Pelourinho de Feira / Pelourinho de Lanheses

IPA.00002231
Portugal, Viana do Castelo, Viana do Castelo, Lanheses
 
Pelourinho setecentista, de tipo bola bola, erguido na sequência da povoação ser elevada a vila, possuindo muitas semelhanças com pelourinhos contemporâneos. É formado por soco quadrangular de três degraus, de onde evolui a base paralelepipédica, coluna toscana e o remate em esfera.
Número IPA Antigo: PT011609150010
 
Registo visualizado 1029 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição régia  Tipo bola

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco quadrangular de quatro degraus escalonados, onde assenta base paralelepipédica com ressalvos, coluna cilíndrica lisa, encimada por moldura circular e capitel liso. Remate de bola sobre tronco de pirâmide de faces ligeiramente côncavas.

Acessos

Lanheses, Largo Coronel Gaspar de Castro

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, isolado. Implanta-se presentemente à entrada da Quinta do Paço, situada no fim do Largo Coronel Gaspar de Castro, na povoação de Lanheses, e sendo envolvido por árvores e flores.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia Local, Artº 3º, Dec. 23 122 de 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1793 - construído à entrada do Largo da Feira na sequência da elevação da povoação a vila; 1855, 14 Outubro - extinção do concelho; séc. 20, início - ficava-lhe fronteiro estabelecimento e casa de David Brás Dantas da Rocha, que vivia descontente com a localização do imóvel, e o velho edifício que fora a cadeia civil; 1910 - após proclamação da República, foi dado ao largo ( espaço concedido pelo Visconde de Lanheses ) o nome de um Coronel Republicano, provocando assim alguns conflitos e a deslocação do pelourinho para a Quinta do Paço, propriedade do Visconde.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

CHAVES, Luís, Os Pelourinhos, Lisboa, 1938; CRESPO, Jorge, Pelourinhos. Cruzeiros. Forcas. in Cadernos Vianenses, vol. 6, Viana do Castelo, 1981, pp. 97 - 112; FELGUEIRAS, Guilherme, Os Pelourinhos de Viana do Castelo in Cadernos Vianenses, vol. 4, Viana do Castelo, 1980, pp. 188 - 195; MAGALHÃES, F. Perfeito, SALEMA, Vasco da Costa, Pelourinhos Portugueses, s.l., 1991; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito de Viana do Castelo, Viseu, 2001.

Documentação Gráfica

DGPC: DGEMN:DSID

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN:DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Paula Noé 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login