Pelourinho de Ponte de Lima

IPA.00002229
Portugal, Viana do Castelo, Ponte de Lima, Arca e Ponte de Lima
 
Arquitectura comemorativa, do séc. 20. Pelourinho de pinha piramidal embolada, com soco circular de três degraus, e fuste cilíndrico e capitel com elemento heráldico. Remate em pináculo e elementos heráldicos. Pelourinho reconstruído várias vezes, tendo sido feito um de novo no séc. 20. Trata-se de um pelourinho recente, podendo mesmo ser considerado mais uma construção de raiz do que uma reconstrução do antigo pelourinho da vila de Ponte de Lima, cujas peças se dispersaram, perderam ou se conservam noutros locais, como é o caso do antigo escudo, ainda hoje afixado na fonte de São João. Possui, no capitel, as armas e coroa de Portugal. Possui remate com volutas e esfera armilar e cruz de Cristo.
Número IPA Antigo: PT011607350004
 
Registo visualizado 530 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Comemorativo  Memória de pelourinho    

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco de três degraus circulares escalonados, onde assenta base cilíndrica lisa e coluna também lisa; capitel cilíndrico alto e com um lado chanfrado onde se adossam as armas de Portugal encimadas por coroa fechada por um mundo rematado por cruz grega. Coroamento por quatro volutas adossadas a uma pirâmide e encimadas por esfera armilar e Cruz da Ordem de Cristo.

Acessos

Ponte de Lima, Rua da Fonte da Vila, Praça da República. WGS84 (graus decimais) lat.: 41,767677; long.: -8,583215

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, isolado, implantação destacada. Ergue-se num largo ajardinado em frente dos Paços do Concelho com acesso por escada, por ter uma cota mais elevada que a rua.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Comemorativa: memória de pelourinho

Utilização Actual

Comemorativa: memória de pelourinho

Propriedade

Pública:estatal

Afectação

Autarquia Local, Artº 3º, Dec. 23 122 de 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1125 - concessão de foral por D. Teresa, que a mandou povoar; 1444 - chamado picota por D. Afonso V que, por carta, manda que ali fossem expostos as regateiras e padeiras que deixassem de ter à venda o pão ou que roubassem no peso; séc. 16 - substituido por outro; implantava-se no areal do rio Lima, fora dos muros da vila, frente à Porta do Postigo, que ficava a par da torre de São Paulo, sendo por vezes derrubado devido às fortes cheias; 1594 - tinha corrente e pescoceira ou coleira; séc. 17 - era cabeça de Comarca, tendo sido mudada por Viana; 1706 - tem 700 vizinhos; tem um juiz de fora, 3 vereadores e um procurador, eleitos pela população e com cargo trienal, com a eleição presidida pelo Corregedor de Viana; tem escrivão da câmara e juiz e escrivão dos órfãos; os oficiais anteriores são nomeados pelo Visconde de Ponte de Lima; tem 6 tabeliães, meirinho, distribuidor e inquiridor, nomeados pelo rei; 1754 - derrubado devido a cheia; 1755, 04 Janeiro - mandado restaurar pela Câmara; 1758 - segundo as Memórias Paroquiais, a freguesia era dos Marqueses de Ponte de Lima, comarca de Viana e a sua câmara era presidida por um juiz de fora; o povo dentro da vila era composto por 700 fogos e 2200 almas; 1818 - colocação das armas reais de então no topo do fuste; 1836 - Camarista José Joaquim Lobes arranca as correntes e lança-as no rio; 1857 - ao se alargar o passeio de D. Fernando, a Câmara apeou-o para transferi-lo para a Praça da Rainha, mas os vários elementos acabaram por dispersar-se: a base e as pedras da plataforma foram utilizadas no passeio; o fuste numa hospedaria, junto ao rio, o capitel no pátio interior do Asilo D. Maria Pia, o escudo na ponte do largo de São João e a esfera armilar perdeu-se, depois de ter estado muito tempo na Câmara; 1936 - construção da actual estrutura.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito; cruz e esfera de ferro.

Bibliografia

AURORA, Conde d', Roteiro da Ribeira Lima, Porto, 1959; CAPELA, José Viriato, As freguesias do distrito de Viana do Castelo nas Memórias Paroquiais de 1758, Braga, Casa Museu de Monção / Universidade do Minho, 2005; CARDOSO, Nuno Catarino, Pelourinhos do Minho e Douro, Lisboa, 1935; CHAVES, Luís, Pelourinhos do Distrito de Viana do Castelo, Viana do Castelo, 1934; CRESPO, José, Pelourinhos. Cruzeiros. Forcas, in Cadernos Vianenses, vol. 6, Viana do Castelo, 1981; LEMOS, Miguel Roque dos Reys, Anais Municipais de Ponte de Lima, Braga, 1977; IDEM, Apontamentos para as Memórias das Antiguidades de Ponte de Lima, 1873; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; O Pelourinho de Ponte de Lima in Diário de Notícias, Lisboa, 25 Outubro 1978; O pelourinho de Ponte de Lima in Diário de Notícias, Lisboa, 20 Janeiro 1979; REIS, António P. de Matos dos, Itenerários de Ponte de Lima, Ponte de Lima, 1973; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito de Viana do Castelo, Viseu, 2001.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Nada a assinalar.

Observações

Autor e Data

Paula Noé 1992

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login