Capela de São Sebastião / Ermida de São Sebastião

IPA.00002895
Portugal, Faro, Tavira, União das freguesias de Tavira (Santa Maria e Santiago)
 
Capela de possível fundação medieval, constituindo provavelmente um dos templos mais antigos de Tavira, mas cuja construção essencial é do séc. 17, tendo sido remodelada na centúria seguinte, que lhe conferiram a feição barroca que apresenta no interior. Apresenta planta composta de nave única, coberta por falsa abóbada de aresta e capela-mor, mais alta e terminada em empena reta, coberta por domo. No interior, as paredes laterais são revestidas, até ao arranque da abóbada, por madeira pintada em trompe l'oeil, possuindo altares laterais ricamente decorados com estuques e talhas, cujo ritmo concorre com os arcos torais da abóbada de aresta.
Número IPA Antigo: PT050814060005
 
Registo visualizado 257 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Capela / Ermida  

Descrição

Planta composta por nave retangular e capela-mor quadrangular, com sacristia retangular adossada à fachada lateral esquerda. Volumes escalonados, com a nave coberta por telhado de duas águas e a capela-mor mais elevada, com domo e cupulim. Fachadas rebocadas e pintadas de branco com faixa a amarelo. A fachada principal surge virada a sudoeste, com cunhais apilatrados e rematada em frontão contracurvo, coroado por cruz. É rasgado por portal de arco abatido, com cornija curva, e óculo tetralobulado, moldurado. As fachadas laterais da nave são cegas e terminam em friso de massa, abrindo-se na capela-mor, na lateral esquerda, óculo. Neste mesmo lado, a sacristia, terminada em empena curva, coroada por sineira em arco, albergando sino, tem acesso independente por portal de verga reta, moldurado. INTERIOR com as paredes laterais vazadas por arcos, albergando altares, com estuques policromados e talha dourada, correspondentes aos tramos marcados pelos arcos torais da abóbada de aresta. Capela-mor com retábulo de talha policroma e estuques, coberta por cúpula esférica.

Acessos

Santiago, Largo dos Mártires da República; Rua da Comunidade Lusíada

Protecção

Categoria: IM - Interesse Municipal, Decreto n.º 129/77, DR, 1.ª série, n.º 226 de 29 setembro 1977

Enquadramento

Urbano, isolado e destacado, abrindo para amplo largo, no antigo Campo da Atalaia. Imediatamente em frente, do lado oposto da Rua do Poço do Bispo, localiza-se a antiga Cadeia Civil de Tavira (v. IPA.00010086) atual Biblioteca Municipal Álvaro de Campos, e mais a poente, mas próximo, o Quartel da Atalaia (v. IPA.00005660). Também nas proximidades, a sudeste, localiza-se o antigo Convento das Bernardas (v. IPA.00015692), atual Hotel Vila Galé, e a sul os Bairros da Atalaia I e II (v. IPA.00031297 e IPA.00031298).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: capela

Utilização Actual

Cultural: espaço museográfico e auditório

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 17 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Diogo Tavares de Ataíde (1745), Manuel Aleixo (1745). CARPINTEIRO: Jacinto Pacheco (1745). PINTOR: Diogo Magina (séc. 18).

Cronologia

Séc. 16 - provável construção da primitiva capela *1; 1682 - existe culto e uma Confraria de São Sebastião em Tavira; séc.18, início - a capela apresenta sinais de degradação com as paredes de pedra e barro em ruína parcial; os confrades de São Sebastião fazem uma petição a D. João V no sentido de serem disponibilizadas verbas para reparar e capela e efetuar a festa do santo mártir; 1723 - por decreto real, D. João V manda destinar 10$500 das rendas da Câmara para a reparação da capela e culto do santo; 1745, 28 abril - atas da Câmara dão conta da arrematação da obra da Igreja de São Sebastião aos mestres Diogo Tavares de Ataíde e Manuel Aleixo por 600$000; 15 maio - nova ata da Câmara arremata uma obra com o mesmo objeto ao oficial carpinteiro Jacinto Pacheco por 580$000 *2; 1753 - D. José I concede à Confraria de São Sebastião, o benefício perpétuo de certas rendas da Feira de São Francisco; 1756, após - adaptação a capela do Palácio do Governador e Capitão-General do Algarve, que se transfere para Tavira na sequência do terramoto de 1 de novembro de 1755; 1759 - efetuados melhoramentos no interior da capela incluindo a execução das telas da capela-mor, marmoreados e de elementos em talha; 1936 - aquisição da ermida pela autarquia; 1969, 02 fevereiro - sismo provoca estragos na capela; 2005 - furto de algumas peças artísticas do acervo da capela; 2008, 25 abril - inauguração das obras de conservação e restauro da capela; execução de reproduções das obras furtadas.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura em alvenaria, rebocada e pintada; pilastras e molduras dos vãos em cantaria; cornijas e decoração exterior em massa; caixilharia e portas de madeira; decoração em estuque pintado; retábulos de talha policroma; pintura sobre tela ou madeira; cobertura de telha.

Bibliografia

ANICA, Arnaldo Casimiro - Tavira e o seu Termo. Memorando Histórico. Tavira: Câmara Municipal de Tavira, 1993; LAMEIRA, Francisco - Roteiro das Igrejas de Tavira. Faro: Direcção-Geral de Turismo, 1996; LOPES, João Baptista da Silva - Corografia (...) do reino do Algarve. Lisboa: 1841; RAMALHO, Maria, et al. - «Capela ou Ermida de São Sebastião, com todo o seu recheio. Nota Histórica-Artística». DGPC, 2016. (http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/70899/) [consultado em 3 fevereiro 2019]; SALVÉ-RAINHA, Rui Simão Pereira e LOPES, Délio Luís da Conceição - Procissões, Romarias e Tradições de Tavira. Tavira: Edição dos autores, 2013; SANTANA, Daniel - Guia de visita da Ermida de São Sebastião. Tavira: Câmara Municipal de Tavira, 2008; VASCONCELOS, Damião - Notícias Históricas de Tavira, 1242 / 1840, 3ª ed. Tavira: Câmara Municipal de Tavira, 1999; «Uma planta inédita de Tavira, do séc. XVI» (http://imprompto.blogspot.com/2008/04/uma-planta-indita-de-tavira-do-sec-xvi.html ) [consultado em 4 fevereiro 2019].

Documentação Gráfica

CMTavira

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN:DSID, SIPA

Documentação Administrativa

DGPC: DGEMN:DSARH; CMTavira

Intervenção Realizada

CMTavira: 2000 - início de um conjunto de obras de consolidação e restauro das pinturas da nave; 2004 / 2005 - obras de restauro no retábulo-mor, pinturas sobre tela, imaginária, azulejos e pavimentos; 2006 - início das obras de consolidação da estrutura (cobertura, paredes interiores e exteriores, tetos), instalação elétrica e rede de águas, seguidas da intervenção no arranjo da zona envolvente; estudo para adaptação a espaço museográfico; 2008 - conclusão de alguns trabalhos de restauro; 2016, março - concurso promovido pela autarquia para obras de conservação.

Observações

*1 - Segundo RAMALHO (2016) a primitiva ermida poderá ser anterior ao século 17, eventualmente dos finais do período medieval. Na verdade, em planta da cidade de Tavira elaborada por Leonardo de Ferrari, por volta de 1655, é já identificada a construção, com o n.º 5 e com a indicação em legenda "S. Sebastian". Contudo, da análise feita à representação de Ferrari conclui-se que a mesma será uma cópia de uma outra planta, de origem portuguesa, e que, tendo presente a representação, ou não, de outros imóveis, como por exemplo a Igreja da Misericórdia (v. IPA.00009143) e a nova Igreja e Convento da Graça (v. IPA.00015693), será de meados do século 16 (http://imprompto.blogspot.com , 4 abril 2008), o que, a confirmar-se datará a primitiva capela de São Sebastião da primeira metade do século 16, ou anterior. Também se aventa a possibilidade da primitiva ermida coincidir com a pequena construção que se adossa à fachada lateral esquerda da capela, e que funcionou como sacristia. *2 - A arrematação de 1745 diz respeito a uma obra de remodelação completa da capela, incluindo a demolição e construção de paredes mais resistentes e com maior volumetria. Estranha-se a razão de duas atas, separadas no tempo por pouco mais de duas semanas para o que SANTANA (2008) diz ser a mesma empreitada. Havendo algum acordo em que algumas características do templo se ajustam ao estilo do mestre-canteiro Diogo Tavares de Ataíde, tal poderá significar, como deixa implícito RAMALHO (2016), que existiram duas diferentes empreitadas, uma de cantarias e outra de carpintarias ficando a obra, no total, em 1.180$000.

Autor e Data

João Neto 1991

Actualização

Rosário Gordalina 2004 / João Almeida (Contribuinte externo) 2019
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login