Pelourinho da Azambuja

IPA.00003070
Portugal, Lisboa, Azambuja, Azambuja
 
Arquitectura político-administrativa e judicial, manuelina. Pelourinho de pinha cónica, com soco octogonal de três degraus e fuste torso com faixas decoradas com rosetas em série, semelhante ao de Colares (v. PT031111050010) e capitel heráldico. Nó circular, ferros de sujeição zoomórficos e remate tronco-cónico liso revivalistas, fruto de restauro. Pelourinho bastante elaborado, sendo de destacar a presença das flores-de-liz nas pedras de armas do antigo Concelho, esculpidas no capitel, e relacionadas com o facto do mesmo ter sido senhorio da família Rolim, de origem francesa. Possui o fuste ornado por rosetas e pedras de armas no remate. Ferros de sujeição com elegante decoração zoomórfica.
Número IPA Antigo: PT031103040001
 
Registo visualizado 666 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição senhorial  Tipo pinha

Descrição

Estrutura em cantaria de calcário, composta por soco de três degraus oitavados e escalonados de focinhos salientes e boleados. Base facetada, oitavada, com anéis, que sustenta fuste cilíndrico helicoidal com estrias espiraladas decorado com rosetas, quadrifoliadas, apontadas e botoadas, e dividido em dois registos por nó circular com anel central saliente. É encimado por capitel tronco-piramidal com quatro pedras de armas intercaladas por folhas de acanto e pares de pequenas volutas cantonais, encimado por quatro ferros de sujeição de gancho, em cruz, com argolas e remates zoomórficos, compostas por cabeças de serpe aladas. As armas são duas reais e duas autárquicas, com uma árvore (zambujeiro) arrancada entre duas flores-de-liz. O remate é tronco-cónico liso.

Acessos

Praça do Município. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,069057, long.: -8,868461

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano. Isolado e destacado. Ergue-se no centro da vila em vasta pç. rectangular plana, calcetada e arborizada fronteira à fachada lateral S da Igreja Matriz (v. PT031103040006), ficando esta num plano mais elevado em adro provido de muro alto e ladeada por edifícios oitocentistas de três pisos, incluindo o da CMA.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 12 - D. Afonso Henriques doa a povoação de Azambuja a D. Gil Rolim, descendente dos Condes de Chester, na sequência da tomada de Lisboa; denominava-se Vila Franca; 1200 - D. Sancho I doa a vila a D. Rolim de Moura, filho do anterior, e concede-lhe foral; 1218, 22 Fevereiro - confirmação do foral por D. Afonso II; 1272, 17 Maio - novo foral dado à vila pelo alcaide Rui Fernandes; 1513, 07 Janeiro - renovação do foral por D. Manuel, justificando a construção do Pelourinho; 1712 - é da Comarca de Santarém e tem 700 vizinhos, pertencendo a D. João Rolim de Moura; tem 2 juízes ordinários, 2 vereadores, procurador do concelho, escrivão da câmara, juiz dos órfãos com o respectivo escrivão, 2 tabeliães; 1758, 01 Abril - nas Memórias Paroquiais, assinadas por Manuel Marques Almeida, é referido que a povoação pertencia a D. António de Rolim de Moura, que administrava os fornos de pão e justiça, privilégios que estavam a ser assumidos, lentamente, pela Coroa; tem 3 vereadores, um procurador, que também assume as funções de tesoureiro, 2 juizes, 2 almotacés, um juiz dos órfãos, um juiz das sisas, um escrivão da câmara e 3 escrivães gerais; séc. 19, 2.ª metade - na sequência das reformas administrativas o Pelourinho foi apeado; 1968 - os fragmentos do Pelourinho, que se encontravem dispersos pela vila, foram reunidos na Praça Serpa Pinto, faltando-lhe o nó e o remate com a ferragem; 1968 - reconstrução do Pelourinho pela DGEMN.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de calcário; ferros de sujeição em ferro.

Bibliografia

CHAVES, Luís, Os Pelourinhos Portugueses, Gaia, 1930; CHAVES, Luís, Os Pelourinhos, Lisboa, 1938; COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza…, vol. III, Lisboa, Officina Real Deslandesiana, 1712; DGEMN, Boletim nº 123, s.l., 1966; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID; DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 5, n.º 66, fl. 945-956)

Intervenção Realizada

DGEMN: 1968 - reconstrução do Pelourinho, incluindo abertura de caboucos, construção de fundações em alvenaria hidráulica de pedra; assentamento de degraus em cantaria aparelhada a pico grosso; peça circular moldurada aparelhada a pico fino (nó); peça de cantaria tronco-cónica aparelhda a pico fino (coroamento); ferragens; desmontar e voltar a montar as cantarias do fuste.

Observações

Autor e Data

Paula Noé 1991 / Lina Marques 2001

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login