Convento de Santa Maria dos Anjos

IPA.00030668
Brasil, Alagoas, Alagoas, Penedo
 
Arquitectura religiosa, seiscentista, setecentista, e oitocentista. Convento franciscano de planta composta por igreja de nave única rectangular, capela-mor, sacristia, e torre sineira de planta quadrada. Convento desenvolvido do lado direito da igreja, com claustro de planta quadrangular ao redor do qual se desenvolvem os corpos das demais dependências conventuais, surgindo, no inferior, os espaços comuns e no superior as celas.
Número IPA Antigo: BR920200730003
 
Registo visualizado 221 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Convento masculino  Ordem de São Francisco - Franciscanos (Província de Santo António do Brasil)

Descrição

Complexo conventual de planta composta por igreja de nave única rectangular, capela-mor, sacristia e torre sineira de planta quadrada, recuada na fachada, no lado esquerdo, com convento desenvolvido do lado direito da igreja, com claustro de planta quadrangular ao redor do qual se desenvolvem os corpos das demais dependências conventuais, no primeiro os espaços comuns e no superior as celas. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, com os elementos estruturais em cantaria. IGREJA com fachada principal rematada em empena contracurva, ornamentada por grandes volutas, ladeadas nas pontas por dois pináculos, abrindo-se ao centro um óculo orlado de acantos, sobrepujado por uma cartela coroada com putti e cruz. O corpo divide-se em dois registos, enquadrados por cunhais apilastrados dóricos, da ordem colossal, seguidos de um remate em empena contracurva. No primeiro, abrem-se frontalmente três arcos de volta perfeita de acesso à igreja, assentes sobre pilastras, encimadas por capitéis dóricos, marcados ao centro por chaves em forma de voluta. O segundo registo é demarcado, logo acima dos arcos de entrada e no topo, por um entablamento, acima do qual se abrem três janelas decoradas com volutas e conchas, correspondentes aos arcos do primeiro piso. O corpo da torre sineira encontra-se recuado ao lado esquerdo e dividido em três registos, rematada por coruchéu piramidal, de base octogonal, com os cunhais firmados por pináculos. O segundo registo é rasgado por vãos onde se distribuem os sinos. No INTERIOR temos as coberturas em madeira pintada com quadraturas e, no caso dos terceiros, com duas clarabóias abertas no meio das composições. Coro-alto sobre a galilé. No lado do Evangelho, a Capela da Ordem Terceira, onde as paredes são rasgadas por janelas de sacada rematadas por cornijas. No lado oposto e confrantante, o púlpito em talha dourada e policromada. Arco triunfal de volta perfeita, totalmente envolvido por talha dourada e policroma, decorada com concheados, putti, querubins e motivos vegetalistas e pinturas ricamente emolduradas, fechando com as armas franciscanas, sustentadas por dois querubins. Está flanqueado por dois retábulos colaterais, com o eixo definido por colunas torsas, contendo nicho e remate em baldaquino sobrepujado por e, no fecho do arco, dois grandes querubins ladeiam as armas franciscanas. A capela-mor apresenta a parede testeira integralmente revestida a talha dourada e policroma, decorada com concheados, putti, querubins e motivos vegetalistas e pinturas ricamente emolduradas. Retábulo-mor de talha dourada e policroma. Atrás da capela-mor e alinhada perpendicularmente à igreja encontra-se a SACRISTIA, de planta rectangular, com pavimento em soalho e cobertura de madeira pintada de branco. Nas paredes distribuem-se um arcaz de madeira escura, interrompido por oratório, lavabo em cantaria, composto por bacia sustentada por uma águia bicéfala, seguida do espaldar com dois querubins, enrolamentos, motivos vegetalistas, e roseta, emoldurados por duas colunas torsas, sobre as quais assenta entablamento sobrepujado pelas armas portuguesas e franciscanas, coroadas, e ladeadas por dois querubins. CLAUSTRO de planta quadrangular de dois pisos separados por uma cornija que corre sobre os arcos abatidos com fecho central em voluta sobrepujada por concha do piso inferior, e uma outra que corre no peitoril do segundo piso, com espaço intermédio onde aparecem cartelas datadas envoltas em concheados. Cada um dos lados é constituído por cinco colunas de pedra que no primeiro piso são mais largas, e no segundo sustentam vãos rectilíneos sobre os quais assenta a cobertura de madeira e telha. Escadaria conventual paralela à capela-mor e perpendicular ao claustro, com finais dos guarda-corpos decorados com volutas, enrolamentos de acanto e pináculos gomados em cantaria.

Acessos

AL-225.

Protecção

Enquadramento

Urbano, isolado.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: convento masculino

Utilização Actual

Religiosa: igreja

Propriedade

Afectação

Época Construção

Séc. 17 / 18 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

PINTOR: Liborio Lazaro Lial (1784).

Cronologia

1657 - é proposta a fundação do convento; 1682 - lançamento da primeira pedra; 1716 - doação de terrenos para a construção da galilé; 1722 - construção da sacristia; 1759 - data na fachada da igreja; 1783 - cartela datada numa das quadras do claustro; 1784 - redecoração da capela da Ordem Terceira, e pintura assinada e datada da cobertura da nave da igreja por Liborio Lazaro Lial; 1820 - cartela datada numa das quadras do claustro.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Paredes rebocadas e caiadas, cantaria de pedra, madeira, talha. Coberturas exteriores em telha.

Bibliografia

JABOATÃO, António de Santa Maria, O.F.M. Novo Orbe Seráfico Brasílico, ou Chronica dos Frades Menores da Província do Brasil (5 vols.), Rio de Janeiro: Typ. Brasiliense de Maximiano Gomes Ribeiro, 1858-62, vol. I., pp. 244, 246; JABOATÃO, António de Santa Maria, O.F.M. Novo Orbe Seráfico Brasílico, ou Chronica dos Frades Menores da Província do Brasil (5 vols.), Rio de Janeiro: Typ. Brasiliense de Maximiano Gomes Ribeiro, 1858-62, vol. II., pp. 604; SENOS, Nuno, Franciscan Art and Architecture in Colonial Brazil 1650-1800, Dissertação de doutoramento apresentada ao Institute of Fine arts, New York University, 2006, pp. 62, 78-79, 97, 99, 141; WILLEKE, Venâncio O.F.M. “Atas Capitulares da Província Franciscana de Santo António do Brasil, 1649-1893.” Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro 286 (1970): 92-222, pp. 100-101.

Documentação Gráfica

IPHAN

Documentação Fotográfica

Arquivo pessoal (Nuno Senos)

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Manuel Apóstolo (Centro de História Além-Mar - CHAM) 2010

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login