Capela de Santa Ana do Pinhal

IPA.00023482
Portugal, Leiria, Óbidos, Santa Maria, São Pedro e Sobral da Lagoa
 
Arquitectura religiosa,barroca, rococó, neoclássica. Capela de planta longitudinal, de uma nave e capela-mor mais estreita e baixa. Coberturas diferenciadas em telhados de duas e uma águas. Fachadas rebocadas e caiadas de branco vom embasamento definido por barras negras.Interior com tecto em caixotões, de três planos; coro alto com balaustrada em madeira policromada; capela-mor com falsa abóbada de berço, em esteira, decorada com motivos vegetalistas e fecho com cartela epigrafada. Paredes da nave e capela-mor com silhares de azulejos historiados sobre a vida de Santa Ana.
Número IPA Antigo: PT031012050056
 
Registo visualizado 188 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Capela / Ermida  

Descrição

Planta longitudinal orientada a O., composta por nave única, capela-mor mais estreita e baixa, com coberturas a duas águas e sacristia adossada a S., com cobertura a uma água continuando a da capela-mor. Massa simples disposta horizontalmente; estrutura de alvenaria rebocada e caiada de branco com barras negras (cal negra também designada por fumo). A fachada apresenta um pórtico de acesso, sobre esta um óculo redondo. A empena é guarnecida com beiral de telha mourisca e rematada no vértice por uma cruz em pedra. Na fachada existe uma porta de acesso ao interior da capela e, junto a esta, uma outra de acesso à sacristia. A sineira é de cantaria, com eventual desenho de seguidores locais de Rodrigo Franco, arquitecto do Santuário do Senhor Jesus da Pedra. Esta sineira, com apenas um sino, assenta na parede da sacristia voltada a E., sensivelmente na intercepção com a parede da fachada lateral S. da capela. Os beirais são em telha mourisca assentando directamente sobre a parede. A fachada voltada a N., na zona da capela-mor apresenta uma fresta, bem como na parede que lhe está oposta na sacristia. INTERIOR: compõe-se de nave única com tecto de três planos distribuído em nove painéis em madeira decorada; capela-mor separada da nave por arco triunfal de volta perfeita. À entrada do templo, ao lado direito, encontra-se uma pia de água benta e ao lado esquerdo o acesso ao coro. O coro é em madeira policromada, incluindo a balaustrada e o tecto do sub coro. Toda a nave e capela-mor apresentam um lambrim de azulejos historiados, policromos, da fábrica do Juncal (c. 1770-80), reportando-se a vários passos da Vida de Santa Ana. Os diversos painéis do lambrim são rematados com uma cruz perfazendo a Via-sacra. Ao lado do Evangelho existe um púlpito acedido através da sacristia. A decoração do templo é rococó. Ladeando o arco da capela-mor estão duas edículas destinadas às imagens de N. S. de Fátima e N. S. da Conceição (ambas da segunda metade do século 20). O tecto da capela-mor é de abóbada de berço, em madeira, profusamente decorada com motivos vegetalistas e uma "pedra" de armas central legendada. O retábulo da capela-mor é em madeira entalhada, dourada e policromada imitando mármores. O retábulo é neoclassicista, de pendor fortemente arquitectónico. A tribuna do altar, onde se encontra a imagem da padroeira, é um nicho côncavo, rematado por uma moldura, instalada entre duas pilastras e, sobre este conjunto, assenta um frontão. Ladeando o conjunto central existem duas edículas com as imagens da Virgem com o Menino e São José com o Menino. Todas as imagens da capela-mor são coevas à decoração da capela (c. 1770-80). Não revela a existência de sacrário. Da capela-mor acede-se à sacristia. Nesta destaca-se apenas um lavabo de pedra e o acesso ao púlpito.

Acessos

Lug. do Pinhal; R. Josefa de Óbidos, R. da Pedaga, Lg. da Santa Ana

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado, implantação destacada, entre 3 ruas, frontispício voltado a um pequeno largo. Centro urbano da localidade de Pinhal (1,5 Km a SO. de Óbidos), acesso pela estrada municipal. Ergue-se num adro que corre em todo o redor da capela. O adro é murado e acede-se por três aberturas, a mais importante de todas com um lanço de 9 degraus em cantarias antigas e muito irregulares.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: capela

Utilização Actual

Religiosa: capela

Propriedade

Privada: Igreja Católica

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido

Cronologia

1770 / 1780 - período provável da construção da capela; data dos azulejos, provenientes da Fábrica do Juncal, e dos elementos decorativos existentes na capela.

Dados Técnicos

Paredes autoportantes

Materiais

Estrutura de alvenaria e cantaria, pavimentos em tijoleira e madeira, azulejos, rebocos a cal, cobertura em madeira e telha.

Bibliografia

SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Leiria, Lisboa, 1955

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGEMN: DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

O Pinhal pertencia a uma coutada régia desaparecida com a reforma administrativa liberal do século XIX. Embora pareça ter tido habitação desde há vários séculos (séc. 16 ou 17), é no séc. 18 e 19 que se desenvolve.

Autor e Data

Sérgio Gorjão 2004

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login