Convento de Santo António

IPA.00030661
Brasil, Bahía, Bahía, Cairu
 
Arquitectura religiosa, seiscentista e setecentista. Convento franciscano, composto por igreja de planta rectangular, apresentando galilé, nave única, uma capela lateral do lado do Evangelho, capela-mor, sacristia em eixo com a capela-mor e torre sineira recuada de planta quadrada. Convento desenvolvido de ambos os lados da igreja, composto por um corpo de dependências conventuais do lado esquerdo e no direito pelo claustro de planta quadrangular, ao redor do qual se desenvolvem outras dependências conventuais. Semelhante ao convento franciscano de Paraguaçu (v. BR920500600021).
Número IPA Antigo: BR920500660018
 
Registo visualizado 262 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Convento masculino  Ordem de São Francisco - Franciscanos (Província de Santo António do Brasil)

Descrição

Complexo conventual composto por igreja de planta rectangular, apresentando galilé, nave única, uma capela lateral no lado do Evangelho, sacristia colocada axialmente atrás da capela-mor, e torre sineira de planta quadrada. Convento desenvolvido tanto do lado direito como esquerdo da igreja, sendo o corpo da direita composto pelo claustro, ao redor do qual se desenvolvem as dependências conventuais, estendendo-se estas também pelo lado esquerdo. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, com os elementos estruturais em cantaria. Fachada principal dividida em três registos escalonados, tendo no primeiro cinco arcos de volta perfeita com fechos salientes, assentes em pilastras toscanas e divididos por pilastras da mesma ordem, mas de maiores dimensões, onde assenta um entablamento; cada vão está protegido por grades de madeira torneada pintada de azul. No segundo piso, sobre os três arcos centrais, aparecem-nos três janelas, com vãos rectangulares rematados por frontão contracurvo interrompido por volutas, flanqueados por pilastras sobre as quais assenta entablamento. Sobre os registos extremos, grandes aletas e pináculos piramidais. A fachada remata em tabela flanqueado por duas pilastras sobre as quais assenta novo entablamento, que sustenta elemento volutado a ladear plinto com cruz latina; é rasgada por um nicho com imagem de Santo António e ladeada por aletas e pináculos piramidais. No lado esquerdo, capela adossada, com a fachada lateral rasgada por pequena fresta. A torre sineira encontra-se do lado esquerdo, recuada, erguendo-se mais alta que os restantes corpos, com cobertura em coruchéu piramidal revestido a azulejos. Está dividida em dois registos, separados por friso e cornija, com os cunhais apilastrados, firmados por pináculos, o primeiro mais alto e pontuado por vãos rectilíneos de diferentes dimensões, sendo o segundo rasgado por ventanas em arcos de volta perfeita, com moldura em pedra onde se distribuem os sinos. No lado direito e a delimitar o terreiro, muro de alvenaria rebocada e pintada, que separa a zona regral. INTERIOR com as paredes rebocadas e pintadas de branco, surgindo na nave painéis de azulejos portugueses, em monocromia azul sobre fundo branco, formando silhar e representando albarradas, envolvidas por moldura de acantos. Tem cobertura em falsa abóbada de berço abatido de madeira pintada em quadratura e pavimento em soalho. Coro-alto sobre a galilé e parte da nave, com guarda interrompida por maquineta em talha dourada e pintada de branco, formando painel rectangular flanqueado por colunas torsas sobre plintos paralelepipédicos almofadados e capitéis coríntios, que sustentam cornija contracurva, de onde pendem lambrequins; no centro é vazado em lóbulos, integrando resplendor. Possui cadeiral de duas filas e espaldar em madeira escura. Do lado do Evangelho existe a capela da Ordem Terceira, revestida a azulejo, formando painéis historiados, em monocromia, azul sobre fundo branco. Possui um retábulo de talha dourada e policroma, de planta côncava e um eixo definido por quatro colunas, que ladeia o nicho, com remate em arquivoltas. A capela-mor é lajeada a pedra, com silhares de azulejos historiados, portugueses, em monocromia azul sobre fundo branco. Alinhada perpendicularmente à capela-mor encontra-se a sacristia, à qual se acede por dois corredores que ladeiam a cabeceira. Encontra-se pavimentada a tijoleira e tem cobertura plana em madeira pintada em quadratura. Possui arcaz com espaldar apainelado, centrando oratório de talha dourada e pintada de branco. Tem dois armários embutidos e, num pequeno compartimento, com acesso por arco de volta perfeita assente em pilastras toscanas, o lavabo em pedra composto por um pé, que sustenta a bacia, sobre a qual se eleva o espaldar decorado com golfinhos, sobrepujados pelas armas franciscanas, e remate em cornija quebrada e contracurva, encimada por dois fogaréus e cruz ao centro. ZONA CONVENTUAL organizada em torno de claustro de planta quadrada, evoluindo em dois pisos divididos por uma cornija, tendo quatro vãso em cada ala, surgindo no piso inferior quatro arcos em arco abatido e assentes em pilastras, encimados por vãos rectilíneos, assentes em pilares de cantaria. As alas do piso superior possuem cobertura de madeira. As paredes das alas do primeiro piso têm silhares de azulejos portugueses, em monocromia azul sobre fundo branco representando albarradas. As dependências coventuais têm, no piso inferior, pavimento em tijoleira e algumas delas ostentam silhares de azulejo figurativo, em monocromia, azul sobre fundo branco.

Acessos

Cairu.

Protecção

Enquadramento

Urbano, isolado, no topo de uma colina.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: convento masculino

Utilização Actual

Religiosa: convento masculino

Propriedade

Privada: Igreja Católica

Afectação

Época Construção

Séc. 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1650 - fundação do convento; 1654 - início da construção da igreja e convento; 1661 - data presente sobre uma porta da antiga sacristia; 1742 - data no portal central de entrada na igreja; 1750 c. - construção da nova sacristia no eixo da capela-mor.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Paredes rebocadas e caiadas; elementos estruturais e pavimento da capela-mor em cantaria; painéis em azulejo; elementos de mármore; retábulos, arcaz, oratórios, maquinetas, pavimentos e coberturas em madeira; janelas com vidro; cobertura exterior em telha.

Bibliografia

BAZIN, Germain, A Arquitectura Religiosa Barroca no Brasil (2 vols.), Rio de Janeiro: Editora Record, 1983 (1ª ed. francesa 1956-58); JABOATÃO, António de Santa Maria, O.F.M. Novo Orbe Seráfico Brasílico, ou Chronica dos Frades Menores da Província do Brasil (5 vols.), Rio de Janeiro: Typ. Brasiliense de Maximiano Gomes Ribeiro, 1858-62, vol. I, p. 242 e vol. II, pp. 565 e 567; SENOS, Nuno, Franciscan Art and Architecture in Colonial Brazil 1650-1800, Dissertação de doutoramento apresentada ao Institute of Fine arts, New York University, 2006, pp. 33, 64-66, 97-98, 107-109.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Arquivo Pessoal (Nuno Senos)

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Manuel Apóstolo (Centro de História Além-Mar - CHAM) 2010

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login