Estação Ferroviária de Pedras Salgadas

IPA.00027387
Portugal, Vila Real, Vila Pouca de Aguiar, Bornes de Aguiar
 
Estação ferroviária da linha do Corgo, construída no início do séc. 20 e que alcançou certa importância devido à povoação que servia ser uma estância de águas mineromedicinais conhecidas entre as melhores do mundo, com um dos primeiros hotéis da península.
Número IPA Antigo: PT011713030081
 
Registo visualizado 624 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Transportes  Apeadeiro / Estação  Estação ferroviária  

Descrição

Acessos

Bornes de Aguiar, Linha do Corgo - Ponto quilométrico 61,268 (PK). WGS84 (graus decimais): lat.: 41,543464, long.: -7,602653

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Peri-urbano, isolado, a 200 metros da povoação, implantada numa região muito fértil, e arborizada, com parques e edifícios de antigos hotéis.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Transportes: estação ferroviária

Utilização Actual

Comercial e turística: estabelecimento de restauração

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Infraestruturas de Portugal (conforme do artigo 6º, nº 2 e 5, e artigo 11º, n.º 1, ambos do DL 91/2015, e com a regras definidas pelo regime jurídico do Domínio Público Ferroviário que constam do DL 276/2003)

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

1878 - sendo as estâncias termais das Pedras Salgadas e do Vidago muito frequentadas, contribuindo para o desenvolvimento económico dos concelhos de Vila Pouca de Aguiar e de Chaves, a Câmara Municipal de Vila Real solicita a construção da via-férrea que ligasse Régua a Chaves, passando por Vila Real; 1897, 04 abril - publicação em Diário do Governo da concessão da ligação ferroviária, de via estreita, entre a Régua, Vila Real e Chaves, a Alberto da Cunha Leão e António Júlio Pereira Cabral; o fundamento para o deferimento da petição esteve no interesse turístico e comercial das termas de Pedras Salgadas e do Vidago; 1903, 18 fevereiro - decreto determina a construção da linha-férrea do Vale do Corgo; 24 agosto - início dos trabalhos de construção da linha, com administração direta do Estado, a qual se desenvolverá entre Régua e Chaves, no vale profundo do rio Corgo, afluente do rio Douro e seguindo a sua margem direita, com via estreita (bitola métrica) e uma extensão total de 96 quilómetros; D. João de Alarcão, Ministro das Obras Públicas, manifesta empenho na construção da linha de ferro que unisse Régua a Vila Real; 1906, 01 abril - chega à estação de Vila Real a primeira locomotiva; 1907, 14 julho - inauguração do troço ferroviário entre Vila Real e as Pedras Salgadas, tendo D. Carlos juntamente com outras entidades oficiais embarcado na Régua e seguiram até Vila Real; em Pedras Salgadas, o rei saiu da carruagem e tomou um "landó", que o conduziu à estância termal; 1926 - a estação expede cerca de 40 toneladas em g.v. e 2.000 em p.v., sobretudo de águas minerais, recebendo 100 toneladas em g.v. e 1.940 em p.v., de mercadoria de praça e taras vazias; regula cerca de 11.500 passageiros, na sua maioria aquistas que aqui se deslocavam de todos os pontos do país; 2009, 12 maio - encerramento do troço da linha férrea para realização de obras; 2010, julho - encerramento definitivo da linha do Corgo, pela Rede Ferroviária Nacional.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes autónomas.

Materiais

Bibliografia

AZEVEDO, Correia de, Vila Real de Trás-os-Montes, Porto, sd. (v.r.); BORGES, Júlio António, Monografia do Concelho de Vila Real, Vila Real, 2006; Monografia das Estações e esboço corográfico da Zona atravessada pelos caminhos de Ferro do Minho e Douro, Lisboa, 1926; SILVA, José Ribeiro, RIBEIRO, Manuel - Os Comboios em Portugal. Lisboa: TERRAMAR, 2008, vol. 1.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Paula Noé 2009

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login