Igreja Paroquial de Moncarapacho / Igreja de Nossa Senhora da Graça

IPA.00025961
Portugal, Faro, Olhão, União das freguesias de Moncarapacho e Fuseta
 
Arquitectura religiosa, gótica, renascentista, barroca. Igreja paroquial de raiz gótica visível na fachada principal, no enquadramento pétreo de silhares do portal, encimado por uma empena; pilastras e friso superior decorado com grutescos renascentistas de inspiração italiana.
Número IPA Antigo: PT050810020081
 
Registo visualizado 376 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal. Fachada principal orientada, delimitada por cunhais pintados e centrada por portal retábulo entre duas janelas de moldura rectangular rematadas por frontão; o portal é em arco pleno de três arquivoltas unidas no fecho por uma filactera dupla, apoiadas em colunelos intercalados por molduras filetadas, com impostas marcadas por frisos onde sobressai uma cabeça de anjo; o arco inscreve-se numa espécie de alfiz delimitado por pilastras preenchidas com grutescos sobre plintos quadrangulares decorados com bustos e encimadas por capiteis com cabeças de anjos cantonais; nas enjuntas surgem duas figuras masculinas de aspecto grotesco segurando chicotes e, tangente a estas e ao arco, um friso historiado em composição simétrica com figuras em meio relevo separadas por triglifos, figurando um busto de Cristo aprisionado por cordas seguras por duas figuras masculinas, uma sentada e outra acocorada, ladeadas por dois soldados vestidos de couraça; o alfiz é superiormente delimitado por um friso de grutescos, flanquedo pelo remate das pilastras, decorado com dois bustos, onde assenta uma cornija que serve de base a um frontão pétreo onde se abre um óculo, tendo, no eixo das pilastras, duas figuras em alto relevo representando Evangelistas e ao centro uma edícula sobrepujada por um baldaquino que abriga um grupo escultórico figurando a Anunciação, centrado pela imagerm de Nossa Senhora enquadrada por pilastras e protegida por um baldaquino piramidal decorado com bustos e rematado por um Cristo crucificado; a fachada é rematada por empena de volutas encimada por cornija de segmento curvo sob a qual avultam folhas em relevo.

Acessos

Largo Padre Isidoro Domingos da Silva

Protecção

Enquadramento

Urbano. O imóvel marca o centro do núcleo urbano da povoação de Moncarapacho, cujo crescimento, na época moderna, se desenvolveu em função da implantação do templo. Isolado da malha urbana e rodeado por espaços públicos, confronta a E. com a Rua João Filipe Mendonça Marques, a S. com a Rua de Santo Cristo, a O. com o Largo Padre Isidoro Domingos da Silva (para o qual abre a fachada principal) e a N. com a Praça da República, plataforma arborizada que constitui o fórum do burgo antigo.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese do Algarve)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 15 / 16 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

ESCULTOR: Mestre Pedreiro André Pilarte (portal)

Cronologia

1937, 8 Dez. - a Casa do Algarve, tendo em preparação a publicação de um guia turístico sobre aquela província, requer informação à DGEMN sobre todos os imóveis classificados como Monumento Nacional no Algarve, e as datas dos respectivos diplomas de classificação. Obtida a resposta e verificando-se que o "Pórtico Renascença da Igreja Matriz de Moncarapacho" não consta da relação, a Casa do Algarve manifesta a necessidade de se iniciar o processo de classificação daquele elemento, uma vez que aquele é, na sua óptica, "o único monumento do concelho" (PT DGEMN:DSARH-010/177-0005); 1938, 15 Fev. - na sequência de pedido de classificação do "Pórtico Renascença da Igreja Matriz de Moncarapacho" apresentado pela Casa do Algarve, o director-geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais solicita o estudo da questão pelos serviços (PT DGEMN:DSID-001/008-002-0970/1); 1940, 11 Set. - o arquitecto chefe da 1.ª Secção da Direcção dos Monumentos Nacionais responde ao pedido informando que o pórtico referido, "executado em 1581, durante as obras de transformação da antiga Igreja gótica - de que ainda restam alguns elementos curiosos - é um magnífico exemplar do Renascimento, valorizado com esculturas de grande mérito, pelo que merece a classificação de Monumento Nacional. Informo mais que toda a Igreja, embora um pouco deturpada pelas obras de modificação executadas em 1845, deve ficar incluída naquela classificação, não só por formar um conjunto curioso mas, principalmente, por conter alguns elementos valiosos de arquitectura". A informação, com o acordo do arquitecto director dos Monumentos Nacionais, é submetida ao DGEMN na mesma data (PT DGEMN:DSID-001/008-002-0970/1); 1940, 17 Setembro - o director-geral ordena a organização do processo de classificação do "Pórtico Renascença" como Imóvel de Interesse Público (PT DGEMN:DSARH-010/177-0005), processo que, contudo, não terá tido sequência na época.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

SERRÃO, Vítor, História da Arte em Portugal, 3.º Vol. - O Renascimento e o Maneirismo, Lisboa, Presença, 2002.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID-001/008-002-0970/1, DGEMN/DSARH-010/177-0005

Intervenção Realizada

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Ricardo Agarez e Lina Oliveira 2007

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login