Igreja Paroquial de Vila Facaia / Igreja de Santa Catarina

IPA.00024961
Portugal, Leiria, Pedrógão Grande, Vila Facaia
 
Arquitectura religiosa barroca, vernacular, novecentista. Templo de planta longitudinal composta.
Número IPA Antigo: PT021013030024
 
Registo visualizado 374 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal composta por nave, capela-mor mais baixa e estreita, capela lateral, sacristia e torre sineira. Volumes simples e articulados, com disposição horizontalista das massas e torre sineira de acentuada verticalidade; coberturas diferenciadas em telhados de duas águas na nave, capela-mor, capela lateral e sacristia, e piramidal, revestida de azulejos policromos, na torre sineira. Fachadas rebocadas e pintadas de branco com embasamento destacado a cor cinza. Fachada principal de pano único delimitado por cunhais de aparelho granítico de junta fendida, encimados por pináculos, rasgado por portal de verga recta com frontão curvo aberto e encimado por janelão gradeado de moldura em granito sobre o qual se abre um nicho contendo a imagem do orago, remate curvo com frontão elevado coroado por cruz central e ladeado por pináculos. Torre sineira adossada à fachada lateral direita, delimitada por cunhais de granito, em perpianho, com panos rebocados e caiados de branco; no primeiro registo abre-se uma porta de moldura rectangular à qual se acede por escadaria de um lanço, com guarda em ferro e protegida por pequeno alpendre assente sobre coluna, que dá acesso à torre; no último registo abrem-se quatro sineiras em arco; a cobertura assenta sobre cornija saliente e flanqueada por 4 pináculos, tem numa das faces um relógio e é coroada por um cata-vento em forma de galo. Fachada lateral direita aberta por duas portas e uma pequena fresta emoldurada e gradeada com contraforte que demarca a capela-mor. Fachada lateral esquerda rasgada por duas janelas de iluminação, sendo a da sacristia em capialço, e porta de acesso à sacristia, todas de moldura rectangular, e onde se destaca o corpo da capela lateral que se demarca do plano da fachada. Fachada posterior correspondendo à capela-mor e sacristia, com remate em empena triangular, sendo o corpo da sacristia aberto por pequena janela. INTERIOR: rebocado e pintado de branco, de nave única a que se acede através de guarda-vento sobre o qual assenta coro alto de balaustrada de madeira pintada de azul e castanho; cobertura em madeira de três planos, reforçada por tirantes de ferro, com dezoito caixotões pintados com cenas da vida do orago, datados e assinados, sendo numerados de 1 a 6 do lado do Evangelho, de 7 a 11 no lado da Epístola e caixotões centrais de 13 a 17, sendo que 2 não estão numerados. À entrada da nave, do lado direito, uma pia de água benta assente em fuste cilíndrico e escadas de acesso ao coro alto; à esquerda capela baptismal com a pia baptismal em pedra calcária em forma de taça fechada com tampo de madeira; do lado do Evangelho destaca-se o púlpito com guarda em balaústres de madeira pintada, semelhante ao coro alto; capela lateral com arco de volta perfeita decorado no intradorso por folhas estilizadas inseridas em caixotões, com cancela de madeira castanha, com apontamentos decorativos pintados de azul; cobertura em abóbada de berço e altar com retábulo em talha polícroma com nicho central delimitado por colunas compósitas e ladeado por edículas; sobre as colunas assenta entablamento sobrepujado por frontão curvo interrompido e sobrelevado ao centro por resplendor. Altares colaterais com retábulos em talha polícroma com nicho central delimitado por colunas compósitas sobre as quais assenta o entablamento sustentando frontão e ladeado por duas edículas. Capela-mor aberta por arco triunfal de volta perfeita em granito; altar-mor com retábulo aberto por tribuna e trono escalonado; cobertura em traves corridas, de madeira, pintada de branco, onde emergem os bustos dos quatro envangelistas, intercalados por vasos floridos com grinaldas; do lado da Epístola São João e São Mateus e do lado do Evangelho São Lucas e São Marcos; no centro da cobertura três medalhões a eixo, inscrevendo-se no central a custódia com uma âncora e cruz cruzadas. Na parede do lado do Evangelho, uma porta de moldura rectangular dá acesso à sacristia, tendo um lavatório em pedra com bacia semicircular e espaldar liso com torneira ao centro e remate em cornija saliente; apresenta ainda oratório em forma de nicho e armário embutido na parede. Todo o pavimento do templo é em tijoleira cerâmica.

Acessos

Largo da Praça

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano. Isolado, destacado. Integrado harmonicamente na malha urbana, implanta-se em plataforma rodeada por muro de sustentação de terras, aberto por lances de escadas divergentes através das quais se acede a amplo adro empedrado que contorna o edifício em todas as fachadas. Na fachada posterior, e em plataforma em cota inferior à do templo, um amplo terreiro com construções de apoio às actividades desenvolvidas pela paróquia.

Descrição Complementar

O tecto da nave divide-se em dezoito caixotões com representações da vida de Santa Catarina, cuja leitura se faz a partir do lado do Evangelho e com leitura circular no sentido dos ponteiros do relógio: (1º) Primeiro sonho de Santa Catarina; (2º) Seu Baptismo; (3º) Segundo Sonho; (4º) Repreende o Imperador de Sacrificar aos Ídolos; (5º) Animada e Inspirada pela Sabedoria Divina; (6º) Discute com os Sábios que Vence e Converte; (7º) Anima os Sábios no Martírio; (8º) Mandada açoutar pelo Tyrano; (9º) Detida no Cárcer e Alimentada pelos Anjos; (10º) Converte a Imperatriz, um Capitão e os seus Soldados que a Visitam; (11º) Visitada e Animada por Nosso Senhor Jesus Cristo; (12º) Anima a Imperatriz, Capitão e seus Soldados. A leitura dos caixotões centrais é feita a partir do coro alto para a capela-mor: (não numerado) Rejeita a Coroa e Todas as Promessas do Tyrano; (14º) Os Anjos a Livram das Torturas; (15) Seu Martírio - Mana Leite em vez de Sangue; painel central (não numerado) Mestra dos Sábios e Doutores da Terra - Advogada da Mocidade Estudiosa; (16) Transportada pelos Anjos ao Monte Sinai onde a Sepultao; (17º) Sua entrada Triumphante no Ceo.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Coimbra)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor

PINTOR: V.S.Bastos (pintor dos caixotões da nave)

Cronologia

1765 - data incisa na moldura da porta da torre sineira; 1902 - pintura dos caixotões de madeira do tecto da nave por V. S. Bastos - da Certã, conforme assinado no tecto; 2006, 25 agosto - proposta de classificação do imóvel pela DRCoimbra; 31 agosto - despacho de abertura do processo de classificação da Vice-Presidente do IPPAR; 2007, 5 junho - proposta de classificação como Imóvel de Interesse Público da DRCoimbra; 2008, 12 novembro - parecer do Conselho Consultivo do IGESPAR, I.P. propõe o encerramento do processo de classificação, por o imóvel não ter valor nacional; 25 novembro - despacho de encerramento do processo de classificação pelo Presidente do IPPAR.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Granito; madeira; telha; vidro; alvenaria; azulejo

Bibliografia

LEAL, Pinho, Portugal Antigo e Moderno (...) «Vila Facaia», vol. X; Lisboa, 1876; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artìstico de Portugal: Distrito de Leiria, Lisboa, 1955; QUINTEIRA, António José Ferreira, Pedrógão Grande, Subsídios para uma Monografia; Coimbra, 1980; ALMEIDA, José António Ferreira de, (coord.), in Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1982; SANTOS, José Costa dos, Monografia de Pedrógão Grande, CMPG, Pedrógão Grande, 1985; Vila Facaia, in Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vol. 10, Lisboa - Rio de Janeiro, 1987.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID; IGESPAR: IPPAR/DRC

Documentação Administrativa

IGESPAR: IPPAR/DRC

Intervenção Realizada

Paróquia: 2006 - obras de restauro e conservação no interior da igreja: colocação de um guarda-vento; restauro da balaustrada do coro alto; restauro do tecto da nave.

Observações

Os elementos constantes nesta ficha foram retirados da proposta de eventual classificação da Igreja Paroquial de Vila Facaia elaborada por Lara Aguiar Tenreiro (Historiadora da Arte).

Autor e Data

Cecília Matias 2006

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login