Ponte Pênsil sobre o rio Douro

IPA.00000219
Portugal, Porto, Porto, União das freguesias de Cedofeita, Santo Ildefonso, Sé, Miragaia, São Nicolau e Vitória
 
Ponte pênsil em ferro, de construção oitocentista, a primeira ponte metálica sobre o rio Douro e construída por empresas estrangeiras, de que subsistem apenas os pilares de suporte numa das margens, tronco-piramidais, entre os quais se incorpora pano de muro, com varanda de sacada ao nível do segundo registo.
Número IPA Antigo: PT011312140056
 
Registo visualizado 1073 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Transportes  Ponte / Viaduto  Ponte pedonal / rodoviária  Tipo pênsil

Descrição

Da ponte pênsil subsistem apenas os pilares da margem N. do rio, tronco-piramidais, em aparelho isódomo, com 18 m de altura, rematados por cornija moldurada decorada inferiormente por denticulado e coroados por esferas de cobre sobre base quadrangular escalonada. Nas faces S., voltadas ao rio, sob a cornija, rasgam-se pequenos vãos retangulares jacentes, por onde passavam os cabos que se apoiavam na parte central das torres e que suportavam o tabuleiro da ponte. Entre os pilares, ligando-os, existe pano de muro correspondente à fachada da antiga casa da guarda, rematada em platibanda. Apresenta dois registos rasgados por vãos de verga reta, sendo os do segundo registo de sacada corrida, protegida por guarda em ferro. Na parte posterior deste, ligado por passadiço, servindo de miradouro, existe pilar-encontro de planta oval, em cantaria, com guarda também em cantaria, e com acesso pelos vãos térreos, através de escadaria e por escada que se desenvolve lateralmente ao pilar O..

Acessos

Sé, Cais da Ribeira

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 28/82, DR, 1ª série, n.º 47 de 26 fevereiro 1982 (pilares de sustentação) *1

Enquadramento

Urbano, isolado, implantado em socalco, na margem N. do Rio Douro, imediatamente a jusante da Ponte D. Luís I (v. IPA.00005548). Na proximidade, ergue-se o Elevador dos Guindais.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Transportes: ponte

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 19

Arquitecto / Construtor / Autor

EMPRESA: Claranges Lucotte & Cª (1837). ENGENHEIROS: Estanislau Bigot (1841); José Victorino Damásio (1841); Lucotte (1841); Mellet (1841).

Cronologia

1835, cerca - anúncio da construção de uma ponte, com carácter definitivo, sobre o rio Douro; 1837 - assinatura de contrato entre o Estado e a empresa Claranges Lucotte & Cª. para a construção da estrada Lisboa - Porto, incluindo a nova Ponte Pênsil sobre o rio Douro; 1841, 05 abril - início das obras de construção da ponte pênsil pelo engenheiro francês Lucotte, com projecto dos engenheiros, também franceses, Estanislau Bigot e Mellet, e fiscalizadas pelo engenheiro português José Victorino Damásio; 1842, finais - conclusão da construção da ponte pênsil, oficialmente denominada de Ponte D. Maria II *2; 1843, 17 fevereiro - abertura do trânsito na ponte, na eminência da grande cheia que provoca o levantamento súbito da Ponte das Barcas; 1881 - 1882 - segundo Maria do Rosário França Martins, dá-se a desmontagem da ponte pênsil devido ao início da construção da Ponte D. Luís; 1886 - inauguração da ponte de D. Luís; 1887 - segundo Maria Clementina de Carvalho Quaresma, procede-se à desativação e desmontagem da ponte pênsil sobre o rio Douro.

Dados Técnicos

Estrutura autónoma.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito; guarda da sacada em ferro; esferas de remate dos pilares em bronze.

Bibliografia

AAVV - Porto a Património Mundial. Porto: 1993; LOPES, Flávio (coordenador) - Património Arquitectónico e Arqueológico. IPPAR, 1993; MARTINS, Maria do Rosário França, TORRES, Maria Teresa Pinheiro, FREIRE, Paula Cristina Martins Freire - Pontes Metálicas Rodoviárias. s.l.: 1998; PACHECO, Hélder - O Porto. Lisboa: 1984; QUARESMA, Maria Clementina de Carvalho - Inventário Artístico de Portugal: Cidade do Porto. Lisboa: 1995.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN:DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

*1 - DOF: 2 Pilares que sustentavam a Ponte Pênsil. *2 - Apesar da denominação oficial de Ponte D. Maria II, a ponte ficou conhecida como Ponte Pênsil, por estar suspensa de oito grossas correntes, feitas de fios de arame de ferro, queimado, e coberto de uma espessa crosta de verniz que o preservava da corrosão. A ponte elevava-se a 10 m de altura sobre o rio, tinha de comprimento 170,14 m e de largura 6 m, com passeios laterais, cada um deles com 1 m de largura. O tabuleiro era sustentado por quatro pilares de granito, dois em cada uma das margens, tendo os da margem S., em Vila Nova de Gaia, sido apeados e desconhecendo-se o seu destino. Entre os pilares, nas duas margens, estava incorporada uma casa de dois pisos, abrindo o inferior diretamente para a ponte por três portas, e o superior para uma varanda com balaustrada de ferro fundido. Na casa da margem do Porto, o nível inferior serviu de quartel da guarda militar. Estas casas, além de contraventarem as torres, contribuíam também para a estabilidade das escarpas marginais no local das ancoragens.

Autor e Data

Isabel Sereno e Miguel Leão 1994 / Patrícia Costa 2005

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login