Igreja Paroquial de Campanhã / Igreja de Santa Maria

IPA.00021404
Portugal, Porto, Porto, Campanhã
 
Igreja paroquial barroca de planta poligonal composta por nave única e capela-mor com torre e duas sacristias adossadas a S.; fachadas circunscritas por cunhais apilastrados, sendo a principal e posterior em empena triangular com cruzes e pináculos nos vértices; vãos de postas e janelas rectangulares, tendo na fachada principal portal encimado por óculo circular com ornamentação vegetalista, e ladeado por pequenos óculos quadrilobados, encimados por janelas rematadas por frontões curvos, tendo a sobrepor todo o conjunto friso e frontão triangular; torre sineira de três registos, sendo o segundo aberto por sineiras de volta perfeita; fachada principal e torre revestidas a azulejos decorativos azuis e brancos. Paredes interiores rebocadas e pintadas de branco; tecto da nave madeira com caixotões rectangulares representando cenas da vida religiosa e tecto da capela-mor em abóbada de berço, estucado, pontuado com cartelas vegetalistas. Retábulo mor de talha dourada e laterais de talha policroma branca e dourada; púlpito e órgão do lado da epístola.
Número IPA Antigo: PT011312030317
 
Registo visualizado 417 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta poligonal composta por nave, capela-mor, duas sacristias e torre sineira à direita. Volumes articulados de dominante horizontal quebrada pela verticalidade da torre; coberturas escalonadas em telhado de duas águas na nave e capela-mor, quatro águas nas sacristias e remate piramidal na torre. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, à excepção da fachada principal e torre sineira, que se apresentam totalmente revestidas a azulejos decorativos azuis e brancos, percorridas por embasamento granítico aparente, flanqueadas por cunhais apilastrados encimados por pináculos piramidais, rematadas por friso e cornija; vãos maioritariamente rectilíneos emoldurados a cantaria, sendo os da capela-mor encimados por frontão curvo. Fachada principal orientada a O., precedida por escada de três degraus e patamar, orientada a O., com empena elevada acima do telhado, rasgada ao centro por portal de verga recta enquadrado por moldura granítica encimada por friso e cornija saliente, ladeado por pequenos óculos quadrilobados, encimados por composições azulejares, apresentado do lado direito o Sagrado Coração de Jesus e do lado Esquerdo a Nossa Senhora de Campanhã. Num registo superior apresenta óculo com decoração vegetalista, ladeado por vãos de verga recta engradados, sobrepujados por frontões curvos. A rematar a fachada, frontão triangular com grinalda de flores ao centro, precedido por friso ornamentado por elementos circulares enquadrados por faixas verticais, percorrido superiormente por dentículos. Num plano ligeiramente recuado situa-se a torre sineira de composição idêntica em ambos os alçados, com três níveis de registo. O primeiro marcado por óculo quadrilobado seguido no alçado principal por pequena fresta, rematado por friso e cornija saliente, o segundo é aberto nas quatro faces por ventanas em arco de volta perfeita que albergam as sineiras, rematado em cornija que se eleva em semicírculo ao centro para dar lugar aos mostradores do relógio, no ultimo registo, a coroar os quatro ângulos, surgem pináculos em forma de urna e cobertura piramidal de remate esférico onde assenta cruz latina metálica. Possui no interior escadas de granito. Sacristia adossada à fachada S., de planta rectangular, percorrida por embasamento demarcado a cor cinza e friso granítico, fachadas enquadradas por cunhais apilastrados graníticos e rematadas por cornija e entablamento, sendo a principal coroada ao centro por frontão curvo interrompido e rasgada por seis vãos de janela e uma porta, todos de verga recta. INTERIOR rebocado e pintado de branco, com silhar de azulejo monocromático azul sobre fundo branco, tectos diferenciados em falsa abóbada, sendo o da nave mais baixo e revestido com quarenta e seis caixotões rectangulares de madeira, pintados, representando cenas da vida religiosa, e o da capela-mor estucado, pontuado por elementos decorativos vegetalistas; pavimentos de madeira. Coro alto com entrada comum à torre sineira, protegido por guarda em balaustrada de madeira; no sub-coro a anteceder o portal, guarda-vento de madeira e capela baptismal no lado da epístola, sob nicho com arco de volta perfeita, protegido por portas de ferro; pia baptismal em pedra, assente em coluna sobre plinto, com parede fundeira forrada com azulejos azuis e brancos representativos, alusivos à cena do Baptismo de Cristo. Do mesmo lado da capela baptismal, apresenta órgão de tubos em talha dourada e policromada de branco e púlpito de talha pintada a branco com motivos decorativos dourados, assente em coluna granítica e acessível por escada. Altares laterais de ambos os lados da nave, integrados em seis capelas albergando imaginária, distribuídos simetricamente lado a lado. Arco triunfal em volta perfeita, pontuado por cartelas vegetalistas e outros elementos decorativos, assente em pilastras nervuradas; capela-mor com tecto em falsa abóbada, assente em friso e cornija, com um nível de pavimento mais elevado, determinando a existência de um degrau junto do arco triunfal e três junto à mesa de celebração; retábulo mor de talha dourada, planta recta e três eixos, definidos por quatro colunas; ao centro, abre-se tribuna em arco de volta perfeita, com tela; nos eixos laterais surgem mísulas com imaginária, enquadradas por colunas; ático em espaldar curvo, decorado com motivos vegetalistas. Cruzeiro implantado em pequeno adro pavimentado, em frente à igreja, a O. da rua do Falcão, constituído por soco de um degrau, de planta quadrada, com plinto paralelepipédico onde assenta cruz latina de secção quadrangular apresentado a imagem escultórica de Cristo.

Acessos

Rua do Falcão, Rua da Igreja de Campanhã, próxima da praça da Corujeira e da Estrada da Circunvalação

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado. Implanta-se no centro do Vale de Campanhã, em terreno de acentuado declive relativamente às vias que lhe dão acesso, envolvido por adro pavimentado com calçada portuguesa, circundado por árvores de sombra e circunscrito por murete coroado por gradeamento metálico. Envolvido por habitações unifamiliares e por grandes áreas agrícolas, próximo da Estrada da Circunvalação, confina a N. com o cemitério de Campanhã, a O. com a rua do Falcão, a Sul com a residência paroquial e a E. com a rua da Igreja de Campanhã. O acesso ao monumento efectua-se pela rua do Falcão através de rampa e escadaria fronteira à fachada principal, que denuncia o declive do terreno, e pela rua da Senhora de Campanhã igualmente através de escadaria. Em frente à igreja, do outro lado da via pública, implantado em pequeno adro pavimentado, encontra-se o cruzeiro do Senhor de Campanhã.

Descrição Complementar

Retábulos laterais de talha pintada de branco, decorada com elementos vegetalistas dourados, de planta recta, e um só eixo definido por par de colunas. Retábulo de Nossa Senhora do Rosário com nicho recortado, delimitado por moldura dourada, enquadrado por colunas circulares envolvidas por ramalhetes de flores com capitéis fitomórficos, coroadas por urnas, ático em espaldar curvo decorado por festões e acantos; retábulo de Nossa Senhora da Conceição com nicho central em arco de volta perfeita, colunas de fuste estriado, encimadas por urnas, decoração vegetalista e geométrica a dourado sobre fundo branco, remate triangular circunscrito por friso denticulado; retábulo de Santa Luzia pintado de branco com elementos decorativos a dourado, nicho central rematado por arco de volta perfeita, colunas laterais de fuste circular estriado e capitel fitomórfico, rematado por friso, cornija e ático curvo com resplendor ao centro, ladeado por urnas; retábulo de Santo António de composição idêntica ao retábulo de Nossa Senhora da Conceição.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese do Porto)

Afectação

Sem afectação

Época Construção

Séc. 18

Arquitecto / Construtor / Autor

ARQUITETO: José Francisco Paiva, António José Fernandes; CARPINTEIRO: José de Sousa

Cronologia

Século 12 - Existência de uma Igreja de Santa Maria de Campanhã, de localização desconhecida, cujo padroado foi cedido ao Bispo do Porto; século 14 - data atribuída à imagem da Nossa Senhora de Campanhã; 1714 - provável data de construção ou reconstrução da actual igreja; 1766 - contrato com o carpinteiro José de Sousa, para execução do tecto e coro da igreja de acordo com a planta; 1798 - contrato celebrado entre a confraria de Nossa Senhora de Campanhã e o mestre António José Fernandes, para efectuar diversas obras na igreja; 1809, Março - durante o decorrer das invasões francesas a igreja foi saqueada e danificada; 1832 / 1833 - durante o cerco do Porto sofreu a igreja numerosos danos, tendo ficado fechada durante mais de um ano; 1874 - Pinho Leal descreve a igreja como um templo vasto e muito asseado, de cantaria por fora e forrada de azulejos no interior; 1896 - data gravada no frontispício da sacristia; 1905 - a igreja é objecto de importantes obras gerais de reforma e ampliação; 1907 - é inaugurada a nova capela-mor; 1946 - data da placa comemorativa existente na nave, junto ao púlpito, do tricentenário da padroeira; 1956 - inauguração do cruzeiro fronteiro à igreja; 1961 - obras de remodelação do espaço do cruzeiro; 2004 - a cobertura já apresentava avançado estado de degradação.

Dados Técnicos

Estrutura autoportante

Materiais

Estrutura rebocada e pintada de branco; elementos estruturais, embasamentos, molduras dos vãos, pilastras, frisos, cornijas, pináculos, cruzes, frontões e escadas em cantaria de granito; portas e janelas de madeira; janelas com vidros martelados e gradeadas; silhar, fachada principal e torre revestidos a azulejos; coro alto, púlpito e escadas de acesso em madeira; retábulos em talha policromada e dourada; pavimentos e tecto da nave de madeira; tecto da capela-mor estucado e pintado de branco; coberturas de telha cerâmica.

Bibliografia

LEAL, Augusto Soares d' Azevedo Barbosa de Pinho, Portugal Antigo e Moderno, vol. 1-2, pag. 58-61, Lisboa, 1874; MEIRELES, Miguel Ferreira e RODRIGUES, Agostinho B. Vieira, Campanhã: Estudos Monográficos, Porto, Ed. Câmara Municipal do Porto e Junta de Freguesia de Campanhã, 1991; RIBEIRO, Susana e AMARAL, Rui Amaral - Roteiro do Vale de Campanhã, Fundação para o Desenvolvimento do Vale de Campanhã, Porto, 1999; A Via-sacra do Património, in O Primeiro de Janeiro, 6 de Fevereiro 2004; p. 9; SILVA, Marlene, Painéis Setecentistas da Igreja Matriz desfazem-se em pó, in O Comércio do Porto, 8 de Setembro 2004, p. 8; www.j-f.org/monografia/página40.htm

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Ana Filipe 2008

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login