Convento de Santo António dos Capuchos / Hospital de Santo António dos Capuchos

IPA.00003024
Portugal, Lisboa, Lisboa, Santo António
 
Arquitectura religiosa, maneirista. Convento franciscano capucho da Província de Santo António.
Número IPA Antigo: PT031106450153
 
Registo visualizado 2987 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Convento masculino (casa-mãe)  Ordem de São Francisco - Franciscanos Capuchos (Província de Santo António)

Descrição

De planta rectangular, volumetria paralelepipédica e com cobertura de telhado a 2 águas. Alçado principal (SE) ostenta, ao nível térreo, um arco abatido de acesso à galilé, sobre o qual se observam 2 cartelas sobrepostas centradas; no nível superior encontram-se 3 janelas rectangulares coroadas de ática, terminando-se a fachada por frontão triangular com uma fresta ao centro. A galilé, defendida por grade setecentista de ferro forjado, é coberta por abóbada abatida e revestida de azulejos azuis e brancos historiados, datáveis do 2º quartel de Setecentos. O interior da igreja, actualmente funcionando como arquivo dos H.C.L., apresenta a sua nave única - para onde abrem capelas laterais profundas e comunicantes entre si coberta por abóbada de berço decorada com pintura ornamental monócroma, do séc. 20. A restante decoração da igreja resume-se ao lambril de azulejo azul e branco, de meados do séc. XVIII. A capela-mor, profunda e ladeada por altares de cabeceira, é igualmente coberta por abóbada de canhão decorada com estuques. O claustro apresenta ainda revestimento azulejar ao nível do lambril. Trata-se de azulejos do tipo albarradas e golfinhos com barra de volutas, datáveis da 1ª metade do séc. 18.

Acessos

Alameda de Santo António dos Capuchos; Rua de Santo António dos Capuchos; Calçada de Santo António

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 1/86, DR, 1.ª série, n.º 2 de 03 janeiro 1986 (igreja) *1 / Incluído na classificação do Campo dos Mártires da Pátria (v. IPA.00005967)

Enquadramento

Urbano, destacado, isolado

Descrição Complementar

Num pátio é visível a boca oitavada de uma cisterna revestida de azulejos azuis e brancos da 2ª metade de Setecentos, a qual funciona como base de um relógio de sol de 3 quadrantes onde é legível a data de 1586 e as iniciais F.P.L.

Utilização Inicial

Religiosa: convento masculino

Utilização Actual

Saúde: hospital civil

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 16 / 17

Arquitecto / Construtor / Autor

João Crisóstomo Policarpo da Silva.

Cronologia

1570 - colocação da 1ª pedra para a fundação do convento de Santo António dos padres Recolectos da Custódia de Santo António; 1579 - rezada a 1ª missa no convento erigido com reduzidos meios (que incluíram dádivas da Coroa) em terrenos doados designadamente por Diogo Botelho; séc. 16 - 17 - no reinado de D. Filipe I, o convento passa a receber da Câmara uma esmola anual de 64$800, a cuja renda se junta um conjunto de dádivas de elementos da aristocracia e do alto funcionalismo da Coroa; séc. 18, 1ª metade - campanha de decoração azulejar em lambris do claustro; 1755, 01 novembro - o terramoto causa grandes estragos, tendo danificado a abóbada da nave da igreja, a capela do Beato, a Capela de Santo Cristo da cerca e a capela do Presépio, que fora realizado por João Crisóstomo Policarpo da Silva; os religiosos ficam abarracados na cerca; 1758 - concluída a reedificação, com grandes melhoramentos, graças à generosidade do Conde de Povolide, que detinha então o padroado da capela-mor; 1836 - na sequência da expulsão das ordens religiosas, o convento é transformado em Asilo da Mendicidade, para mendigos de ambos os sexos; c. 1890 - 1900 - restauro da igreja ; 1903 - é englobado nos anexos ao Hospital de São José, tornando-se propriedade dos Hospitais Civis de Lisboa; 1928 - o Asilo é instituído como Hospital; 1946, 20 abril - publicação da Lei n.º 2011, que definiu o Plano de Construções Hospitalares; 30 Abril - por Decreto n.º 35621 é criada a Comissão de Construções Hospitalares, para execução do Plano de Construções Hospitalares; 1950 - a Direcção dos Serviços de Construção e Conservação estuda e dirige as obras realizadas no hospital; 2006, 24 agosto - o edifício está em vias de classificação, nos termos do Regime Transitório previsto no n.º 1 do Artigo 1.º do Decreto-Lei n.º 173/2006, DR, 1.ª série, n.º 16, tendo esta caducado, visto o procedimento não ter sido concluído no prazo fixado pelo Artigo 24.º da Lei n.º 107/2001, DR, 1.º série A, n.º 209 de 08 setembro 2001.

Dados Técnicos

Estrutura mista

Materiais

Alvenaria mista, cantaria de calcário, reboco pintado, ferro forjado, azulejos, madeira, estuque pintado

Bibliografia

ALMEIDA, D. Fernando de, (coord. de), Monumentos e Edifícios Notáveis do Distrito de Lisboa, Lisboa - Tomo II, Lisboa, 1975; CAEIRO, Baltasar Matos, Os Conventos de Lisboa, Lisboa, 1989; CASTRO, João Baptista de, Mappa de Portugal, Lisboa, 1762 - 63; Escola Profissional de Recuperação do Património de Sintra, Relatório da intervenção nos azulejos azuis e brancos do nártex da Igreja, 4 vol., Cacém, 1999; MATOS, Alfredo, PORTUGAL, Fernando, Lisboa em 1758. Memórias Paroquiais de Lisboa, Lisboa, Câmara Municipal de Lisboa, 1974; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1950, Lisboa, 1951; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1951, Lisboa, 1952; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1952, Lisboa, 1953; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1954, Lisboa, 1955; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1955, Lisboa, 1956; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério no ano de 1956, Lisboa, 1957; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos anos de 1957 e 1958, 1º Volume, Lisboa, 1959; Ministério das Obras Públicas, Relatório da Actividade do Ministério nos Anos de 1959, 1º Volume, Lisboa, 1960; PAIS, Alexandre Manuel Nobre da Silva, Presépios Portugueses Monumentais do século XVIII em Terracota [dissertação de Mestrado na Universidade Nova de Lisboa ], Lisboa, 1998; Monumentos, n.º 17, 19, Lisboa, DGEMN, 2002-2003; PEREIRA, E., RODRIGUES, G., Portugal Dicionário, Lisboa, 1905 - 1911; PEREIRA, Luis Gonzaga, Monumentos Sacros de Lisboa em 1833, Lisboa, 1927.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DRMLisboa, DGEMN/DSARH, DGEMN/DRELisboa/DRC/DEM; Escola Profissional de Recuperação do Património de Sintra

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DRMLisboa; Escola Profissional de Recuperação do Património de Sintra

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DSARH, DGEMN/DRMLisboa, pº 258; Escola Profissional de Recuperação do Património de Sintra

Intervenção Realizada

1940 - transformação do claustro; década de 50 - a igreja é adaptada a arquivo morto dos Hospitais Civis de Lisboa; DGEMN: 1956 - ampliação do Serviço de Neurologia, pelos Serviços de Construção e Conservação; 1957 - remodelação do bloco operatório do serviço 4 e ampliação do Serviço de Neurologia pelos Serviços de Construção e Conservação; 1958 - continuação da remodelação do bloco operatório do serviço 4; 1959 - beneficiação dos Serviço 1 - sala 1 e do Serviço 2 - sala 1; trabalhos de remodelação para instalação de um ascensor e diversos trabalhos, pelos Serviços de Construção e Conservação; 1996 - recuperação das coberturas e do exterior da igreja; Escola Profissional de Recuperação do Património de Sintra: 1999 - intervenção nos azulejos azuis e brancos do nártex da igreja, com limpeza, consolidação, preenchimento e fecho de juntas; assentamento de chacotas; reintegração cromática, manufactura e colocação dos azulejos em falta; 2002 - beneficiação das coberturas e fachadas da igreja; início do arranjo das coberturas e fachadas da sacristia e capela-mor; 2003 - tratamento dos estuques e pinturas da cobertura da capela-mor.

Observações

*1- DOF: Antiga Igreja do Convento dos Capuchos, bem como a boca de cisterna revestida a azulejo existente num dos pátios do hospital e ainda todas as dependências decoradas com lambrins de azulejo, incluindo o claustro e a escadaria nobre.

Autor e Data

Teresa Vale e Carlos Gomes 1994

Actualização

Luisa Cortesão 2003
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login