Núcleo urbano da cidade de Galle / Centro histórico de Galle e suas fortificações

IPA.00024506
Sri Lanka, Sul, Galle, Galle
 
Núcleo urbano sede administrativa. Cidade situada em costa marítima. Vila moderna de fundação portuguesa e posterior colonização holandesa e inglesa. Núcleo urbano inserido em cintura abaluartada apresentando traçado de tendência ortogonal estruturado pela Lighthouse Street que liga as duas portas ao mar.
Número IPA Antigo: LK930801000001
 
Registo visualizado 714 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto urbano  Aglomerado urbano  Cidade  Cidade moderna  Cidade fortificada  

Descrição

Acessos

B130, A2, Custom Road

Protecção

Património Mundial - UNESCO, 1988

Enquadramento

Urbano, situado em costa marítima. Localizado na costa SO. da ilha, na baía de Galle, é sede de província e a terceira cidade mais importante do país. A cidade dista da capital cerca de 110Km e foi um dos portos mais importantes da Escala do Levante até ter sido transferido para a cidade de Colombo. O núcleo situa-se a S., numa península rochosa da baía de Galle e foi um dos mais cobiçados portos de Ceilão.

Descrição Complementar

Cidade portuária, a quarta maior do Sri Lanka, foi durante séculos o principal porto do país, uma posição que reforçada no período colonial Português e Holandês, perdendo a sua primazia no final do século 19, quando os britânicos ampliaram o porto de Colombo para se tornar o maior da ilha. Galle está dividida em duas zonas: a N. situa-se a zona comercial, caracterizada por lojas, armazéns e pequenos restaurantes e o edifício de St Mary's Cathedral e a S., a zona mais antiga, localiza-se numa pequena península fortificada. Esta estrutura abaluartada situada junto ao porto é interrompida por duas portas a Porta Velha e por outra a S. no Bastião Zwart. As muralhas são descontinuadas por vários bastiões começando continua através do bastião Akersloot e debaixo de frondosas árvores, para o bastião Aurora, mais para S., para o bastião Utrecht Point, encimado por um farol moderno, em seguida para O., a Flag Rock, o ponto mais meridional das paredes, contornando o mar para NO. através dos bastiões Triton e virar para N, para o bastião Aeolus (Clippenburg). O troço entre os bastiões Aeolus e Star é parte de uma base militar do Sri Lanka. A parte N. da fortaleza é dominada pelo bastião Lua (Zon) com a Torre do Relógio (construção britânica). A muralha entre os bastiões Lua e Sol (Maan) foi rompida para criar uma grande entrada, o portão principal, construído pelos britânicos em 1873. O troço final avança em linha quebrada para primeiro S. e depois E. para a porta velha. Entre as muralhas descobrem-se, estreitas ruas de malha regular ladeadas por edifícios opulentos caracterizados por grandes salas, varandas em arco e janelas protegidas por pesadas, de madeira, venezianas, estes têm características coloniais holandesas e britânicas. Na longa Church Street situa-se o Museu Nacional de Cultural, a Groot Kerk, e a S. do New Oriental Hotel, e em frente ao antigo Palácio do Governo holandês e localiza-se a Igreja Anglicana de Todos os Santos. Em Queen Street situa-se o Museu Nacional do Mar e em Leyn Baan o Museu do período holandês. No extremo S. da península, destaca-se uma comunidade muçulmana próspera com uma faculdade e duas mesquitas islâmicas.

Utilização Inicial

Não aplicável

Utilização Actual

Não aplicável

Propriedade

Não aplicável

Afectação

Não aplicável

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

1506, Agosto - os Portugueses chegam à ilha de Ceilão com uma frota comandada por Lourenço de Almeida, filho de Francisco de Almeida, e desembarcam em Colombo; os primeiros contactos com o reino de Kotte apontam o interesse no comércio da canela; D. Manuel I sugere ao vice-rei Francisco de Almeida que faça em Ceilão a sede do Estado da Índia; 1518 - Lopo Soares de Albergaria estabelece um protectorado conseguindo quatrocentos bares de canela por ano; 1540 - os missionários franciscanos chegam à ilha de Ceilão; 1587 - a corte decide avançar com a construção de uma fortaleza em Galle que apoie ao controlo do comércio do Golfo de Bengala; 1589 - fortaleza foi mandada construir por Matias Albuquerque; 1591 - Filipe II escreve ao vice-rei D. Duarte Meneses, mandando João de Melo dar aviamento às obras das fortificações de Manar e da ponta de Galle ao mesmo tempo mandava diminuir o perímetro do reduto de Colombo; 1594 - os portugueses ambicionam o domínio absoluto a ilha de Ceilão através da amizade feita com o reino de Kandy ou reino das montanhas; no mesmo ano este passa a inimigo e ficará em guerra até ao fim da presença portuguesa na ilha apesar das ajudas do rei de Jaffna, forte aliado português; 1608 - é criado o lugar de vedor da fazenda de Ceilão o único em toda a Ásia, este é atribuído a Antão Vaz Freire; 1614 - o vice-rei da Índia é o capitão-geral Manuel Mascarenhas Homem; 1619, 23 Março - carta régia ordenando o vice-rei conde Redondo, a mandar os capitães das praças fortificar as cidades por causa dos holandeses; 1623 a 1630 - o capitão-geral da ilha é Constantino de Sá de Noronha que durante o segundo mandato é mandado por rei Filipe III fazer um levantamento exaustivo da ilha com desenhos de todas as fortalezas e cidades de Ceilão e descrições detalhadas para preparar a guerra com o reino de Kandy, estes livros encontram-se em Madrid, Washington, Haia e Saragoça; 1625 - a obra da fortaleza é acabada com a orientação de Constantino de Sá; 1630 - a fortaleza de Galle é concluída sem artilharia; 1635 - António Bocarro dedica a D. Filipe III o "livro das plantas de todas as fortalezas, cidades e povoações do estado da Índia oriental" com ilustrações de Pedro Barreto de Resende e no qual estão representadas 9 plantas de Ceilão; 1638, Maio - os holandeses tomam a fortaleza Batticaloa e assinam um contrato com o rei Kandy que lhes dá o monopólio da canela em troca de auxílio na guerra entre Rajasinha II e Portugal, 1639 - cai a fortaleza de Tricamalee e os portugueses perdem a segunda e última posição na costa oriental de Ceilão; 1640, Fevereiro - os portugueses perdem Negombo; 1640, Março - Galle é tomada pelos holandeses; 1655 - os holandeses cercam Colombo e tomam a cidade em Maio de 1656; 1658, Fevereiro - os portugueses perdem Mannar; 1658, Junho - é tomada o último forte de Jaffna e os portugueses abandonam definitivamente a ilha de Ceilão; 1662 a 1675 - o governador da ilha é Rijkloff van Goens, a quem sucede o seu filho Rijkloff van Goens Jr. até 1679; 1988 - a Cidade Velha de Galle é declarada Património Mundial da Humanidade pela UNESCO, com o grau IV (exemplo excepcional de um tipo de construção ou de conjunto arquitectónico ou tecnológico ou de paisagem ilustrando um ou vários períodos significativos da história humana); 2004 - o tsunami teve um efeito devastador sobre a maioria dos edifícios mas as fortificações de Galle não sofreram grandes danos.

Dados Técnicos

Não aplicável

Materiais

Não aplicável

Bibliografia

CID, Isabel, O livro das plantas de todas as fortalezas, cidades e povoações do estado da Índia oriental de António Bocarro, Lisboa, Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1992; DIAS, Pedro História da Arte Portuguesa no mundo (1415-1822), Circulo de Leitores, Navarra, Espanha, 1988; FLORES, Jorge Manuel, "A Ilha de Ceilão e o Império Asiático Português" in Oceanos, nº46, Abril/ Junho 2001; MATTOSO, José (dir.), Ásia, Oceânia, Património de origem portuguesa no mundo, arquitectura e urbanismo, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 2010, pp 363-364

Documentação Gráfica

Biblioteca Pública de Évora (Códice CXV / 2-1, Livro das Plantas de todas as fortalezas de António Bocarro); Arquivo de Haia: Nationaal Archief: Punte de Galle, Gezicht op Galle, Ceylon, Galle, Sri Lanka, 1665; Inventarisnummer 619.90 http://proxy.handle.net/10648/af87e74c-d0b4-102d-bcf8-003048976d84; Grondteekening van de stadt Gale, mitsgaders van de nadeelige hoogtens en klippige bergen enz, Ceylon, Galle, Sri Lanka, séc. 17, Inventarisnummer 1054, http://proxy.handle.net/10648/af991058-d0b4-102d-bcf8-003048976d84; Kaartcollectie Buitenland Leupe, Grondteekening van de stadt Gale, mitsgaders van de nadeelige hoogtens en klippige bergen enz, Ceylon, Galle, Sri Lanka, séc. 17, Inventarisnummer 1054, http://proxy.handle.net/10648/af991058-d0b4-102d-bcf8-003048976d84

Documentação Fotográfica

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Sofia Diniz 2006/ Rita Vale 2011

Actualização

Manuel Freitas (Contribuinte externo) 2011
 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login