Convento de São Francisco

IPA.00030673
Brasil, Bahía, Bahía, Salvador
 
Arquitectura religiosa, seiscentista e setecentista. Convento franciscano de planta composta por igreja com eixo longitudinal de NO. para SE., apresentando duas torres de secção quadrada, coro-alto, nave única rectangular com seis capelas laterais intercomunicantes, falso transepto, capela-mor ladeada por ossário e Via Sacra e, logo atrás, disposta perpendicularmente à igreja, a sacristia. Entre a sacristia da igreja conventual e a da Ordem Terceira encontra-se a biblioteca. O Convento desenvolvido a SO. da Igreja, com claustro de planta quadrangular e uma ala mais longa que acompanha o traçado da rua, nos quais se desenvolvem as dependências conventuais. Fachada da igreja harmónica. Talha dourada barroca, de transição do estilo nacional para o joanino, havendo elementos do tipo joanino. A NE., o corpo da Ordem Terceira de São Francisco, com igreja, capela-mor, sacristia, e dependências.
Número IPA Antigo: BR920503360020
 
Registo visualizado 276 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Convento masculino  Ordem de São Francisco - Franciscanos (Província de Santo António do Brasil)

Descrição

Complexo conventual de planta composta por igreja com eixo longitudinal de NO. para SO., apresentando duas torres de secção quadrada na fachada, coro, nave única rectangular com seis capelas laterais intercomunicantes, transepto inscrito, capela-mor ladeada por via-sacra e, logo atrás, perpendicular à igreja, a sacristia. O convento desenvolve-se a SO da igreja, com claustro de planta quadrangular e uma ala mais longa que acompanha o traçado da rua. A NE. o corpo da Ordem Terceira de São Francisco, com igreja, capela-mor, sacristia, e dependências. Coberturas diferenciadas em telhados de duas, três e quatro águas. IGREJA com fachada principal virada a NO., rematada em tabela com duas aberturas laterais e nicho com a imagem de Santo António sobrepujado pelas armas coroadas da província, flanqueados por pilastras sobre as quais assenta entablamento. Lateralmente surgem grandes aletas de volutas e, sobre a tabela, erguem-se volutas e dois pináculos de bola a ladear um pedestal encimado por uma cruz. O corpo, integralmente revestido a cantaria, flanqueado por pilastras divide-se em três panos, o central dividido em dois registos seccionados por friso e cornija, o inferior marcado por três portas em arcos de volt aperfeita, o central de maiores dimensões e os laterais sobrepujados por janelas; no segundo registo, surge janelão geminado, flanqueado por duas janelas de menores dimensões, com remates de volutas afrontadas. Torres sineiras rebocadas e caiadas, com os elementos estruturais e decorativos em cantaria, divididas em quatro registos, firmados superiormente por pináculos piramidais e bolbosos, com cobertura em coruchéu piramidal, assente sobre o remate em entablamento. No primeiro registo, surge portal sobrepujado por janela, no segundo, uma janela encimada por volutas afrontadas, no terceiro uma janela de vão rectangular e no quarto abrem-se ventanas em arcos de volta perfeita para os sinos. INTERIOR da nave com cobertura em caixotões de formas geométricas com pinturas e pendentes de talha dourada e policroma. Nas paredes abrem-se os arcos das capelas e janelas de sacada com guardas de madeira torneada, completamente rodeadas por painéis de talha dourada, que vão quase até à cobertura. Coro-alto assente sobre duas colunas de pedra, com guarda de madeira interrompida por maquineta de talha dourada, contendo o Crucificado. Possui grande cadeiral de talha com três níveis de assentos. As capelas laterais são integralmente revestidas a talha dourada e policroma, com retábulos constituídos por nicho ladeado por quatro colunas torsas e remate em arquivoltas. Confrontantes, dois púlpitos integralmente em talha dourada e policroma, encimados por baldaquinos gomados. Transepto de altura igual à da capela-mor, com coberturas em abóbadas de berço pintadas em quadratura, com as paredes divididas em dois registos, o inferior revestido com painéis de azulejo figurativo, em monocromia azul sobre fundo branco, de origem portuguesa, sendo o segundo registo revestido a talha dourada e policroma. Nos topos do transepto, grandes retábulos de talha dourada e policroma, num jogo de superfícies concavas e convexas, com atlantes nas bases, seguidos de quatro grossas colunas torsas a ladear a tribuna, esta sobrepujada por um baldaquino, e mais acima um óculo. Sobre o entablamento que corre sobre as colunas, quatro grandes volutas onde, de cada lado, se sentam putti a segurar uma monumental coroa. O altar do lado do Evangelho é da invocação de Nossa Senhora da Glória, e o da Epístola de São Luis. A ladear o arco triunfal em talha dourada e policromada, fechado pelas armas franciscanas, surgem dois retábulos de talha dourada e policroma, com nicho ladeado por quatro colunas e remate em arquivoltas, o do Evangelho dedicado à Imaculada Conceição e o da Epístola a Santo António. A capela-mor tem, nas suas paredes laterais, também seccionadas por friso e cornija, painéis de azulejos figurativos, em monocromia azul sobre fundo branco, de produção portuguesa, interrompidos por portas de verga recta e molduras de cantaria recortadas, a do lado da Epístola de acesso à Via Sacra. No segundo registo, abrem-se seis janelas de sacada com guardas de madeira torneada, entalhada, dourada e policroma, encontrando-se o restante espaço totalmente revestido e coberto de talha dourada e pintada. O pavimento é revestido em embrechados de mármores policromos e a cobertura em abóbada de berço com pendentes em talha dourada e policroma. Retábulo-mor de talha dourada e policroma, de planta côncava e um eixo definido por quatro colunas torsas ornadas por pâmpanos e putti encarnados, que se prolongam em duas arquivoltas torsas, formando o ático. Possui um camarim transparente, contendo trono de dois degraus. Na base, sacrário em forma de templete. SACRISTIA de planta rectangular, pavimentada a madeira e cobertura em caixotões de talha dourada e policroma com pendentes, que alternam com outros pintados. Nos espaços não ocupados dos paramentos, painéis de azulejo em monocromia azul sobre fundo branco, de produção portuguesa, encimados por pinturas a óleo sobre tela. Na parede NO. abrem-se duas portas, surgindo entre estas dois arcazes com espaldares decorados por motivos vegetalistas que flanqueiam um oratório de talha dourada e policroma, com duas colunas torsas a ladear o nicho e remate em arquivolta. Na parede SE., abrem-se quatro vãos e a meio o lavabo de mármore banco e cor-de-rosa. Este encontra-se assente sobre base com mísulas, seguido de bacia e espaldar com duas carrancas e divisa franciscana, delimitado por pilastras com mísulas e querubins, e entablamento, sobre o qual está um nicho com imagem de Santo António, inscrito em tabela de volutas e mísulas. Numa das paredes, dois grandes armários embutidos em madeira entalhada. O CLAUSTRO é de planta quadrangular com dois pisos separados por cornijas, entre as quais corre um lambril de azulejos figurativos, em monocromia azul sobre fundo branco, de produção portuguesa. Cada um dos lados é constituído por dez colunas de pedra que no primeiro piso são mais largas, sustentando arcos de volta perfeita com fecho central em voluta, e no segundo sustentam vãos rectilíneos sobre os quais assenta a cobertura de madeira e telha. As paredes das alas dos dois pisos têm a toda a volta painéis de azulejos figurativos, em monocromia azul sobre fundo branco, também de origem portuguesa. PORTARIA no lado NO. do claustro, com acesso à rua ladeado por dois óculos, um segundo de acesso à igreja e ainda dois ao claustro. O pavimento é em lajeado de mármore, e a cobertura em madeira pintada. Nas paredes distribuem-se painéis de azulejos figurativos, em monocromia azul sobre fundo branco, de produção portuguesa, interrompidos pelas molduras recortadas das várias pinturas que se dispõem pelas paredes, e entre as duas portas para o claustro, um retábulo de talha dourada e policroma com quatro colunas torsas a ladear o nicho, e remate em arquivoltas, possuindo frontal. Ainda na frente NO. e logo a seguir à portaria está a CASA do CAPÍTULO com acesso por arco de volta perfeita virado para o claustro, fechado por grade de madeira, com elementos torneados e entalhados. No interior, cobertura em caixotões pintados, com molduras em talha dourada e policroma, surgindo nas paredes painéis de azulejos em monocromia azul sobre fundo branco, de produlção portuguesa, representando albarradas. Estão sobrepujados por pinturas e tem retábulo em talha dourada e policroma com quatro colunas torsas a ladear nicho e remate em arquivoltas. A ligação da igreja e sacristia ao claustro é feita pela Via Sacra, onde surge uma ESCADARIA de aparato, decorada com painéis de azulejo figurativo, em monocromia azul sobre fundo branco, de produção portuguesa. O patamar do segundo piso tem pavimento em madeira e cobertura em caixotões quadrados de madeira pintada de branco, sendo a escadaria rematada por duas volutas contracurvas com carrancas, e protegida por guardas em madeira torneada. O patamar tem as paredes revestidas de painéis de azulejos semelhantes aos anteriores, sobrepujados por um conjunto de retratos e aberto para o claustro por seis arcos de volta perfeita, revestidos de painéis de azulejo de origem e características semelhantes aos anteriores, mas com representações alegóricas dos meses, dos continentes, e dos sentidos. BIBLIOTECA com pavimento em madeira e cobertura em caixotões pintados com molduras de talha dourada e policroma. Ao longo das paredes abrem-se janelas, a porta de acesso, um retábulo, e ao longo do restante espaço as estantes, ladeadas por pilastras, sobre as quais assenta entablamento, rematado por cartelas com o número de cada estante, envoltas em volutas e flanqueadas por pináculos com motivos vegetalistas. O retábulo é de planta recta e de um eixo composto por nicho, circundado por painéis de talha dourada e policromada com motivos vegetalistas, querubins, e encimado por entablamento curvo, ao meio uma cartela com volutas e guirlandas, sobrepujada por coroa e putti. Tem frontal decorado com motivos vegetalistas, conchas e ao meio divisa franciscana. A fachada da IGREJA DOS TERCEIROS é integralmente de cantaria profusamente decorada com motivos vegetalistas, volutas, mísulas, coroas, querubins, atlantes, putti, carrancas, conchas e figuras antropomórficas. Remata em empena contra-curvada com pedra de armas coroada ao centro, ladeada por dois pináculos, e encimada por cruz. Encontra-se dividida em dois registos compostos por três panos. O acesso à igreja faz-se no primeiro nível pelo arco central e dois laterais mais pequenos sobrepujados por óculo. No segundo nível, nicho com imagem de São Francisco de Assis, ladeado por duas janelas de sacada com guardas de ferro batido e forjado.

Acessos

Em Salvador da Bahia.

Protecção

Enquadramento

Urbano, adossado a vários edifícios.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: convento masculino

Utilização Actual

Religiosa: igreja

Propriedade

Afectação

Época Construção

Séc. 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: Gabriel Ribeiro (1705). PINTOR DE AZULEJOS: Bartolomeu Antunes (1737).

Cronologia

1587 - fundação do convento; 1686 - início da remodelação integral do convento, começando pelas celas, refeitório, cozinha, e enfermaria; 1689 - o convento torna-se a casa-mãe da província de Santo António do Brasil; 1702-1703 - início da construção da igreja da Ordem Terceira de São Francisco; 1705 - a fachada da igreja da Ordem Terceira é desenhada por Gabriel Ribeiro; decoração da Casa do Capítulo; 1706-1714 - construção e decoração da sacristia; 1708 - início da remodelação da igreja; 1723 - conclusão da fachada da igreja e início da campanha de decoração da capela-mor e altares colaterais; 1733-1738 - pintura e douramento do tecto de caixotões da nave da igreja; 1737 - colocação dos azulejos da capela-mor, datados e assinados por Bartolomeu Antunes; 1738-1741 - construção do claustro; 1741 - douramento da capela-mor e dos retábulos colaterais; 1741-1743 - feitura e douramento dos retábulos do transepto; 1742 - D. João V dá os fundos para se dourar um dos retábulos laterais; 1743 - são pintadas as abóbadas do transepto; 1746-1748 - colocação dos conjuntos de silhares de azulejo no claustro; 1751 - data no mobiliário da biblioteca; 1755-1768 - renovação da enfermaria e colocação dos respectivos silhares de azulejos; 1782-1783 - colocação dos silhares de azulejos da portaria.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Paredes rebocadas e caiadas; elementos estruturais, modinaturas, pavimentos em cantaria; pavimentos em mármore, tijoleira e lajeado; painéis de azulejo; coberturas, arcazes, retábulos de madeira; coberturas em telha.

Bibliografia

ALVES, Marieta, História da Venerável Ordem Terceira da Penitência do Seráfico Padre São Francisco da Congregação da Bahia, Salvador: 1948; JABOATÃO, António de Santa Maria, O.F.M. Novo Orbe Seráfico Brasílico, ou Chronica dos Frades Menores da Província do Brasil (5 vols.), Rio de Janeiro: Typ. Brasiliense de Maximiano Gomes Ribeiro, 1858-62, vol. II., pp. 259, 303, 304, 261, 272; SENOS, Nuno, Franciscan Art and Architecture in Colonial Brazil 1650-1800, Dissertação de doutoramento apresentada ao Institute of Fine Arts, New York University, 2006, pp. 28, 70-73, 97, 99, 110-111, 120-126, 128, 132-139; WILLEKE, Venâncio, O.F.M., ed. Livro dos Guardiães do Convento de São Francisco da Bahia (1587 - 1862), Rio de Janeiro: IPHAN, 1978, pp. 14, 16, 18, 19, 21-23, 26-27.

Documentação Gráfica

IPHAN

Documentação Fotográfica

Arquivo pessoal (Nuno Senos)

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Manuel Apóstolo (Centro de História Além-Mar - CHAM) 2010

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login