Museu de História Natural / Museu Álvaro de Castro / Museu Provincial

IPA.00031371
Moçambique, Cidade Maputo, Maputo (M), Maputo (M)
 
Arquitectura cultural, do primeiro terço do século 20. Edifício de dois pisos com planta poligonal e fachadas com decoração neo-manuelina, o que o torna num singular caso fora do atual território português (a par com o Real Gabinete Português de Leitura, do Rio de Janeiro e de Salvador da Baía) e o principal exemplar em contexto africano.
Número IPA Antigo: MZ910201000006
 
Registo visualizado 763 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Cultural e recreativo  Monumento e museu  Museu  

Descrição

Planta poligonal e simétrica, evoluindo em dois pisos, apresentando fachadas de cariz totalmente neo-manuelino. Voltada a O., a fachada principal apresenta um corpo central ligeiramente avançado, dividido em três planos separados por contrafortes escalonados e facetados, que rematam em pináculos. Ambos os pisos apresentam janelas de arco de volta perfeita com molduras ladeadas por colunelos espiralados e rematadas ao centro por pináculos rendilhados, desenvolvendo-se, ao nível do piso superior, sobre a entrada principal, um varandim rendilhado com decoração cruzada e vazada. Todo o edifício é coroado por uma platibanda rendilhada, que na fachada principal é entrecortada por pináculos, rematados em cone sobre os quais uma Cruz de Cristo assente sobre uma esfera armilar.As fachadas laterais (NO. e SO.) apresentam, a par com uma janela individual, dois conjuntos de quatro janelas maineladas com molduras semelhantes à da fachada principal.Apresentando uma planta poligonal e abrindo-se ao restante edificado, o corpo recuado, onde se encontra a principal espaço de exposições, é uma adição posterior, à semelhança do bloco onde se encontra instalada a Administração, Sector Científico e Serviços Técnicos (situado a NE.), que se desenvolve numa planta em quarto de círculo com uma galeria térrea coberta e separadores verticais em betão.INTERIOR: de fronte para a entrada principal, desenvolve-se uma escada, com degraus e corrimão de madeira, em cujo patamar intermédio se encontra um mural de cerâmica com temática alusiva à fauna e flora marinha. Na parede, a um nível elevado e sobre este patamar, encontra-se um grande medalhão circular, com letras douradas sobre fundo azul: MUSEU DE HISTÓRIA NATURAL * MAPUTO, sobre o qual se encontra duas presas de elefante, ladeadas por duas cabeças de antílope embalsamadas. Num corpo recuado, de formato poligonal, encontra-se a principal sala do museu, contendo no piso térreo um conjunto de exemplares embalsamados de algumas das principais espécie de mamíferos constantes do território africano. O piso superior abre-se em galeria, aí se encontrando, encerrados em vitrinas, as espécies de dimensões mais reduzidas (aves, répteis, batráquios, mamíferos...).

Acessos

Praça Travessia do Zambeze, 104. CP 257, Maputo

Protecção

Enquadramento

Urbano, isolado, inserindo-se num terreno compreendido pela Praça Travessia do Zambeze, Rua dos Lusíada, Rua Mateus Sansão Muthemba (antiga Rua do Governador Simas), Rua da Argélia (antiga Rua dos Aviadores) e Avenida dos Mártires da Machava. Na proximidade erguem-se o Liceu Josina Machel (antigo Liceu Salazar - v. MZ910201000008) e Hotel Cardoso.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Cultural e recreativa: museu

Utilização Actual

Cultural e recreativa: museu

Propriedade

Afectação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: João José Tinoco (1956 - 1975?); ENGENHEIRO: João Gonçalves Maia (1940).

Cronologia

1911 - inauguração do Museu; 1931 - 1933 - data provável da construção do edifício; 1933 - instalação do museu no actual edifício, de traça neo-manuelina, construído pela Câmara Municipal de Maputo; 1940 - abertura de concurso de adjudicação da obra de "reparação e ampliação" do edifício e "construção do salão de exposições e de uma fossa" (cujo projecto de estabilidade é da autoria do engenheiro-civil João Gonçalves Maia) por parte da Repartição Técnica de Obras Públicas; 1956 - 1975 - data provável *1 da elaboração do projecto do edifício anexo para Administração, Sector Científico e Serviços Técnicos, da autoria do arquitecto João José Tinoco; data provável do anteprojecto de remodelação e ampliação do edifício, da autoria do arquitecto João José Tinoco; 2011, Fevereiro - o edifício faz parte de uma lista de 200 imóveis ("Catálogo dos Edifícios e Espaços Urbanos Propostos para a Classificação") de Maputo que a Faculdade de Arquitectura e Planeamento Físico da Universidade Eduardo Mondlane irá propôr a classificação.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

FERNANDES, José Manuel, JANEIRO, Maria de Lurdes, VELOSO, António Matos, João José Tinoco - Arquitecturas em África, Lisboa: Livros Horizonte, 2008; ohhhhoHHOhttp://sulafrica.blogspot.com/2008/06/o-museu-de-histria-natural-no-maputo.html (consultado a 07/07/2011)

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: SIPA; Arquivo Histórico Ultramarino: Agência Geral do Ultramar

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

*1 - João José Tinoco trabalhou em Maputo entre 1956 e 1975.

Autor e Data

Tiago Lourenço 2011 (projeto FCT PTDC/AURAQI/104964/2008 "Gabinetes Coloniais de Urbanização: Cultura e Prática Arquitectónica")

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login