Fortaleza de Cacela / Fortaleza dos Cavaleiros de Santiago de Cacela

IPA.00029536
Portugal, Faro, Vila Real de Santo António, Vila Nova de Cacela
 
Arquitectura militar quinhentista. Fortaleza com frente marítima abaluartada, quinhentista reconstruída no Séc. 18.
Número IPA Antigo: PT050816010071
 
Registo visualizado 516 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Militar  Forte    

Descrição

Planta centralizada, quadrada, munida de dois meios baluartes, com guaritas, virados à frente marítima, a S., e de dois falsos baluartes, rectangulares, virados a N., ladeando a entrada principal. Na barbeta várias borracheiras (Ficus elástica) e uma antena de radar da Brigada Fiscal. No pátio de armas dois edifícios térreos de planta longitudinal, dispostos paralelamente às fachadas O. e E., e adossados à fachada N., com cobertura em telhado de 2 águas em telha de canudo: a E. a Casa da Guarda em alvenaria rebocada e caiada, de remate recto em beirado saliente; fachada principal a O., rasgada por janelas rectangulares com molduras pétreas e caixilharias de 4 lumes, de madeira branca e aro pintado a verde-garrafa; porta de verga recta com molduras pétreas, com ombreiras munidas de bases; no eixo da porta o corpo de chaminé tronco-piramidal.

Acessos

EN 1242, na povoação de Cacela Celha

Protecção

Incluído na Zona Especial de Proteção do Conjunto de Cacela Velha (v. PT050816010002) / Incluído no Parque Natural da Ria Formosa e no Plano Sectorial da Rede Natura 2000: Sítio de Interesse Comunitário Ria Formosa / Castro Marim (PTCON0013)

Enquadramento

Urbano, marítimo, sobranceiro à Ria Formosa, a 67m acima do nível do mar, no ângulo SE. da povoação de Cacela Velha (v. PT050816010002). A fachada principal a N. abre para praça na qual se destacam cinco palmeiras das Canárias de grande porte. Afrontando a fachada O. a Igreja Matriz (v. PT050816010008). No meio baluarte SO. e no falso baluarte NE. adossam-se os panos da muralha. A E. o núcleo islâmico de Cacela

Descrição Complementar

INSCRIÇÕES: EM O REINADO / DA AUGUSTISSIMA S. / D. M. 1. RAINHA DE PORTUGAL / GOUVERNANDO ESTE REINO DO / ALGARVE O INLUSTRISSIMO EX.MO NUNO JOZÉ FULI / GENSIO DE MENDONSA E MOU / RA CONDE DE VAL' DE REIS GEN / TIL HOME DE S. A. R. DEPUTADO / DA JUNTA DOS 3 ESTADOS GO / VERNADOR E CAPITAN GENERAL / DESTE REINO MANDOU REEDIFI / CAR E (A)CABAR ESTA FORTALEZA / SENDO INSPETOR DA MESMA / OBRA O DESEMBARGADOR JOZÉ CAETANNO / D'ANDRADE E CASTRO GUAR / DA MOR DA CIDADE DE TAVIRA / ANNO DE 1794.

Utilização Inicial

Militar: forte

Utilização Actual

Residencial

Propriedade

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 18 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

Séc. 12, início - Cacela velha é referida por Al-Idrisi como tendo "uma fortaleza construída há beira-mar"; 1240 - tomada da povoação aos mouros por D. Sancho II e doação da mesma com o seu castelo à Ordem de São Tiago; 1242 - D. Peres Paio correia, Mestre de São Tiago e fronteiro-mor do Algarve recupera a povoação entretanto caída de novo sob o domínio árabe; 1255, 20 de Setembro - confirmação da doação régia à Ordem de SãoTiago por D. Afonso III; 1283, 17 de Julho - foral por D. Dinis; 1521 / 1578 - nos reinados de D. João III e de D. Sebastião, estando as estruturas defensivas medievais quase desmanteladas, foi mandada construir a actual fortaleza; 1565 - os visitadores da Ordem descrevem a fortaleza: "Visitámos ho castello ho quall he todo murado e a muralha reformada de novo ho quall he quadrado e tem em cada canto sua torre" (CAVACO, 1987); 1617 - levantamento de Alessandro Massai; o castelo encontrava-se arruinado, não havendo moradores na vila; proposta para se "desmanchar" o castelo e extinguir a povoação *1; 1621 - planta da fortaleza, da Descrição do Reino do Algarve, feita por Alexandre Massaii; 1755 - o terramoto deixa muito arruinadas a fortaleza; 1770 - D. Rodrigo de Noronha, governador do Algarve, mandou reconstruir a fortaleza, nela instalando um farol; 1794 - D. Nuno José Fulgêncio de Mendonça e Moura, conde de Vale de Reis, finaliza a reconstrução da fortaleza, sendo inspector da obra José Caetano de Andrade e Castro, guarda-mor da cidade de Tavira, conforme consta da inscrição conservada no portal (OLIVEIRA, 1908); 1897 - afectas ao Comando-Geral da Guarda-Fiscal duas casas para instalação de um posto fiscal e de outras duas ao Ministério da Marinha para habitação do faroleiro e arrecadação de material; 1939, 26 de Janeiro - lavrado o auto de devolução ao Ministério das Finanças do antigo prédio militar nº 3 de Tavira, denominado Forte de Cacela; 1939, 23 Junho - a Direcção-Geral da Fazenda Pública informa a DGEMN que a parte rústica do prédio vais ser arrendada; 1942, 15 de Junho - A Direcção-Geral da Fazenda Pública solicita à DGEMN a elaboração do projecto de obras relativo à construção da armação e cobertura dos telhados das duas casas da Guarda Fiscal e do faroleiro e reparação e consolidação das muralhas; 1942, 25 de Julho - a Direcção de Monumentos Nacionais informa a DGEMN que foi construído a menos de 20m do imóvel "um prédio ultra-moderno, que por completo destoa e briga com o ambiente local"; 1943 - o Comando-Geral da Guarda Fiscal solicita a reparação urgente da parede O. que ameaça desmoronar-se sobre a caserna do Posto Fiscal; 1945 - obras de reparação pela DGEMN; 1957 - a fachada N. encontrava-se caiada preconizando-se a picagem de rebocos e refechamento de juntas, a reparação da muralha E. e o levantamento e assentamento de parte do lajedo do pavimento da parada cujas pedras se encontram soltas; escavações realizadas pelo arrendatário dos terrenos adjacentes à muralha S. puseram a descoberto as suas fundações que chegam a atingir 4m de profundidade; 1973 - pondera-se o aproveitamento do imóvel para residência oficial; 1990, Março - o Comando-geral da Guarda Fiscal - Serviço de Obras e Património solicita à DGEMN autorização para a colocação de uma antena.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

ALMEIDA, João de, Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses, Lisboa, 1948, vol. III; BAPTISTA, Desidério Sares, Bases para uma proposta de salvaguarda e valorização do núcleo histórico de Cacela e da zona especial de protecção (texto policopiado), Universidade de Évora, 1997; CAVACO, Hugo, Cacela no Século XVII (Dez anos de Governo Autárquico), Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, 1990; COUTINHO, Valdemar, Castelos, Fortalezas e Torres da Região do Algarve, Vila Real de Santo António, 1997, LOPES, João Baptista da Silva, Corografia do reino do Algarve, Lisboa, 1841; VEIGA, Estácio da, Archeologia: projecto de legenda symbolica para a elaboração e interpretação da carta de archeologia historica do Algarve (...), Lisboa, 1885.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID-001/008-0963/, DGEMN:DSARH-010/294-0002, DGEMN:DSARH-010/294-0003; CCRAlg (Comissão de Coordenação da Região do Algarve); CMVRSA (Câmara Municipal de Vila Real de Santo António); IPPAR; AHM: Planta de Cacela BN: Planta da "Fort. d'Cacella", José de Sande Vasconcelos; Planta de Cacela, Alexandre Massay, 1617; Carta topográfica dos baldios e terras incultas, José de Sande Vasconcelos, 1775; Casa de Cadaval: Luís de Figueiredo, Descrição e plantas da Costa, dos Castelos e Fortalezas, desde o o Reino do Algarve até Cascaes..... Fl. 26 e 27 (1607/1615), Cota: nº 29, Cota antiga MVII-26 (existe cópia microfilmada no ANTT: mf. 1717)

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMS; CCRAlg; CMVRSA

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMS; CCRAlg; CMVRSA

Intervenção Realizada

DGEMN: 1945 - reparação das muralhas, incluindo o enchimento com argamassa em vários pontos; reparação geral de rebocos; construção de instalações sanitárias; construção e assentamento de portas e caixilhos; IPPC: 1970 - levantamento arquitectónico; Comando-Geral da Guarda Fiscal: 1991 - obras de adaptação incluindo na ala esquerda alteração da cozinha e WC existentes e execução de tecto na Sala de Controle; 1991 - embargo das obras da Guarda Fiscal pelo IPPC; 1992 - levantamento arquitectónico; 1998 - campanha arqueológica com recolha de espólio cerâmico; 2001 - execução da 2ª campanha arqueológica, estudo e informatização dos materiais cerâmicos da campanha de 1998 (v. PT050816010002).

Observações

EM ESTUDO; *1 - no desenho de Massai a fortaleza apresenta a "Porta do castelo" na fachada N. descentrada, à direita, protegida por revelim no interior; "casas do Alcaide-mor no ângulo interior SO.; celeiro; no meio-baluarte E. "torre terraplanada" e no O. "Torre com duas casas em cima"; no falso baluarte E. "Torre como sino de vigia" e no O. "Torre de menagem com dias casas sobrepostas"; o meio-baluarte E. apresenta quatro faces e o O. apenas três.

Autor e Data

Rosário Gordalina 2010

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login