Casa dos Motas / Arquivo Distrital de Castelo Branco

IPA.00002760
Portugal, Castelo Branco, Castelo Branco, Castelo Branco
 
Palacete seiscentista.
Número IPA Antigo: PT020502050043
 
Registo visualizado 57 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial unifamiliar  Casa  Palacete  

Descrição

Planta rectangular simples, de volumes articulados de disposição na horizontal com coberturas diferenciadas em telhados de 12 águas, em tesoura no espaço principal e a quatro águas no volume que se eleva sobre a cobertura do anterior, na fachada posterior e terraço. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, percorridas por embasamento saliente, flanqueadas por cunhais com aparelho isódomo e rematadas por cornija e platibanda metálica *1. Fachada principal orientada a E., de dois pisos separados por friso, de disposição simétrica, a partir do eixo central, composto por portal em arco de volta perfeita, ladeado, em cada um dos lados, por duas janelas de peitoril e duas portas de duas folhas com bandeira, tudo em arco de volta perfeita, a que correspondem, no segundo piso, janelas de sacada com duas folhas e bandeira, protegidas por guarda metálica. Os vãos são em arco abatido, ao centro com motivos decorativos. Fachadas laterais com dois e três pisos definidos por friso e cornija, semelhantes, excepto relativamente aos vãos do primeiro piso, em que a fachada S. ostenta quatro janelas de duas folhas gradeadas, ao centro porta de duas folhas e três janelos gradeados; a fachada N. possui quatro janelas de duas folhas com bandeira, ao centro porta de duas folhas e três janelos gradeados. Nas restantes características, ambas as fachadas, N. e S., são iguais possuindo em cada fachada, oito janelas de duas folhas com bandeira no segundo piso e três janelas de três folhas com bandeira no terceiro. Fachada posterior voltada a O. marcada por balcão com escadaria central; evolui em dois pisos, tendo seis janelas de duas folhas com bandeira e duas portas de duas folhas com bandeira no primeiro piso, a que correspondem, no segundo, a janelas de três folhas com bandeira. Os vãos das fachadas N. e S. e O. caracterizam-se por lintéis rectos. INTERIOR com acesso por átrio decorado por florão de estuque, de onde parte uma escada de acesso ao piso superior, com espaços diferenciados e tectos planos *2. A fachada posterior abre para amplo jardim murado, onde se rasga uma porta para a R. dos Cavaleiros, com árvores de grande e médio porte. Possui uma gruta artificial, com vão em arco de volta perfeita, sobre a qual evoluem escadas de dois lanços convergentes, protegidas por guarda metálica.

Acessos

Praça Luis de Camões, Rua dos Cavaleiros e Rua Nova. WGS84: 39º49'31.24''N-, 7º29'37.12''O.

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, a meia encosta e isolado. Próximo localizam-se os Paços do Concelho de Castelo Branco (v. PT020502050037), a Casa do Arco do Bispo (v. PT020502050044), o Celeiro da Ordem de Cristo (v. PT020502050038), a Casada Rua das Cabeças, n.º 1 (v. PT020502050017), a Casa na Rua do Arco do Bispo, n.º 2 (v. PT020502050014) e o Recolhimento de Santa Maria Madalena (v. PT020502050012).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Residencial: casa

Utilização Actual

Cultural e recreativa: arquivo

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

DGLAB, Decreto-Lei n.º 103/2012, DR, 1.ª série, n.º 95 de 16 maio 2012

Época Construção

Séc. 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITECTO: Nuno Bruno Soares (1993).

Cronologia

Séc. 17 - edificado por iniciativa da família Guilherme da Cunha; 1867, Agosto - Rafael José da Cunha inicia o processo de remodelação do imóvel, demolindo a casa primitiva, uma que pertencia a António Abrunhosa e que entretando adquirira e a capela dos presos, pertença da Misericórdia, que confinava com ambas as casas; 1870, 24 Setembro - a Misericórdia decide vender a capela por 50$000, comprada por Joaquim Guilherme da Cunha, herdeiro e sobrinho do anterior; séc. 19, final - o imóve pertenceu a Alfredo Alves da Mota, que herdou o imóvel pelo casamento; 1988 - aquisição do imóvel pelo Estado português a António Russinho e esposa; 1989 - 1993 - restaurado e ampliado para instalação do Arquivo Distrital, segundo projecto de Nuno Bruno Soares; 1993 - inauguração do edifício como Arquivo Distrital de Castelo Branco; 1997, 20 março - o imóvel foi afeto ao Instituto dos Arquivos Nacionais / Torre do Tombo, por Decreto-Lei n.º 60/97, DR, 1.ª série-A, n.º 67; 2007, 29 março - afetação do Arquivo à Direção-Geral de Arquivos, Decreto-Lei n.º 93/2007, DR, 1.ª série, n.º 63.

Dados Técnicos

Estrutura mista e estrutura autoportante.

Materiais

Pedra granítica, reboco, madeira, ferro forjado, telha lusa.

Bibliografia

Guia das Cidades e Vilas Históricas de Portugal - n.º 6, in Jornal Expresso, Lisboa, 1996; LEITE, Ana Cristina, Castelo Branco, Lisboa, 1991; Mapa de Arquitectura de Castelo Branco, Castelo Branco, 2003; SANTOS, Manuel Tavares, Castelo Branco na História e na Arte, Castelo Branco, 1958; SILVEIRA, António, AZEVEDO, Leonel e D'OLIVEIRA, Pedro Quintela, O Programa POLIS em Castelo Branco - álbum histórico, Castelo Branco, 2003.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID; CMCB; MC

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, DGEMN/DSEP

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSEP; CMCB; MC

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

*1 - sobre esta, existiam quatro vasos cerâmicos, que, na altura do restauro, foram removidas as três que restavam.

Autor e Data

Luís Castro 1998

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login