Pelourinho de Valhelhas

IPA.00002916
Portugal, Guarda, Guarda, Valhelhas
 
Pelourinho quinhentista, de tabuleiro, apresentando colunelos, sendo o central mais alto a constituir o remate, com soco octogonal de sete degraus e fuste também octogonal com capitel simples. Este surge como evolução da gaiola, apresenta base larga com elementos de suporte ao tecto, mas sem este. Datação inscrita por incisão em numeração árabe.
Número IPA Antigo: PT020907470005
 
Registo visualizado 477 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição de ordem militar  Tipo tabuleiro

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco octogonal de sete degraus, coluna de fuste poligonal liso, com cerca de 0,40 m. de diâmetro e cerca de 7 m. de altura, mas sem base, capitel anelado de secção poligonal, encimado por gola também poligonal que apresenta numa das suas faces a data de "1555", enquanto nos restantes lados se observa uma numeração romana quase apagada, lendo-se apenas "LII" e "II". Sobre esta gola, apoia-se um segundo capitel, de secção circular e apresentando três anéis, sendo o superior mais saliente, constituindo o tabuleiro; o remate consistia em quatro pináculos bojudos sustentados por pequenas mísulas ornamentadas com meias esferas, faltando já dois dos pináculos. Apresenta como coroamento um pináculo central, bojudo e de maiores dimensões que os laterais, assente numa base semi-circular anelada.

Acessos

Praça Dr. José de Castro

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano (aglomerado rural), destaca-se no centro do largo principal da aldeia, delimitado num lado pela estrada e Igreja Matriz (v. PT020907470130), e, no lado oposto, pela antiga Casa da Câmara, a actual Junta de Freguesia (v. PT020907470147) e ainda por construções de cariz popular, algumas já descaracterizadas.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16 (conjectural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1188 - D. Sancho I concede foral a Valhelhas, sendo a Vila doada a D. Gomes Ramires, Mestre da Ordem dos Templários (LEAL, Pinho); séc. 12, final - possuía Famalicão, Gonçalo e Sarzedo; 1217 - confirmação do foral por D. Afonso II; 1385 - doada à Ordem de Alcântara, antiga Ordem de São Julião do Pereiro; séc. 16 - era senhor de Valhelhas Álvaro Gil Cabral; 1514, 20 Maio - concessão do foral por D. Manuel; 1555 - provável construção do pelourinho, conforme data gravada na gola que encima o primeiro capitel, todavia poderá apenas tratar-se de um restauro (CHAVES, Luís); séc. 18 - tinha juiz ordinário, vereadores, procuradores do concelho, escrivães da Câmara, escrivães do judicial e notas, juíz dos órfãos e escrivão, alcaide e ordenanças; 1707 - incorpora as povoações de Verdelhos, Aldeia do Souto e Aldeia do Mato, actual Vale Formoso; 1758, 14 Abril - nas Memórias Paroquiais, assinadas pelo pároco João Dias Castro, é referido que a povoação é da Comarca da Guarda e tem comod onatário o Conde de Castelo Melhor; tem 65 vizinhos, juiz e câmara; 1855 - extinção do concelho, sendo atribuídas quatro freguesias à Guarda, outras quatro à Covilhã e uma a Manteigas; 1909 - foi anexada a Valhelhas Vale de Amoreira; 1980, cerca de - obras de intervenção, da responsabilidade da Junta de Freguesia.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

ALMEIDA, José António Ferreira de, dir., Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1980; CARDOSO, Nuno Catarino, Pelourinhos das Beiras, Lisboa, 1936; CHAVES, Luís, Pelourinhos Portugueses, Gaia, 1930; DIONÍSIO, Sant'Ana, Guia de Portugal, Lisboa, 1924; LEAL, Pinho, Portugal Antigo e Moderno, Lisboa, 1873; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; ROCHA, Alípio, Monografia de Valhelhas, Coimbra, 1962; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito da Guarda, Viseu, 1998.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 38, n.º 73, fl. 379-385)

Intervenção Realizada

Junta de Fregusia de Valhelhas: 1980, cerca de - substituição do primeiro degrau por outro em granito de qualidade diferente e as juntas dos restantes cimentadas.

Observações

*1 - teria tido a encimar o coroamento uma esfera armilar (DIONÍSIO, Sant'Ana). *2 - atendendo a que era tradição correr o touro neste largo e havendo o costume de trepar até ao remate do pelourinho, este apresenta já o remate fragmentado, faltando-lhe dois pináculos e os degraus da plataforma encontram-se desgastados.

Autor e Data

Margarida Conceição 1991

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login