) 2018

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login