Termas do Gerês / Estância Termal das Caldas do Gerês

IPA.00024316
Portugal, Braga, Terras de Bouro, Vilar da Veiga
 
Arquitectura de saúde, setecentista. Termas.
Número IPA Antigo: PT010310170024
 
Registo visualizado 233 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Conjunto arquitetónico  Edifício e estrutura  Saúde  Termas    

Descrição

Complexo termal constituido pelo balneário, a colunata, os edifícios de hotel e o parque. BALNEÁRIO de planta rectangular composta por três corpos rectangulares, com um central, de dois pisos, e os laterais de um piso, em disposição simétrica. Volumes articulados com coberturas escalonadas em telhados de quatro águas, e rematados em beirada simples com fachadas rebocadas e pintadas. Fachada principal voltada a SE. desenvolvida simetricamente em três panos, o central e os dos extremos levemente salientes, rasgada regularmente por vãos. O pano central, com dois pisos, é rasgado, no nível do piso térreo, por portal ladeado por duas janelas, de verga recta; no segundo piso, abrem-se três pequenas janelas em arco de volta perfeita. Os corpos intermédios possuem cinco janelas em arco de verga abatida. Na fachada lateral N, adossa-se um torreão. INTERIOR com vestíbulo central de distribuição para as áreas de tratamentos. COLUNATA composta por galeria semicircular e construções com diversas funções, incluindo a COPA, construída junto à nascente localizada na escarpa rochosa.

Acessos

Vilar da Veiga, Avenida Manuel Francisco da Costa

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Rural, isolado, na proximidade do Hotel Águas do Gerês (PT010310170023).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Saúde: termas

Utilização Actual

Saúde: termas

Propriedade

Privada: pessoa colectiva

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: Raul Lino, Jorge Sodré de Albuquerque (1998), Ana Almeida (1998); ENGENHEIRO: Manuel da Terra Viana.

Cronologia

Séc. 17 - provável existência de uma penha com cinco bicas de água; séc. 18 - o Rei D. João V promoveu a construção de edifícios para banhos (abrigos de cobertura cónica para diferentes poços); 1886/1887 - o médico Ricardo Jorge interessou-se por estas águas minerais e publicou diversos livros acerca da eficácia destas águas; início da construção do primeiro edifício termal do Gêres; 1888 - visita de D. Luiz I e D. Maria Pia, D. Carlos I e D. Amélia; 14 agosto - data de concurso publicado no Diário do Governo para a concessão das águas, tendo sido adjudicado contrato provisório pelo prazo de 50 anos; 1896 - achados arqueológicos da civilização romana confirmam exploração das águas minerais do gêres; a exploração das águas foi concessionada à Empresa das Águas do Gerês; 1897 - construção dos balneários; 1899 - abertura dos novos balneários para diferentes classes; 1924/1928 - projetos de melhoramento urbano, com a edificação de um passeio coberto em galeria (composto por oito lojas, casa de fresco, copa e terraço), uma nova capela, novo arruamento e jardim junto ao rio; 1970 - projetos de ampliação dos balneários e construção da piscina exterior; 1998 - novo contrato de exploração com a empresa das Águas do Gêres; trabalhos de reconversão urbana, recuperação de instalações balneares e hoteleiras; 2004, 7 julho - despacho de abertura do Presidente do IPPAR; 2009, 23 outubro - caduca o processo de classificação conforme o Artigo n.º 78 do Decreto-Lei n.º 309/2009, DR, 1.ª série, n.º 206, alterado pelo Decreto-Lei n.º 265/2012, DR, 1.ª série, n.º 251 de 28 dezembro 2012, que faz caducar os procedimentos que não se encontrem em fase de consulta pública.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

http://www.aguas.ics.ul.pt/braga_geres.html, 8 outubro 2012.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGPC: SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

2012 - remodelação do hotel.

Observações

EM ESTUDO

Autor e Data

Sónia Basto 2012

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login