Igreja da Santa Casa da Misericórdia do Montijo

IPA.00002148
Portugal, Setúbal, Montijo, União das freguesias de Montijo e Afonsoeiro
 
Arquitectura religiosa, maneirista. Capela da Misericórdia, com disposição funcional idêntica à da maioria das capelas paroquiais: nave única e capela-mor mais baixa e estreita, ambas com abóbada em estuque, coro-alto e púlpito; ao contrário destas não mostra torre sineira na fachada principal, tendo apenas uma pequena sineira sobre a sacristia. Sem a característica divisão espacial das igrejas da Misericórdia (altar-mor sobre plataforma elevada integrado no espaço único da nave) não apresenta hoje vestígios de sala da irmandade, que provavelmente se situaria do lado S., em anexos demolidos em inícios do séc. 20.
Número IPA Antigo: PT031507020002
 
Registo visualizado 395 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja de Confraria / Irmandade  Misericórdia

Descrição

Planta longitudinal composta pelos rectângulos justapostos da nave e da capela-mor, a que se adossam a sacristia e uma capela lateral, a N. e a S.. Volumes escalonados com cobertura em telhado de 2 e 1 águas sobre a igreja e anexos. Fachada principal rematada por empena triangular, rasgada por portal de vão rectangular, com pilastras toscanas nas jambas e frontão triangular e por janelão de molduras lisas. Pequena sineira sobre a sacristia, na junção entre a nave e a capela-mor. No INTERIOR a nave única, coberta por abóbada rebaixada, abre para a capela-mor por arco triunfal em arco pleno; esta, mais baixa e estreita, é coberta por abóbada de berço. coro-alto em madeira sobre arcos rebaixados; púlpito com guarda-voz adossado à parede do lado N.; capela lateral do lado S. dedicada ao Senhor dos Passos.

Acessos

Praça 1º de Maio

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 45/93, DR, 1.ª série-B, n.º 280 de 30 novembro 1993

Enquadramento

Urbano. Integrada na malha urbana do Montijo, num largo formado na confluência de várias ruas, está adossada a um edifício de 2 andares do lado N., separada do Hospital Distrital do Montijo, a S., pelo terreiro contíguo.

Descrição Complementar

Paredes do subcoro e da nave revestidas até 2/3 da altura por azulejos de padronagem seiscentista em azul, branco e amarelo; pequeno registo representando S. João Baptista do lado S., no lugar de antiga porta; na fachada principal, sobre o janelão, um registo polícromo figurando o Santíssimo Sacramento, com uma inscrição: Louvado seja o santisimo sacramento na era de 1677. Abóbada da nave estucada e pintada com as armas nacionais; abóbada da capela-mor estucada com os emblemas da paixão de Cristo. Retábulos no altar-mor, nos dois altares colaterais e na capela lateral. 2 bancos corridos com espaldar (para a irmandade) encontram-se na nave, encostados às paredes.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja de confraria / irmandade

Utilização Actual

Devoluto

Propriedade

Privada: Misericórdia

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 16 / 17

Arquitecto / Construtor / Autor

PEDREIRO: Fernão Fidalgo (1568); Manuel Filipe (1604).

Cronologia

1568 - contrato realizado com o mestre das obras de pedraria, Fernão Fidalgo; 1571 - carta régia autorizando o começo das obras, que terão lugar em terrenos doados por Nuno Álvares Pereira, primeiro provedor, cuja campa se encontra junto ao altar-mor; 1604 - contrato realizado com Manuel Filipe, mestre de obras de Setúbal, para a execução do púlpito e do portal; 1621 - doações de D. Antónia da Silva permitem a conclusão da obra; 1677 - data inscrita no registo de azulejos da fachada; 1808, 1 fevereiro - decreto de Junot determinando que todo o ouro e prata de todas as igrejas, capelas e confrarias da cidade de Lisboa e seu termo deviam ser conduzidos à Casa da Moeda; 8 março - entrega à Casa da Moeda pelo escrivão e tesoureiro da Misericórdia de 26 marcos e 2 onças de prata de várias peças pertencentes à igreja.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Alvenaria rebocada em estruturas; cantaria em cunhais e molduras; mármore em molduras e no púlpito; tijoleira em pavimentos; telha cerâmica, madeira, azulejo, vidro.

Bibliografia

GRAÇA, Luís - Edifícios e Monumentos Notáveis do Concelho do Montijo. Montijo: 1989; MARQUES, Luís - Tradições religiosas entre o Tejo e o Sado - os círios do Santuário da Atalaia. Lisboa: Assírio e Alvim, 2004; QUARESMA, J. Simões - Albergaria, Hospital, Misericórdia. Vila de Aldeia Galega do Ribatejo. Lembranças para a sua história. Montijo: 1948; RAMA, J. Sousa - Coisas da nossa Terra - breves notícias da vila de Aldeia Galega do Ribatejo. Lisboa: 1906.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Isabel Mendonça 1993

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login