Edifício de Miguel Ventura Terra na Rua Alexandre Herculano, n.º 57

IPA.00003100
Portugal, Lisboa, Lisboa, Santo António
 
Edifício residencial multifamiliar que constitui exemplo, entre os mais significativos, da aplicação da Arte Nova em Portugal. Azulejaria arte nova (frisos com figurações de ondas, gaivotas, ninfas e girassóis) ; os elementos decorativos em pedra nas varandas principais (arcos, colunelos, capitéis, mísulas); as venezianas num curioso desenho de ferro e madeira. Um conceito novo de edifício urbano, (de fachada). "(Uma correctíssima composição de linhas e original efeito decorativo"- nomeadamente ao nível dos arcos e da azulejaria que lhe confere "uma certa modernidade ao estilo arte nova que rompe com o estilo reinante" (acta do júri que atribuiu o prémio).
Número IPA Antigo: PT031106460142
 
Registo visualizado 2993 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial multifamiliar  Edifício  Edifício residencial  

Descrição

Planta irregular, cave, 4 pisos e sotão. Massa simples de acentuada verticalidade. Cobertura diferenciada, com telhado misto em telha de Marselha, rasgado por trapeiras e chaminés de ventilação e de fogão, clarabóias sobre ambas as escadas e contornado por um algeroz em zinco com semiesferas decorativas. Fachada principal assimétrica, revestida a cantaria (lioz) com aparelho vincado, mísulas nas consolas, colunas e colunelos com capitéis nas varandas principais, todas distintas, assinalando 1 eixo vertical que culmina num arco encimado por medalhão. Os pisos são enfatizados pela horizontalidade das guardas em ferro e pelos frisos azulejares (no topo, junto à cornija e no piso 0 sobreelevado). Os vãos são profusos, estreitos e altos com venezianas. O piso 1 regista 1 pé direito superior aos outros e terá sido a residência do arquitecto. Remata a fachada 1 cornija de pedra com 2 grandes mísulas que simulam as descargas do arco. As fachadas laterais direita e posterior são rebocadas e pintadas, com cantaria a emoldurar os vãos. À fachada lateral esquerda foi adossado um imóvel obturando as suas frestas. A entrada do edifício é a meio piso (desce para a cave / sobe para o piso 0) e apresenta as paredes em escaiola de qualidade superior à dos espaços comuns da cave e da escada de serviço. O elevador *2 preenche parte da bomba da escada. Da cave tem-se acesso a um piso enterrado onde se guardava a lenha para o aquecimento. Cada piso tem 1 fogo com acesso pela escada principal e pela escada de serviço (excepção para o piso 0 com 2 portas na principal). Os fogos têm um corredor central paralelo à rua e ao longo do qual se distribuem os aposentos concentrando as zonas húmidas junto à fachada posterior. Realce para os tectos da sala de estar e do escritório em estuqe simulando vigamento em madeira, com friso vegetalista e para os primitivos azulejos da cozinha e das casas de banho. O sotão divide-se em 2 fogos.

Acessos

Rua Alexandre Herculano, n.º 57. WGS84 (graus decimais) lat.: 38,720496, long.: -9,153191

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Púbico, Portaria n.º 303/2006, DR, 2.ª Série, n.º 20 de 27 janeiro 2006 / ZEP, Portaria n.º 529/96, DR, 1.ª série-B, n.º 228 de 01 outubro 1996 *1

Enquadramento

Urbano. Flanqueado. Terreno plano, poligonal e irregular com ponta para o logradouro, situado no lado S. da rua, contíguo a um edifício de escritórios a E. e ao portão de acesso à Sinagoga Portuguesa Shaaré Tikvah (v. PT031106460316) a O.. Na frente urbana fronteira (N.) destaca-se a fachada da Garagem Auto-Palace (v. PT031106460152).

Descrição Complementar

A fachada apresenta sobre as frestas centrais da cave - ao nível da rua - uma gravação em pedra: "PREMIO VALMOR / ANO DE MCMIII / ARQUITECTO E PROPRIETARIO V. TERRA". Ao nível do piso 0 uma placa com a seguinte inscrição: "ESTA CASA FOI LEGADA / AS ESCOLAS DE BELAS-ARTES DE LISBOA E PORTO / PELO DISTINTO ARQUITECTO / MIGUEL VENTURA TERRA / QUE NELA FALECEU / EM 30 DE ABRIL DE 1919 / DESTINANDO O SEU RENDIMENTO LIQUIDO PARA PENSÕES / A ESTUDANTES POBRES DAS ESCOLAS / QUE MOSTREM/ DECIDIDA VOCAÇÃO PARA AS BELAS-ARTES".

Utilização Inicial

Residencial: edifício residencial

Utilização Actual

Residencial: edifício residencial

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Miguel Ventura Terra (1902). CONSTRUTOR: Abílio Pereira de Campos (1902-1903). ESCULTOR: António Teixeira Lopes (1903). PINTOR DE AZULEJO: Fábrica das Devesas (1903).

Cronologia

1902 - pedido de aprovação de um projecto a ser construído nos terrenos do seu proprietário, Miguel Ventura Terra (1866-1919), que projectou o edifício; 1903 - obras de escultura de António Teixeira Lopes; azulejos provenientes da Fábrica das Devesas; inauguração do imóvel, cujas obras estiveram a cargo do construtor Abílio Pereira de Campos; recebe o Prémio Valmor (ano II da sua atribuição), sendo o júri composto por: José Luís Monteiro (CML); Alfredo de Ascenção Machado (SAP); José Alexandre Soares (ARBA); 1919, 30 abril - o arquiteto Ventura Terra deixa o edifício como legado às Escolas de Belas-Artes de Lisboa e do Porto, em partes iguais, sendo o rendimento do edifício aplicado a conceder bosas de estudo a alunos de ambas as escolas; 1983, 24 Janeiro - por Decreto-lei n.º 8, foi classificado como imóvel de Valor Concelhio; 1999, 21 Abril - homologada a classificação como Imóvel de Interesse Público, por Despacho da Secretaria de Estado da Cultura; 2013, 27 fevereiro - o edifício é pertença, em regime de compropriedade da Universidade do Porto, da Universidade de Lisboa e da Faculdade de Arquitetura da Universidade Técnica de Lisboa, conforme Despacho n.º 3099/2013, DR, 2.ª série, n.º 41, da Secretária de Estado do Tesouro e do Secretário de Estado do Ensino Superior.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes em alvenaria com recurso pontual a estrutura em ferro e elementos estruturais e decorativos em pedra. Pavimentos e telhado com estrutura em madeira.

Materiais

Alvenaria, pedra, ferro, madeira, telha e azulejo.

Bibliografia

BAIRRADA, Eduardo Martins, Prémio Valmor, 1902 - 1952, Lisboa, 1988; FRANÇA, José Augusto, A Arte em Portugal no Século XIX, vol. II, Lisboa, 1966; A CONSTRUÇÃO MODERNA, ano V, nº 135, Lisboa, 1904; PEDREIRINHO, José Manuel, História do Prémio Valmor, Lisboa, 1988; http://arqpapel.fa.utl.pt/jumpbox/node/74?proj=Pr%C3%A9dio+Miguel+Ventura+Terra, 9 Setembro 2011.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DRELisboa/DEM/DRC

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DRMLisboa; CML: Arquivo fotográfico

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DSARH; CML: Direcção dos Serviços Centrais e Culturais, 5ª Repartição ( Arquivo de Obras ) Proc. de Obras nº 24 865,

Intervenção Realizada

1911 - é pedida autorização para "fazer umas trapeiras para dar mais luz ao sótão, no telhado do (seu) prédio"; 1917 - é aberta uma porta na cave; 1921 - os testamenteiros do falecido arquitecto pedem autorização para colocar uma lápide no prédio; 1936 - reparação de paredes e pinturas gerais; 1938 - obras de conservação no exterior; 1938 - colocação de lambril de azulejo em 2 casas de banho e uma retrete, chão a mosaico e pintura, no 2º andar; 1956 - pintura da fachada de tardoz; 1957 - pintura da empena da entrada, nº 57 - C; 1972 - obras de beneficiação geral; 1994 / 1995 - substituição das redes de água, gás e electricidade (reinstalação de contadores), limpeza geral de coberturas, consolidação e restauro de frisos azulejares, limpeza da fachada principal e pintura das restantes, substituição da caixilharia em madeira das marquises do tardoz, activação do elevador, beneficiação geral do piso 3 e da cave (interiores).

Observações

*1 - Edifício sito na Rua Alexandre Herculano, 57. Edifício de Miguel Ventura Terra (prémio Valmor 1903), situado na Rua Alexandre Herculano, 57 (redacção do diploma de 1983). Zona Especial de Proteção Conjunta da Avenida da Liberdade e edifícios classificados na área envolvente. *2 - colocado nos anos 40 / 50 sucede a 1 hidráulico de que uma sala da cave ainda conserva a máquina.

Autor e Data

João Silva 1991 / Ângelo Silveira 1995

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login