Forte da Ponta da Bandeira / Fortaleza da Ponta da Bandeira / Forte de Nossa Senhora da Penha de França / Forte do Pau da Bandeira / Forte do Registo

IPA.00002887
Portugal, Faro, Lagos, São Gonçalo de Lagos
 
Arquitectura militar renascentista. Forte seiscentista de planta quadrangular com rampa de acesso ao terraço. Obedece às novas técnicas de artilharia, traduzindo-se num forte baixo, com paredes exteriores inclinadas e mais largas na base. Tipologicamente similar ao Forte da Meia Praia (v. PT080704011), construído na mesma época, e integrado no plano de protecção da Baía de Lagos.
Número IPA Antigo: PT050807050017
 
Registo visualizado 1487 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Militar  Forte    

Descrição

FORTE: Planta quadrangular com muros cegos em alvenaria argamassada, pedra aparelhada nos cunhais e friso em cantaria à volta a 3/4 da altura. A O., fosso com ponte levadiça e porta de acesso em cantaria lavrada encimada por pedra de armas. Lápide sobre a porta que refere ter sido o Conde de Sarzedas a iniciar a construção do forte e o Marquês de Niza a terminá-la. Nos 4 ângulos, guaritas cilíndricas em cantaria, de época posterior. Pátio central rectangular dando acesso, através de rampa, ao piso superior. Terraço rematado por parapeito de pedra irregular com rampas de tiro a E.. No pavimento térreo, capela dedicada a Santa Bárbara e dependências interiores (museu, galeria de exposições, restaurante, loja). CAPELA: localizada a E. na planta do forte. De pequenas proporções, tecto em abóbada de berço, pequeno altar com imagem recente e lambrim com azulejos do séc. 17.

Acessos

Avenida das Descobertas, Cais de Solaria

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 5/2002, DR, 1.ª série-B, n.º 42 de 19 fevereiro 2002 / Incluído na Zona Especial de Proteção das Muralhas e Torreões de Lagos (v. PT050807050003)

Enquadramento

Na orla marítima, destacado, situa-se junto à Av. das Descobertas, na saída para Sagres, e da foz da Ribeira de Bensafrim. A O., as muralhas de Lagos ( v. 0807050003 ), a E. e NE. a baía de Lagos.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Militar: forte

Utilização Actual

Comercial e turística: estabelecimento de restauração / Cultural e recreativa: museu

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 17 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Capitão de Engenharia Ignácio Pereira (dirigia as obras)

Cronologia

1679 / 1683 - início construção do forte para defesa da foz da Ribeira de Bensafrim, sob o comando do Conde de Sarzedas e Luís Lopo da Silveira, repectivamente Governador e Capitão General do Reino do Algarve; 1690 - terminam as obras, já sob a governação do Marquês-Almirante D. Francisco Baltazar Luis António da Gama (Marquês de Niza); 1769 - ofício sobre o estado geral do forte, indicando que este se encontrava danificado pela força do mar; 1805 - fica dependente da Praça Forte de Lagos, após alvará do Príncipe Regente João; 1828 - estiveram encarcerados 40 presos políticos, sendo posteriormente levados para a prisão de Lagos e depois de Faro; 1849 - relação de trabalhos a efectuar e respectivo orçamento do aparelho de suspensão para a ponte levadiça, pelo Major do Corpo de engenheiros, José da Silva Carvalho e pelo Capitão Comandante interino do Material de Artilharia, Alexandre José de Barros; 1956 - execução do projecto e estimativa de custos, pela DGEMN, para adaptação do forte a Centro Náutico da Mocidade Portuguesa; anos 70, finais - aquisição pela Câmara Municipal ao Ministério do Exército, torna-se a sede do "Centro de Estudos Marítimos e Arqueológicos de Lagos"; 1994 - instalação de um restaurante numa das dependências do forte; 1994, 31 de Janeiro - desde esta data que aguarda homologação, para classificação como Imóvel de Interesse Público, do IPPAR.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes em alvenaria de pedra

Materiais

Alvenaria de pedra (panos fachada), pedra calcária (cunhais, lápides, pavimento), tijoleira (dependências interiores), madeira (caixilhos, portas, ponte levadiça), azulejo (capela), mármore (altar da capela, nicho), ferro (caixilhos, grades), vidro.

Bibliografia

LEAL, Pinho, Portugal Antigo e Moderno, vol. 4, Lisboa, 1874; PEREIRA, Esteves, RODRIGUES, Guilherme, Portugal Diccionário, vol. 4, 1909; ALMEIDA, General João de, Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses, Lisboa, 1948; DGEMN, Muralhas de Lagos, Boletim da DGEMN, nº 104, Junho, 1961; CALLIXTO, Carlos Pereira, A construção do Forte de Nossa Senhora da Penha de França, O Dia, 12 Janeiro, 1980; OLIVEIRA, José Manuel, Lagos tem nova "sala de visitas", Diário de Notícias, 20 Agosto, 1991; ROCHA, João Paulo, Monografia de Lagos, Faro, 1991; CALLIXTO, Carlos Pereira, História das Fortificações Marítimas da Praça de Guerra de Lagos, Lagos, 1992; PAULA, Rui M., Lagos, Evolução Urbana e Património, Lagos, 1992; FERNANDES, Gustavo, Fortaleza da Ponta da Bandeira, população de Lagos contesta instalação de taberna medieval, O Dia, 12 Julho 1994.

Documentação Gráfica

DGEMN, DSID; DREMS; AHM (3ª Div., 47ª Sec., nº 1586/10); DSFOE (Arm. 2, Prat. 17, Pasta 24, Doc. 106; Arm. 5, Prat. 68, Pasta 83, Doc. 8694)

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID; DREMS; AHM

Documentação Administrativa

DGEMN: DSID; DREMS; AHM (3ª Div, 9ª Sec., Cx nº 92, nº 1, A1 e 21 e Cx nº 91, nº 22 e 43); DSFOE

Intervenção Realizada

Ministério da Guerra: 1826 - reparação de parte da muralha; DGEMN: 1956 - restauro da Capela, tapamento de 2 aberturas existentes na muralha, demolição de troços de alvenaria, fornecimento e assentamento de cunhal em ruína, enchimento com alvenaria hidraúlica de rombos existentes na muralha, refechamento de juntas, fornecimento e assentamento de moldura em cantaria para completar o pano de muralha a E. (lado do mar), construção de 4 guaritas em cantaria nos cunhais, reconstrução e impermeabilização do pavimento do terraço, reconstrução do pavimento de calçada na rampa de acesso ao terraço, reconstrução de rebocos exteriores no pátio, consolidação, fornecimento e assentamento de cantaria em vergas, ombreiras e peitoris, construção de abóbadas (aumento da capacidade das arrecadações de material náutico e sala de instrução), demolição de paredes interiores, construção de instalações sanitárias, adaptação de 2 dependências a salas de instrução e de estar, instalação no terraço de um monta cargas para embarcações, execução de instalação eléctrica, fornecimento e assentamento de pavimento de lajedo em cantaria (terraço, entrada das arrecadações de material náutico), em tijoleira (salas de instrução e de estar, arrecadações de material náutico, capela e sacristia), em mosaico hidráulico (instalações sanitárias), fornecimento e assentamento de portas, caixilhos e grades de ferro, pintura da porta de entrada; 1957 - execução de pavimentos, fornecimento e assentamento de portas e caixilhos, execução de redes de águas e esgotos, execução de rede eléctrica, execução de acabamentos, reconstrução de parte do lajedo do terraço; 1958 - execução de rede eléctrica; 1960 - assentamento de lajedo em pedra no pátio, colocação de cantaria nos muros, execução do fosso e da ponte levadiça; construção de farolim na doca junto ao forte; 1970 - reconstrução de rebocos salitrosos, pintura de portas, caixilhos e ponte levadiça, caiações, substituição de louças sanitárias e torneiras; 1971 - reparação do troço E.: apeamento de alvenarias, tapamento de rombos, reparação e consolidação de panos de muralha, consolidação de uma guarita, reconstrução de rebocos interiores, pintura de portas, caixilhos e grades de ferro; 1996 - preenchimento de rombos, substituição de gárgula em pedra, reconstrução de alvenaria, rampas de tiro, refechamento de juntas; DGEMN: DREMS: 2002 - Obras de conservação: prenchimento de juntas no pavimento da plataforma, capeamento e reboco faces interiores dos muros da plataforma superior, consolidação abóbada da guarita, consolidação de alvenarias.

Observações

Autor e Data

Anouk Costa / Marta Celada 1997

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login