Mosteiro de São João das Donas / Café Santa Cruz

IPA.00002394
Portugal, Coimbra, Coimbra, União das freguesias de Coimbra (Sé Nova, Santa Cruz, Almedina e São Bartolomeu)
 
Mosteiro feminino de Cónegas Regrantes de Santo Agostinho, de que subsiste a igreja, atribuída a João de Castilho, hoje descaracterizada; mantém estrutura espacial, abóbadas e vãos no 2º piso da fachada, do período manuelino. Arquitectura civil pública revivalista da frontaria, arquitectura coimbrã de final de novecentos.
Número IPA Antigo: PT020603170021
 
Registo visualizado 1268 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Convento / Mosteiro  Mosteiro feminino  Ordem das Cónegas Regrantes de Santo Agostinho

Descrição

Planta longitudinal, rectangular, composta por nave rectangular e capela-mor quadrangular; nave coberta por abóbada repartida em 2 tramos com arcos cruzados e terceletes curvos desenhando trifólio; capela-mor com abóbada em forma estrelada unindo os rosetões de ligação dos terceletes com as cadenas. Fachada constituída por grande arco onde se abrem 3 portas sobrepujadas por 3 janelas e no 2º registo 3 janelas, sendo as do meio geminadas. INTERIOR: pavimento sobre-elevado cerca de 1,50 m relativamente ao da Igreja de Santa Cruz; corpo da igreja com 2 capelas de cada lado de arcos semi-circulares renascentistas; arco da capela-mor semi-circular; luz filtrada por vitrais colocados sobre a entrada conferem atmosfera particular; paredes com ornamentação sóbria e despojada, em madeira exótica, 34 mesas em madeira com tampos hexagonais em mármore e cadeiras de madeira e couro.

Acessos

Praça 8 de Maio

Protecção

Categoria: MN - Monumento Nacional, Decreto nº 7 733, DG, 1ª série, n.º 206 de 11 outubro 1921 / ZEP, Portaria, DG, 2ª série, n.º 44 de 21 fevereiro 1958

Enquadramento

Urbano, adossado a S. da Igreja do Mosteiro de Santa Cruz (v. PT020603170004), no ângulo da Pç. 8 de Maio e R. das Figueirinhas. Esplanada envolvida por aqueles espaços urbanos e rua Ferreira Borges.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: mosteiro feminino

Utilização Actual

Comercial: estabelecimento de restauração

Propriedade

Pública: municipal

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Diogo de Castilho ( c. 1530 )

Cronologia

1124 - provável fundação do mosteiro, para Cónegas Regrantes de Santo Agostinho; 1527 - reforma da Regra da Ordem; 1530, cerca de - após extinção do Mosteirodas Donas, no lugar hoje ocupado pelos Paços do Concelho, a capela inicial de São João das Donas pequena e entalada entre edifícios foi reconstruída mais ampla e em posição independente, devendo-se a sua fundação à acção reformadora do Prior dos frades crúzios Frei Brás de Braga, pela necessidade de descongestionar o culto na Igreja do Mosteiro de Santa Cruz e não perturbar o silêncio dos monges; séc.16 - serve inicialmente como Igreja Paroquial da Freguesia de Santa Cruz, libertando a igreja e mosteiro adjacentes para o uso exclusivo dos monges; séc.20, início - utilizado como carpintaria e agência funerária; 1919 - Arrendado como café restaurante; séc.20, décadas seguintes - Café centro de tertúlia desportiva afecta ao União de Coimbra em contraposição ao Café Arcádia na R. Ferreira Borges junto à Portagem, ponto de encontro dos teóricos da Académica; Café de Santa Cruz é o café dos futricas e o da Arcádia o dos Doutores; 1974 - 1985 - Alexandre Marques explora sózinho o Café, hoje com mais 2 sócios; a clientela é variada, com predomínio para estudantes sobretudo femininas *1; o piso encontra-se cerca de 1,50 m acima do pavimento da Igreja de Santa Cruz; séc.20, últimos anos - Café muito procurado para iniciativas culturais: lançamento de livros, espectáculos variados - passagem de modelos, concertos musicais, ballet, teatro; 2000, Maio - aprovado condicionalmente por despacho superior de 17 Maio 2000, o projecto de reabilitação do Café Santa Cruz.

Dados Técnicos

Estrutura mista.

Materiais

Pedra; madeira; vidro; telha.

Bibliografia

BORGES; Nelson Correia, Coimbra e Região, Lisboa, 1987; CORREIA, Virgílio, GONÇALVES, Nogueira, Inventário Artístico da Cidade de Coimbra, Lisboa 1947; MARINHO, António, Uma Glória de Coimbra, Jornal Expresso, 26 Junho 1999, p.15; http://www.patrimoniocultural.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/69812 [consultado em 12 agosto 2016].

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID

Intervenção Realizada

1921 - construção da fachada; reconstrução do pavimento; refechamento das juntas; limpeza das cantarias da abóbada; 1964 - limpeza da fachada; 1976 - beneficiação de cantarias; caiação de paramentos.

Observações

*1 - Aberto das 8.00 horas às 2.00 horas, excepto aos Domingos.

Autor e Data

Horácio Bonifácio 1991 / Teresa Furtado 1999

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login