Solar das Arcas

IPA.00002408
Portugal, Bragança, Macedo de Cavaleiros, Arcas
 
Arquitectura residencial, barroca. Solar de planta rectangular, integrando no topo esquerdo capela longitudinal, volumétrica e decorativamente demarcada. Fachada principal de dois pisos, de cunhais apilastrados, terminada em friso e cornija e rasgada por vãos rectilíneos; na ala residencial abre-se, ao centro, portal de verga recta, ladeado de aletas e encimado por frontão de volutas interrompido por brasão, ladeado por fresta jacente e janelas de peitoril e, no andar nobre janelas de peitoril ladeadas de aletas, com avental terminado em flor-de-liz e encimadas por friso e frontão interrompido. A capela, no topo esquerdo, termina em falso frontão contracurvado, e é rasgada por portal de verga recta encimado por frontão apontado e óculo. No interior possui retábulo rococó. Solar construído no séc. 18, com a capela disposta num dos topos terminada em cornija no alinhamento da ala residencial, mas encimada por empena contracurvada, atarracada, criando falso frontão. O portal da ala residencial, bem como as janelas do andar nobre, possuem modinatura tardo-barroca e a decoração do brasão é já rococó. O corpo adossado à fachada lateral direita do solar conserva características da arquitectura popular transmontana, como os remates em aba corrida, as molduras dos vãos em madeira e as altas janelas com caixilharia de guilhotina tripla.
Número IPA Antigo: PT010405030016
 
Registo visualizado 628 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Residencial senhorial  Casa nobre  Casa nobre  Tipo planta retangular

Descrição

Planta rectangular, composta por ala residencial principal e por capela disposta no extremo esquerdo, com ala perpendicular adossada à fachada posterior, virada a um pátio; de ambos os lados adossam-se corpos rectangulares irregulares, cronologicamente distintos e mais recentes. Volumes articulados, com coberturas diferenciadas em telhados de quatro águas no solar e de três num dos corpos. Fachadas rebocadas e pintadas de branco e faixa a cinzento. O corpo principal possui dois panos, definidos por pilastras toscanas e terminados em friso e cornija, sobreposta por beirada simples bastante prolongada. O pano esquerdo, correspondendo à capela, termina em friso e cornija sobreposta por empena contracurvada criando falso frontão, coroado por cruz latina sobre plinto paralelepipédico e com pináculos nos cunhais, também sobre plintos; entre o pináculo esquerdo e a empena surge estrutura metálica sustentando sino de pequenas dimensões. É rasgada por portal de verga recta encimado por friso e frontão apontado interligado a óculo quadrilobado. O pano direito, correspondente à ala residencial, é rasgado, ao centro, por portal de verga recta, de moldura côncava sobreposta por Cruz de Cristo num círculo, ladeado de aletas e encimado por friso convexo e frontão de volutas interrompido por amplo brasão de família, envolvido por paquife e concheados e com coronel; lateralmente, abrem-se, de cada lado, uma fresta jacente e duas janelas de peitoril, espaçadas, com caixilharia de duas folhas e gradeadas. No andar nobre rasgam-se dez janelas de peitoril, de moldura ladeada por aletas, com avental terminada em flor-de-liz e encimadas por friso e frontão contracurvado interrompido; estes vãos têm caixilharia de guilhotina. À direita, a fachada é prolongada por corpo rectangular sensivelmente recuado e de dois pisos, terminado em beirada simples com aba corrida de madeira, rasgando-se no piso térreo amplo portal de verga recta, sem moldura, e no superior janela de sacada, com porta entre duas janelas de peitoril bastante altas, com caixilharia de guilhotina tripla, e com molduras de madeira; a sacada corrida tem guarda em ferro. Este corpo prolonga-se pela fachada lateral direita, adaptado ao perfil bastante acentuado do terreno, possuindo o piso térreo cego, terminado com beirada dupla, e o segundo rasgado por seis janelas de peitoril geminadas, com molduras de madeira e caixilharia de guilhotina tripla, à excepção da do topo que é mais pequena.

Acessos

Arcas

Protecção

Em vias de classificação

Enquadramento

Rural, montanha, isolado, no interior da aldeia e formando frente de rua com pequeno passeio separador da estrada que atravessa a povoação. O solar integra-se numa quinta de produção, plantada com floresta, oliveiras (tradicionais e de regadio), eucaliptos, choupais, e cerejeiras. Em frente do solar, do outro lado da rua, existe um pequeno jardim de tipo italiano, de planta rectangular, dividido geometricamente em 4 canteiros regulares. O acesso faz-se por um portal, em granito, inserido num muro, em alvenaria de xisto que cerca o jardim. No jardim, de onde se pode apreciar a paisagem sobre os montes envolventes, existem quatro pequenas casas de xisto, chamadas "cazarelhas", únicas em Portugal, que serviam para as crianças brincarem.

Descrição Complementar

As janelas do andar nobre possuem interiormente conversadeiras. Na capela, o retábulo-mor é em talha policroma a azul, rosa e dourado. À esquerda, adossam-se, à fachada principal, vários corpos rectangulares, um deles de dois pisos, rasgado no piso térreo por duas portas de verga recta e pequeno vão e no segundo piso por cinco janelas de peitoril, com caixilharia de guilhotina. Segue-se um corpo mais baixo, frontal e lateralmente rasgado por portal sobrelevado; depois do portão da quinta, desenvolvem-se dois outros corpos interligados, em alvenaria de xisto e de dois pisos, rasgados por janelas de peitoril, com molduras de madeira e caixilharia de guilhotina, os frontais ladeados por vaseiras de xisto.

Utilização Inicial

Residencial: casa nobre

Utilização Actual

Comercial e turística: casa de turismo

Propriedade

Privada: pessoa singular

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 18 - época provável de construção do solar, pela famíla Pessanha, segundo a tradição descendendo do almirante Pessanha, tendo-se mantido até hoje na posse da família;; séc. 20 - construção de vários corpos da casa; adaptação a agro-turismo; 1994, 31 maio - despacho de abertura do processo de classificação; 2013, 30 agosto - publicação da abertura de novo procedimento de classificação do edifício em Anúncio n.º 285/2013, DR, 2.ª série, n.º 167.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Estrutura de alvenaria de xisto, rebocada e pintada ou aparente; pilastras, frisos e cornijas, molduras dos vãos, pináculos e cruz em cantaria de granito; caixilharia e portas de madeira; grades em ferro; vidros simples; molduras e aba corrida em madeira; cobertura de telha.

Bibliografia

PIRES, Armando, O Concelho de Macedo de Cavaleiros, Bragança, 1963; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/156165 [consultado em 4 janeiro 2017].

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Proprietário: 1980, final da década - recuperação de edifícios anexos ao solar para Agro-turismo.

Observações

Autor e Data

Paulo Amaral e Miguel Rodrigues 1998

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login