Estação Ferroviária de Aveiro

IPA.00024756
Portugal, Aveiro, Aveiro, União das freguesias de Glória e Vera Cruz
 
Arquitectura de transportes, modernista. Estação de passageiros, obedecendo à tipologia da chamada "Casa Portuguesa". Núcleo construído composto pelos edifícios de passageiros com respectivas áreas de serviço, armazéns, instalações sanitárias. O edifício de passageiros e serviços é composto pela articulação de 5 corpos escalonados, os dois nos extremos mais baixos e estreitos, com ligeiro recuo em relação aos laterais; o central mais elevado e avançado em relação ao resto dos corpos; cobertura diferenciada em telhados de 4 águas e 3 águas com remates em friso, cornija e beiral. A fachada posterior, virada para os cais de ambarque, apresenta alpendre corrido, assente em estrutura metálica. Os vãos são sobrepostos por cornija e beiral.
Número IPA Antigo: PT020105120102
 
Registo visualizado 587 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Transportes  Apeadeiro / Estação  Estação ferroviária  

Descrição

A estação é composto por 3 sectores, incluindo armazéns, construções de apoio técnico, residência do Chefe da 5ª secção da via e obras, edifício de passageiros e instalações sanitárias. RESIDÊNCIA DO CHEFE: ergue-se do lado esquerdo do Edifício de Passageiros, de planta quadrangular, volume simples de 2 pisos, com cobertura homogénea em telhados de quatro águas. Fachadas rebocadas e pintadas de branco com embasamento e cunhais em cantaria com remates em friso e cornija com beirada. Todos os vãos são rectangulares sendo diferenciados pelos elementos decorativos. Fachadas laterais e posterior cercadas por muro em alvenaria, rodeadas por jardim, e principal voltada à via pública. O EDIFÍCIO DE PASSAGEIROS, colocado centralmente, em relação aos outros sectores, apresenta planta longitudinal, rectangular, composta pela articulação de 5 corpos escalonados, os dois nos extremos mais baixos e estreitos, com ligeiro recuo em relação aos laterais; o central mais elevado e avançado em relação ao resto dos corpos; cobertura diferenciada em telhados de 4 águas e 3 águas com remates em friso, cornija e beiral. Fachadas de 2 e 3 pisos, rebocadas e pintadas de branco, percorridas por embasamento saliente, intercaladas por painéis de azulejos a nível do 1º piso e por frisos e registos azulejares que contornam os vãos. Os painéis de azulejos são de composição figurativa, etnográfica, alusivos às paisagens ou fainas da região, trajes regionais e representações de edifícios monumentais a nível nacional; policromos, azul e amarelo sobre fundo branco, envolvidos por molduras policromas concheados e remate recortado. Fachada principal, virada a O., composta por 5 corpos; os laterais apresentam um só vão de moldura quadrangular com janela de guilhotina, a nível do 2º piso, sendo o 1º cego; corpos intermédios de dois pisos, abertos no 1º piso por porta rectangular encimada por pequeno beirado ondelado e ladeado por 2 janelos rectangulares; no 2º piso, e a eixo do 1º, abrem-se 3 vãos, ao centro janela de sacada de duas folhas, com bandeira, balcão assente em 2 mísulas e guarda em ferro; encima-a uma pequena varanda de 3 águas; lateralmente 2 janelas de peito de moldura recta, de dois lumes e bandeira com floreiras, encimadas por cornija com beiral; remate em empena que ao centro se eleva, recortada e ornada com volutas, sobreposta por beiral; nestes 2 corpos rompem as coberturas duas altas chaminés também rematadas por beiral; corpo central, saliente, defenido por cunhais apilastrados, de 3 pisos, aberto no 1º piso por 3 portas em arco de volta inteira com fecho saliente; 2º piso com janela de sacada de igual moldura à já descrita, ladeada por 2 janelas rectangulares, com falsos brincos brincos; os vãos são ligados por cornija e beiral curvo que se alteia ao centro; 3º piso aberto por 3 janelas de peito, de molduras rectangulares, de 2 lumes e bandeira; a janela central apresenta floreira. Fachada E., voltada para o cais de embarque, com paramentos cobertos por painéis de azulejos e rasgada por vãos de acesso de moldura rectangular e de molduras curvas, com remates em cornija e beiral; 1º piso, correspondente ao cais de embarque, com cobertura em alpendre corrido, assente em estrutura metálica; o 2º piso com os corpos laterais ladeados por escadaria de 2 lanços, colocadas nas fachadas laterais, a que se acede ao alpendre com guarda em balaústres e e cobertura de 2 águas assente em coluna; os corpos intermédios rasgados por 3 janelas de moldura rectangular, que nas laterais se prolonga inferiormente formando falsos brincos, de duas folhas com bandeira, encimadas por friso e cornija sobrepostas por beiral; a janela central, de maior dimensão que as laterais, tem pequeno alpendre com cobertura de 3 águas assente em consolas de madeira e na base uma floreira forrada a azulejos; remate igual ao da fachada principal; corpo central de igual gramática à da fachada principal. Fachadas laterais a nível do 1º piso apresentam silhar de azulejo de tapede, policromo, contemporâneo.

Acessos

Largo da Estação.

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado, destacado num dos extremos da cidade, abrindo para um amplo largo ligado a uma das principais artérias do núcleo urbano. Fronteiro ergue-se um edifício da Pensão Avenida (v. PT020105120105) e o Edifício na Rua do Dr. João de Moura (v. PT020105120117). Do lado esquerdo do edifício de passageiros ergue-se a antiga residência do Chefe da 5ª. secção da via e obras.

Descrição Complementar

AZULEJARIA: Os painéis de azulejos que revestem as fachadas exteriores possuem composições figurativas com representações etnográficas e monumentais, sobressaindo figuras de alguma forma relacionadas com a construção da linha férrea, trajes regionais, fainas e paisagens típicas da região, as armas da cidade, monumentos de carácter regional e nacional. Na fachada principal elencam-se as seguintes representações: medalhão do José Salamanca; medalhão com embarcação; medalhão com o Farol da Barra; vindimas em Anadia; chegada de um barco de pesca a São Jacinto;marinhas de sal de Aveiro; margens do rio Vouga; trechos da Ria de Aveiro; entrada do jardim de Aveiro; tricana (1916) ; peixeira; pescador; tricana (1870); Farol da Barra de Aveiro; ponte do Poço de São Thiago, Vale do Vouga; palace hotel Bussaco; Museu Regional de Aveiro; Aveiro nos princípios do séc. 18; trecho da cidade de Aveiro. Fachada E., voltada para o cais de embarque: trecho do Vouga; pórtico do Senhor das Barrocas; mosteiro de Alcobaça; castelo da Feira; Furadouro, saída parao mar de um barco de pesca; trecho da Ria de Aveiro; Buçaco - Monumento da Batalha; Castelo de Almourol; Igreja da Misericórdia; medalhão do Manuel Firmino; Armas da Cidade; Ponte da Rata em Eirol; Costa Nova; Painel comemorativo dos 75 anos da linha férrea do Vouga. Fachada dos Sanitários: Canal Central da Ria de Aveiro; Palheiros da Costa Nova.

Utilização Inicial

Transportes: estação ferroviária

Utilização Actual

Transportes: estação ferroviária

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETOS: Gemma Vila (séc. 21), João Lúcio Lopes (séc. 21); Paulo Gouveia (séc. 21); Rui Fortes (séc. 21); Vitor Coutinho Lopes (séc. 21). ARQUITETURA PAISAGISTA: Gibb-Portugal (séc. 21). ENGENHEIRO: Carlos Batista (séc. 21). PINTOR DE AZULEJOS: Francisco Pereira e Licínio Pinto (1916); Breda (1986); F. Lista (2000). PINTURA DE AZULEJO: Fábrica da Fonte Nova (1916); Viçorzete, Águeda (1986); F. Lista, da fábrica Artecer, Vila Nova de Gaia (1999).

Cronologia

1856 - O projecto inicial de Waitier não contemplava Aveiro, mas graças às insistências do deputado José Estevão, conseguiu que o governo estudasse um novo traçado no sentido da cidade continuar acompanhar o progresso dos tempos modernos, fazendo-se então a  alteração do percurso da via férrea previsto para ligar Lisboa ao Porto; 1861, Agosto - início das obras da linha férrea; 1862, inicio - construção do edifício da estação; 1864, 10 de Abril - inauguração da estação, durante a presidência de Manuel Firmino; 1899 - construção de uma casa para habitação de 4 famílias segundo o tipo aprovado por portaria de 3 de Maio; 1900 - pedido de construção de um alpendre com 14 m de comprimento; 1901 - construção do cais coberto; 1902 - estabelecimento de uma linha de resguardo e placa na estação de Aveiro; instalação de um guindaste; construção de um dormitório para 12 carregadores e um agulheiro; 1909 - expropriações de terrenos para continuação da construção da estação de Aveiro; 1914 - obras de intervenção na casa de 4 famílias; construção de retretes; 1915 - obras de transformação e alargamento do edifício da estação; construção de um armazém e residência do pessoal; modificação da sinalização; 1916 - data dos azulejos de autoria dos pintores Francisco Pereira e Licínio Pinto, da fábrica da Fonte Nova, colocados por ocasião das obras de remodelação, inserindo-se numa política da Companhia decorar as gares; pedido da "Vacum Oil Company" para instalar um depósito para petróleo no recinto da Estação, autorização concedida, nos termos do artº 27 do Dec. de 31 de Dezembro de 1864; reconstrução de um dormitório para o pessoal; construção de escritório; ampliação e alargamento da plataforma; 1986 - colocação de azulejos de autoria de Breda, durante as comemorações do 75º aniversário da abertura da via férrea que abrange as cidades de Albergaria - a - Velha, Sernada, Águeda e Aveiro; 2000 - aquando a remodelação das instalações sanitárias da estação foram colocados dois outros painéis da Fábrica Artecer (Vila Nova de Gaia), cujo o autor é F. Lista; séc. 21, década 10 - construção de uma nova estação ferroviária, com interface rodoviário e requalificação da zona envolvente, conforme projeto de João Lúcio Lopes, Arquitetos Lda, com a equipa composta por João Lúcio Lopes, Gemma Vila, Paulo Gouveia, Rui Fortes, Vitor Coutinho Lopes; engenheiro estrutural Carlos Batista e Paisagismo pela Gibb-Portugal.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Estrutura rebocada e pintada; painéis de azulejos; molduras dos vãos em cantaria; portas, caixilharias e outras estruturas de madeira; janelas e portas com vidros simples; cobertura com asnas de betão e exterior em telha.

Bibliografia

Estações com Vida - Aveiro. Requalificação e dinamização do modo ferroviário. S.l., Infraestruturas de Portugal, s.d.; GOMES, M., Subsídios para a História de Aveiro, Aveiro, 1899,pp. 138 - 251; NEVES, A.,História e Arte. Aveiro, ADERAV, Aveiro,1984, pp.176-178;CALADO, Rafael Salinas, ALMEIDA, Pedro Vieira de, Aspectos Azulejares na Arquitectura Ferroviária Portuguesa, Caminhos de Ferro Portugueses, EP, [Lisboa], 2001; www.cm-aveiro.pt (10-03-2008).; www.refer.pt (11-11-2008)

Documentação Gráfica

AHIMTT: Linha do Norte (cx. 221)

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

AHIMTT: Linha do Norte (cx. 221)

Intervenção Realizada

CP: 1912 - obras para instalação das canalizações a gaz (iluminação); 1916 - obras gerais de remodelação e decoração; colocação de páinéis azulejares; 1926 - obras no edifício de passageiros - construção de instalações para o fiscal do governo; colocação de nova lampistaria; 1928 - alterações no 2º andar do edifício de passageiros; 1929 - ampliação do vestíbulo do edifício de passageiros; construção de uma nova saída para passageiros; colocação de nova sinalização; 1934 - obras no edifício de passageiros; 1945 - ampliação da habitação do chefe (novas instalações sanitárias); 1947 - obras no edifício da sala de espera de 3ª. classe: colocação de cabine telefónica pública; colocação de um porta cartazes com horário de parede; 1948 - adaptação do rés-do-chão da habitação do chefe da secção a escritório da secção de via e obras; 1960 - obras de remodelação do vestíbulo e bilheteiras; 1963 / 1965 - construção de um bloco de 6 residências para pessoal; 1964 - obras de ampliação: construção de novos cais cobertos; 1973 - construção de cobertura no cais de transbordo; 1986 - colocação de painel de azulejos para comemoração do 75º aniversário da estação; REFER: 2000 - remodelação das instalações sanitárias e colocação de dois painéis de azulejos; 2001 / 2008 - execução dos acabamentos da nova Estação de Aveiro; alargamento da plataforma - construção de viaduto; construção de dois postos de transformação; execução de instalações eléctricas e de ventilaçãoda passagem inferior rodoviária de Aveiro - prolongamento da Av. Dr. Lourenço Peixinho; construção do interface da estação de Aveiro (www.refer.pt / 2008-11-12).

Observações

Autor e Data

Cecília Matias 2008

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login