Pelourinho do Prado

IPA.00000212
Portugal, Braga, Vila Verde, Vila de Prado
 
Arquitectura político-administrativa e judicial, quinhentista. Pelourinho de bloco prismático, com soco quadrangular de dois degraus, fuste cilíndrico e com remate prismático, ostentando elementos heráldicos, e encimado por cones coroados por semi-esferas. O pelourinho possuio coluna de fuste cilíndrico, de inspiração toscana, onde assenta capitel ornado por elementos fitomórficos. No remate, surgem as armas nacionais, a esfera armilar e as armas dos donatários da vila, os Sousa.
Número IPA Antigo: PT010313420004
 
Registo visualizado 258 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição senhorial  Tipo bloco

Descrição

Estrutura em cantaria de granito, composta por soco quadrangular de dois degraus, onde assenta base circular com coluna de fuste liso, de secção circular. Capitel com decoração fitomórfica, encimado por ábaco escalonado. Remate prismático, quadrangular, possuindo nas faces as armas reais, a esfera armilar, as dos Sousas, e as do Prado. É encimado por cornija, com cone central coroado por semi-esfera encimada por cruz de ferro e nos ângulos, pequenos cones idênticos ao central.

Acessos

Lugar da Ponte, no Largo Conselheiro Sousa Lima. WGS84 (graus decimais) lat.: 41.597202; long.: -8.463846

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto nº 23 122, DG, 1ª Série, nº 231 de 11 outubro 1933

Enquadramento

Urbano, isolado, implantado em largo calcetado e ajardinado. Na proximidade a Ponte do Prado (v. PT010313420001), sobre o rio Cávado.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1260 - D. Afonso III concede foral à vila; séc. 14 - a povoação pertence a Fernão Soares de Albergaria; 1510 - D. Manuel concede novo foral a Pico de Regalados, abrangendo a Vila da Ponte do Prado; construção do pelourinho; séc. 16, final - concessão do título de Conde do Prado a D. Pedro de Sousa; 1706 - segundo Carvalho da Cosra, a povoação com 100 vizinhos, é pertença do Conde do Prado, D. António Luís de Sousa, que nomeia 2 juízes ordinários, 3 vereadores, um procurador, meirinho, que serve de carcereiro, escrivão da câmara, escrivão da almotaçaria, 4 tabeliães, meirinho do Ouvidor, juiz dos órfãos e respectivo escrivão; o rei nomeia o escrivão das sizas; 1855, 24 Outubro - extinção do concelho; o pelourinho é vendido em hasta pública *1; 1911 - a Câmata Municipal de Vila Verde deliberou a mudança do pelourinho para o Campo do Dr. Lima *2; 1960 - transferência para o Largo Comendador Sousa Lima.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito; cruz de ferro.

Bibliografia

ALMEIDA, José António Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, Selecções do Reader's Digest, 1980; COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza, vol. I, Lisboa, Valentim da Costa Deslandes, 1706; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; SOUSA, Júlio Rocha e, Pelourinhos do Distrito de Braga, Viseu, 2000.

Documentação Gráfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

IHRU: DGEMN/DSID; CMVV: 12. 2 / 88; IPPAR: - 87 / 15 - 13 (1)

Intervenção Realizada

CMVV: 1911 - desmontagem e reconstrução no Campo do Dr. Lima; 1960 - desmontagem e reedificação no local onde se encontra hoje.

Observações

*1 - as peças foram dispersas por vários compradores, com excepção da cúpula do mesmo, que foi colocada sobre uma base de pedra no local onde, até aquela data, existiram o tribunal e a cadeia do concelho, na antiga Rua Direita; *2 - o Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde deliberou, em sessão camarária, a mudança do pelourinho para o Campo do Dr. Lima, o maior largo da freguesia, onde se realizava a feira anual de São Sebastião; para se reunirem as peças dispersas do pelourinho e se efectuar a sua reedificação, foi nomeada uma comissão, que obteve da Casa da Botica (v. PT010313420009) o fuste e a pedra necessária, além de dívidas públicas de valor avultado, tendo sido resolvido, como agradecimento, montar o pelourinho fronteiro à referida casa.

Autor e Data

Isabel Sereno e João Santos 1994

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login