Igreja Paroquial de Santa Clara do Louredo / Igreja de Santa Clara de Assis

IPA.00000273
Portugal, Beja, Beja, Santa Clara de Louredo
 
Arquitectura religiosa, popular, gótica, barroca. Igreja paroquial, de dimensões reduzidas, antecedida de galilé, com interior totalmente abobadado (com abóbada de berço quebrado na nave), repetindo um modelo de arquitectura vernácula alentejana, do gótico tardio. Carácter barroquizante popular dos recortes da empena da galilé e dos ornatos em massa, pintados a amarelo, que animam a brancura do paramento caiado. Pinturas murais de carácter popular susbtituindo as anteriores de feitura provavelmente seiscentista mas posteriormente intervencionadas, talvez nos finais de Setecentos.
Número IPA Antigo: PT040205100015
 
Registo visualizado 324 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal, composta pelos rectângulos da nave (12,60 x 5,40 m.) e capela-mor (6,80 x 3,50 m.), a que se adossam uma galilé a O., a sacristia e um alpendre a S., a capela baptismal e habitações particulares a N. Volumes escalonados cobertos por telhado de 2 águas sobre o corpo da igreja, de 1 sobre os anexos. Fachada principal virada a O. marcada pelo corpo da galilé vazado por arco redondo, com pináculos laterais e empena triangular rematada por volutas e encimada por sineira; uma porta de vão rectangular moldurado e cornija recta rasga o eixo central da fachada, ladeada por 2 janelas de vão e molduração idênticos; no nicho sobre o portal estátua de Santa Clara, de carácter popular. No pavimento da galilé 3 lápides sepulcrais armoriadas, a do meio datada de 1722, ladeada pela sepultura de Inocêncio Lopo Castanheda e pela de Mariana Teresa de Sousa, mulher do Visconde de Boavista. INTERIOR: nave única é coberta por abóbada de berço quebrado, dividida em 5 tramos por nervuras estribadas no pavimento. Nas paredes da nave recessos entre as arestas, antigos altares. Do lado N. um púlpito quadrado com guardas de balaústres de madeira torneada e pintada, de base em pedra de São Brissos e acesso exterior por degraus encostados à parede da nave. Capela baptismal revestida de pinturas murais a têmpera representando o Baptismo de Cristo; pia de pedra, circular, de base cilíndrica. Arco triunfal a pleno centro sobre pilares toscanos. Capela-mor coberta por abóbada de berço redondo; nas paredes pinturas murais a têmpera e óleo com seis episódios da vida de Santa Clara.

Acessos

Junto à Quinta do Visconde da Boavista, no extremo E. da povoação.

Protecção

Categoria: IM - Interesse Municipal, Decreto n.º 28/82, DR, 1.ª série, n.º 47 de 26 fevereiro 1982

Enquadramento

Urbano, planície. Rodeada pela área murada da Quinta da Boavista e pelo edifício do centro paroquial, abre a fachada principal para uma praça rodeada por casas de rés-do-chão. Envolvimento harmónico, sem elementos destoantes. Em frente ao templo um cruzeiro assente num marco com inscrição alusiva à reconstrução da capela-mor.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Beja)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

Séc. 16, inícios - data provável de construção; a 1ª referência documental data de 1534 (ESPANCA:1993); 1733 - reforma da capela-mor (atestada no cruzeiro defronte da igreja), acompanhada provavelmente pela reforma da fachada e da galilé e de execução de pinturas murais com episódios do orago; 1822 - falecimento de Inocêncio Lopo Castanheda, sepultado na igreja; 1865 - falecimento de Mariana Teresa de Sousa, mulher do Visconde de Boavista, sepultada na igreja; 1980, meados da década de - repinte das pinturas murais da capela-mor por iniciativa do pároco padre António Moreira, tendo para o efeito encarregado um pensionista que residia no Lar e se intitulava pintor.

Dados Técnicos

Estrutura mista

Materiais

Alvenaria de pedra e tijolo rebocada e caiada, cantaria, revestimento cerâmico do interior, tijoleira na galilé, telha cerâmica, madeira, vidro.

Bibliografia

ESPANCA, Túlio, Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Beja, Lisboa, 1993.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Isabel Mendonça 1993

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login