Jardim da Casa das Brolhas

IPA.00024097
Portugal, Viseu, Lamego, Lamego (Almacave e Sé)
 
Arquitectura recreativa, barroca e romântica. Jardim barroco e mata estilo romântico. Jardim barroco de estrutura definida e simétrica entre si e em relação ao edifício residencial e mata de linhas organicas e naturalizadas.
Número IPA Antigo: PT011805210204
 
Registo visualizado 2028 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Espaço verde  Jardim        

Descrição

Jardim localiza-se em plataforma inferior ao edifício e acima dos terrenos agrícolas que o ladeiam, e tem uma estrutura submetida a geometria clara, definida por sebes de buxo topiadas e ornamentadas por elementos vegetais (camélias e teixos talhados) e flores no interior, como ranúnculos, rosas e gladíolos, muretes em pedra, bancos à sombra das casas de fresco (esculpidas em arbustos), tranque central em pedra e pequeno fontanário. Com flores dentro de canteiros de buxo rendilhados, o jardim torna-se espaço que dá continuidade à frontaria, de pilastras e molduras de janela particulares, com formas e cores naturais que jogam com as esculturas de granito da casa. Acima dos buxos sobressaem duas casas de fresco talhadas em camélias e uma importante estrutura verde esculpida em teixo, a escala invulgar e gigantesca*1. Noutra zona do jardim, encontra-se um labirinto cortado em altas sebes de buxo*2. A mata, de área considerável, envolve e protege todo o conjunto e é caracterizada pela quantidade de árvores seculares, como carvalhos, cameleiras e magnólias, desenhada em linhas orgânicas e naturalizadas que contrastam com o rigor dos jardins formais e a frontaria da casa.

Acessos

Rua Macário de Castro, n.º 79, perto da Sé de Lamego

Protecção

Incluído na Zona de Proteção da Casa das Brolhas (v. PT011805210017)

Enquadramento

Urbano, a N. da Sé, a cota superior, no centro da cidade. Campos agrícolas em socalcos, hortas, em paisagem acidentada entre a Serra de Montemuro e o Douro, na margem esquerda do rio Balsemão. Rodeia a Casa (v. PT011805210017).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Produtiva: mata / Recreativa: jardim

Utilização Actual

Produtiva: mata / Recreativa: jardim

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Sec. 15 / 16 / 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Cronologia

Sec. 17 - origem do jardim; 1777 - Reconstrução sobre a antiga casa do actual imóvel por D. Macário de Castro; Séc. 19 - Plantação da mata que envolve o conjunto (não está abrangida na classificação patrimonial, encontrando-se em estado de degradação).

Dados Técnicos

Materiais

Inerte: granito, alvenaria, ferro, madeira; Vegetal: agapantos (Agapanthus africanus), gladíolos (Gladiolus italicus), ranúnculos (ranunculos parviflorus), ameixoeira-dos-jardins (Prunus cerasifera), aveleira (Corylus avellana), azálea (azalea sp), azevinho (Ilex aquifolium), bambu (Bambusa vulgaris), buxo (Buxus sempervirens), cameleira (Camellia japonica), choupo-branco (Populus alba), cipreste (Cupressus sempervirens), couves-de-nossa-senhora (Bergenia crassifolia), crisântemos (Dendranthema x grandiflorum), evonio-dos-jardins (Euonymus japonicus), feto (Pteridium aquilinum, Asplenium obovatum), freixo (Fraxinus angustifolia), hera (Hedera helix), hibisco (Hibiscus rosasinensis), hortênsia (Hydrangea macrophylla), lantana (Lantana camara, Lantana aurea), laranjeira (Citrus sinensis), loureiro (Laurus nobilis), magnolia (Magnolia grandiflora), carvalho (Quercus robur), medronheiro (Arbutos unedo), roseira brava (Rosa canina), rosa galica (Rosa gallica), rosa-de-damasco (Rosa damascena), salvia (Salvia splendens), vinha-virgem (Parthenocissus quinquefolia), teixo (Taxus baccata), dragoeiro (Dracaena draco)

Bibliografia

PROENÇA, Raul, Dir. de, Guia de Portugal, V Vol. Trás-os-Montes e Alto Douro, Lisboa, 1988; AZEVEDO, Carlos de, Solares Portugueses, Lisboa, 1988; Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, Vol 14, Lisboa s.d.; LARANJO, F.J. Cordeiro, Vultos e Ruas de Lamego, Lamego, 1993; CASTEL-BRANCO, Cristina, Jardins com História, Poesia Atrás dos Muros, Edições INAPA, Lisboa, 2002.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

DGEMN: 1996/ 1997 - reparação das coberturas

Observações

Brasão está dividio em cinco partições: 1- (Osório) de oiro com dois lobos de vermelho um sobre o outro; 2- (Meneses, dos Condes de Cantanhede) de "Portugal antigo", esquartelado de França moderno (deveria ser de Bourbon), sobreposto de "Menezes"; 3- (Castro) de oiro, com treze armelas de azul; 4- (Fonseca) de oiro, com cinco estrelas de vermelho, postas em santor; 5-(Vilhena) de vermelho, com uma asa aberta de oiro terminada por uma mão de camação empunhando uma espada de prata guarnecida de oiro.

Autor e Data

Luísa Estadão 2004

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login