Igreja Paroquial do Marmeleiro / Igreja da Imaculada Conceição

IPA.00002917
Portugal, Guarda, Guarda, Marmeleiro
 
Arquitectura religiosa, vernácula. Igreja paroquial apresentando vãos em arco recto de moldura simples e campanário de características rusticas independente. Integrando tirantes pertencentes a tecto mudéjar (elemento quinhentista) e tecto de caixotões (elemento seiscentista); talha: derivação simplificada do estilo nacional.
Número IPA Antigo: PT020907240030
 
Registo visualizado 770 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal; 2 rectangulos justapostos com sacristia adossada na fachada S. e baptistério na fachada N.; cobertura diferenciada a duas águas e a uma água na sacristia e baptistério; vãos de lintel recto e moldura simples; empenas rectas com cornija. FACHADA PRINCIPAL: Orientada a E.; lambril pintado; pano único delimitado por pilastras encimadas por pináculos; porta e janelão com frontão angular enquadrando nicho; empena angular com cornija e cruz de extremidades trilobadas no vértice. ALÇADO N.: Porta e três janelões. ALÇADO S.: Porta com moldura chanfrada na parte superior e três janelões. ALÇADO O.: cego; pano único delimitado por pilastras encimadas por pináculos. INTERIOR: Nave com soalho e lajeado central, antecedido por três degraus junto à porta principal; iluminada por 4 janelas; cobertura: abóbada de berço de madeira pintada com imagem de Nossa Senhora da Conceição ao centro. Baptistério de planta rectangular, aberto na parede N. por arco pleno; pavimento lajeado mais baixo cerca de 40 cm relativamente ao pavimento da nave; cobertura: abóbada de berço de cantaria; pia baptismal em forma de cálice. Altar das almas aberto na parede N.: inscrito em arco pleno de cantaria; retábulo em talha policroma; nicho central em arco pleno com painel pintado representando a Virgem, S. João Evangelista e Almas do Purgatório, ladeado por friso decorado com motivos vegetalistas estilizados e geométricos. Púlpito em cantaria caiada, planta quadrada, balcão rectilineo assente sobre mísula estriada, adossado ao lado S.. Altar de Nossa Senhora de Fátima, em talha pintada de branco, adossado ao lado S.; imagem assente sobre mísula, ladeada por duas colunas salomónicas que se prolongam num arco pleno profusamente decorado. Altares laterais junto ao arco triunfal, dedicados a Nossa Senhora do Rosário e ao Imaculado Coração de Maria: Imagens enquadradas por nicho ladeado por colunas grupadas salomónicas, que se prolongam em arcos concêntricos. Arco triunfal de volta perfeita em cantaria policromada (representando motivos vegetalistas estilizados e Imagem da Imaculada Conceição ao centro). CAPELA-MOR: pavimento lajeado, com desnível de três degraus; iluminada por duas janelas; lambril de azulejo; cobertura: tecto de caixotões composto por 49 painéis pintados sobre madeira, representando motivos vegetalistas estilizados e figuração de Cristo, São Lucas, São Marcos, São Mateus e São João; cornija e retícula pintadas a vermelho e branco; mísulas simples no eixo da retícula; integra duas traves do antigo tecto mudéjar apresentando cada uma três motivos geométricos retábulo do altar-mor em talha dourada: mesa de altar bojuda e duas portas; pano central com nicho em arco pleno com trono e entradorso com 6 caixotões de pintura sobre madeira representando figuras de anjos; panos laterais: separação dos panos: três colunas salomónicas decoradas com parras e aves; coroamento: arcos plenos concêntricos. SACRISTIA: Planta rectangular; tecto de madeira; integra arcaz de madeira policromada; lavabo de cantaria encimado por cruz. CAMPANÁRIO: Não adossado a Igreja. Alçado principal: orientado W.; justa posição de 2 corpos; separados por friso saliente; duas portas sem moldura desniveladas e janela sem moldura. Alçado S.; Cego, com pequena abertura entaipada. Alçado N.: Pequena abertura recta sem moldura. Alçado E.: Cego; empena recta com cornija; Coroamento: 2 aberturas sineiras de volta perfeita, rematadas por friso e encimadas lateralmente por 2 pináculos piramidais e tendo ao centro base da cruz ladeada por duas volutas rudimentares. Cobertura: Pirâmide em betão. Interior: dois lanços de escada. **

Acessos

Largo da Igreja

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Limite do aglomerado rural, situada em terreno desnivelado sobranceiro ao vale da ribeira de Ade; o campanário localiza-se lateralmente mas não adossado; adro amplo delimitado por muros e integrando cruzeiro de hastes rectilineas molduradas.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese da Guarda)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 17

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1260, 16 julho - no documento que divide as paróquias entre o bispado da Guarda e o Cabido da Egitânea, a igreja surge como pertencendo ao Bispado; o valor taxado revertia para a construção da Catedral; 1320, 23 maio - bula do Papa João XXII concedendo a D. Dinis, por três anos, para subsídio de guerra contra os mouros, a décima de todas as rendas eclesiásticas do reino, sendo a igreja taxada em 100 libras; pertence à Ordem de Cristo; integra o termo e bispado da Guarda; séc. 16, início - possível reedificação, atendendo aos vestígios de tecto mudéjar; 1508, 20 Setembro - a igreja é mencionada nas visitações da Ordem de Cristo, pertencente à Comenda de Frei Jorge Barreto, sendo da invocação de Nossa Senhora; na visitação, consta uma pequena descrição do imóvel *1; 1527 - a povoação contava 51 moradores e pertencia ao termo da Guarda; 1574 - a igreja pertence ao padroado real e integra a Diocese da Guarda; 1758 - possuia 4 altares; a Confraria do Santíssimo Sacramento possuia 20$000 de rendimento anual, a Confraria de Nossa Senhora do Rosário 5$000 e a Irmandade das Almas 1$600; colocação de tecto de caixotões na capela-mor (?); Séc. 19: repintura do tecto de caixotões e arco triunfal (?); elevação do pavimento (?); alteração de alguns vãos, atendendo a data colocada no lintel de uma porta lateral da Igreja e no Campanário (?). Invocação: Nossa Senhora da Conceição; era Vigairaria do Padroado Real e Comenda da Ordem de Cristo da apresentação do Duque de Cadaval. Posteriormente a Mesa da Consciência apresentava o Prior; possui Irmandade do Imaculado Coração de Maria; 1993 - entrada de proposta de classificação no IPPAR.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes; abóbada de berço ; tecto de caixotões com pré-existência mudéjar tecto plano.

Materiais

Granito, cantaria; madeira; aparelho isódomo; revestimento inexistente e reboco; telha de aba e canudo, abóbada de madeira e cantaria.

Bibliografia

COSTA, António Carvalho da, Corographia Portugueza, Lisboa, 1706; CARDOSO, Luis, Dicionário Geográfico, Lisboa, 1752; LEAL, Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Lisboa, 1873; CASTRO, José Osório da Gama e Castro, Diocese e Distrito da Guarda, Porto, 1902; BIGOTTE, José Quelhas, O Culto de Nossa Senhora na Diocese da Guarda, Guarda, 1948; BARROCO, Manuel Joaquim, Panoramas do Distrito da Guarda, Guarda, 1978; DIAS, Pedro, Visitações da Ordem de Cristo de 1507 a 1510 - aspectos artísticos, Coimbra, 1979; GOMES, J. Pinharanda, História da Diocese da Guarda, Braga, 1981; DIAS, Pedro, Arquitectura Mudéjar Portuguesa: Tentativa de sistematização, Mare Liberum, nº 8, Dezembro de 1994; SERRÃO, Joaquim Veríssimo - Livro das Igrejas e Capelas do Padroado dos Reis de Portugal - 1574. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian Centro Cultural Português, 1971.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: séc. 20, 1ª metade - abertura de duas janelas na nave, substituição da telha da cobertura, refechamento de juntas com cimento e pintura, pintura e douramento do altar-mor, colocação de lambril de azulejos no interior da capela-mor (Pároco Francisco Pires), colocação do altar de Nossa Senhora de Fátima; 1959 - pintura e douramento dos altares laterais e tocheiros (Pároco José de Oliveira Martins); 1976 - alargamento do adro através do aterro do antigo cemitério contíguo ao lado S. da Igreja, aproveitando-se para os seus muros a pedra proveniente da demolição da Capela de S. Domingos (Pároco José de Oliveira Martins); década de 80: substituição da telha da cobertura da capela-mor (Pároco José de Oliveira Martins).

Observações

*1 - a capela-mor tinha as paredes de alvenaria de pedra e barro, rebocadas interiormente e caiadas, com cobertura de madeira recente e pavimento em ladrilho; tem arco triunfal de cantaria e a nave é de feitura recente, com cobertura de madeira e telha, tendo boas portas e um sino no campanário (DIAS, p. 155).

Autor e Data

Margarida Conceição 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login