Capela de Nossa Senhora das Necessidades

IPA.00020750
Portugal, Leiria, Leiria, Regueira de Pontes
 
Arquitetura religiosa, setecentista. Capela de planta rectangular, longitudinal, composta pela articulação de vários corpos. Fachada principal, contracurvada, datável do período de finais do séc. 18. Interior de nave única, coro alto assente em três arcos, com guarda em balaustrada, púlpito com guarda igual à do coro alto, assente em consola; capela mor separada da nave por 2 degraus e arco triunfal pleno ladeado por dois altares colaterais dispostos em ângulo; altar-mor com retábulo, ocupando toda a parede testeira, de talha policromada de branco, azul, cor de rosa e pormenores dourados, de planta recta de 1 eixo e perfil contracurvado, definido por duas colunas coríntias de fuste estriado com um terço inferior marcado, assentes sobre plintos galbados, sobre as quais se elevam fragmentos de frontão; remate em espaldar recortado decorado, tendo ao centro um resplendor, tribuna com trono de três degraus e fundo pintado de azul, surgindo, lateralmente, mísulas com imaginária. As coberturas são em falsa abóbada de berço com decoração em estuques e alguns apontamentos policromos. Na sacristia encontra-se um arcaz com alçado em caixotões decorados que contornam os três lados do móvel, tendo ao centro um oratório com estrutura em pedra com nicho central delimitado por pilastras assentes em plintos decorados com a representação de dois apóstolos e encimadas por vasos; remate em entablamento com arquitrave decorada com caras de anjinhos sobreposta por friso denticulado e cornija suportando frontão com a figura do padre eterno; lavabo em cantaria, com espaldar delimitado por pilastras, rematado por cornija que suporta pináculos e ao centro cruz sobre plinto volutado; a taça rectangular assenta sobre mísula; ao centro do espaldar uma bica.
Número IPA Antigo: PT021009210127
 
Registo visualizado 60 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Capela / Ermida  

Descrição

Planta longitudinal composta por nave, capela-mor mais baixa e estreita, torre sineira adossada ao lado esquerdo, no enfiamento da fachada principal, e sacristia rectangular; adossado à direita capela lateral, rectangular; volumes articulados, de disposição horizontal, tendência quebrada pelo verticalismo da torre, com coberturas diferenciadas em telhados de duas águas na nave, capela-mor, capela lateral e na sacristia de 2 águas e aba corrida na fachada adossada à capela-mor; remates em empena e cornija e cornija e beiral sendo triplo em algumas fachadas; torre sineira com corochéu piramidal de alvenaria rebocada e pintada de branco. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, percorridas por embasamento pintado de cinzento. Fachada principal voltada a E., em empena recortada com cruz latina no vértice e pequena sineira sobre o cunhal direito, é rasgada por portal de verga curva, assente em impostas salientes, encimado por janelão de moldura em arco perfeito. No lado esquerdo, torre sineira delimitada por cunhais apilastrados, sobre os quais se erguem pináculos; de dois registos divididos por friso e cornija, é rasgada, na face principal do primeiro registo, por pequeno óculo circular e sob ele uma placa com a inscrição da data da sua construção; restantes faces cegas; o registo superior é rasgado por quatro ventanas de volta perfeita molduradas. Fachada lateral direita virada a N., marcada pela capela lateral, é rasgada por vãos moldurados, no primeiro correspondente a portal de verga recta, encimado por janela de verga curva, ritmo que se repete em todas as fachadas. Fachada lateral esquerda virada a S., marcada pelo corpo da sacristia fenestrações iguais à fachada anterior, portal recatangular e janelas de moldura curva , repetindo-se na capela-mor. Fachada posterior cega com remate em empena. INTERIOR rebocado e pintado de branco, percorrido por azulejo de padrão polícromo, formando silhar, nave com cobertura em falsa abóbada contornada por decoração em estuque, pintada de azul; pavimento em madeira. Coro-alto de madeira com guarda em balaustrada de balaústre pintados de azul, assente em três arcos de alvenaria, formando um endonártex; o acesso faz-se por dois lanços de escadas no lado do Evangelho, integradas numa estrutura de madeira. A meio da nave, do lado do Evangelho um púlpito quadrangular, assente em consola, com guarda em balaústre de madeira pintada de azul e branco, tendo acesso por pequena porta de verga recta moldurada, através da sacristia. No lado da Epístola, amplo arco dá acesso a uma capela com cobertura tripartida e pavimento em tijoleira. Arco triunfal de volta perfeita assente em pilastras, é ladeado por retábulos de talha policromada, dispostos em ângulo; do lado do Evangelho retábulo de talha policromada de branco, azul, rosa e dourado, de planta recta e um eixo, com nicho central de perfil contracurvado, flanqueado por duas mísulas com imaginária e colunas coríntias assentes em plintos galbados; remate em friso e arranque de cornija contracurvada, com espaldar recortado decorado, ostentando na zona central um resplendor; altar em urna; o retábulo do lado da Epístola é igual ao anterior. Elevada por um degrau surge a capela-mor, com cobertura semelhante à da nave de maior decoração, em estuque, e pavimento em pedra. Sobre supedâneo com dois degraus centrais, o altar-mor com retábulo, ocupando toda a parede testeira, de talha policromada de branco, azul, cor de rosa e pormenores dourados, de planta recta de 1 eixo e perfil contracurvado, definido por duas colunas coríntias de fuste estriado com um terço inferior marcado, assentes sobre plintos galbados, sobre as quais se elevam fragmentos de frontão; remate em espaldar recortado decorado, tendo ao centro um resplendor, tribuna com trono de três degraus e fundo pintado de azul, surgindo, lateralmente, mísulas com imaginária; cobertura do retábulo em falsa abóbada pintada de azul imitando o firmamento e ao centro medalhão em estuque; altar paralelepipédico, com frontal, sobre o qual surge o sacrário No lado do Evangelho, porta de verga recta acede à sacristia, rebocada e pintada de branco, com cobertura em tecto de madeira e pavimento cerâmico; na parede direita sobre estrado em madeira um arcaz com alçado em caixotões decorados que contornam os três lados do móvel, tendo ao centro um oratório com estrutura em pedra com nicho central delimitado por pilastras assentes em plintos decorados com a representação de dois apóstolos e encimadas por vasos; remate em entablamento com arquitrave decorada com caras de anjinhos sobreposta por friso denticulado e cornija suportando frontão com a figura do padre eterno; lavabo em cantaria, com espaldar delimitado por pilastras, rematado por cornija que suporta pináculos e ao centro cruz sobre plinto volutado; a taça rectangular assenta sobre mísula; ao centro do espaldar uma bica.

Acessos

Lugar de Chãs

Protecção

Inexistente

Enquadramento

Urbano, isolado. Ergue-se em amplo largo, circundado por habitações incaracterísticas. O cemitério localiza-se na fachada lateral esquerda e posterior, delimitado por muro que se adossado à fachada lateral esquerda com acesso através de portão em ferro, de moldura rectangular em cantaria, rematado por frontão decorado por caveira com duas tíbias cruzadas contendo a inscrição"E TU QUE PASSAS OLHA COMO ESTOU / TU ÉS O QUE EU FUI / TU SERÁS O QUE EU SOU. / ORAIS POR NÓS / P. N. AVE M.", e subrepujado por cruz pétrea sobre acrotério.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Religiosa: capela

Utilização Actual

Religiosa: capela

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Leiria - Fátima)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 16 / 17 / 18 / 19 / 20

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 16 - data do retábulo escultórico; séc. 18 , finais - data da fachada principal; 1758 - as Memórias Paroquiais referem que a Freguesia de Regueira de Pontes se integrava no bispado de Leiria, (...) termo da vila de Leiria. Desta freguesia faz parte o lugar das Chãs que tinha duas ermidas, uma de Santa Ana (...) outra, perto do dito lugar das chãs, de Nossa Senhora das Necessidades (...) esta juntando muita gente em romagem. (...) destas duas capelas estava obrigado o povo das Chãs, delas tomava conta o Senhor Bispo; (*1); 1929 - início das obras de construção da torre; 1936 - conclusão das obras da torre conforme placa comemorativa; 1995, 04 setembro - Proposto com Valor Concelhio pelo PDM de Leiria, DR 204; 2010 - a Câmara Municipal de Leiria aprova, por deliberação tomada por maioria, a demolição da capela; 2010, 18 junho - proposta de classificação por particulares; 12 julho - Despacho de abertura do processo de classificação pelo diretor do IGESPAR; 20 outubro - publicação da abertura do processo de classificação em Anúncio n.º 9971/2010, DR, 2.ª série, n.º 204; 29 outubro - reclamação da Comissão Fabriqueira da Igreja de Regueira de Pontes; 2011, 23 fevereiro - parecer do Conselho Nacional de Cultura a propor o arquivamento do processo; 18 março - Despacho de encerramento do processo de classificação pelo diretor do IGESPAR; 03 maio - publicação do encerramento do processo de classificação em Anúncio n.º 5853/2011, DR, 2.ª série, n.º 85.

Dados Técnicos

Sistema estrutural de paredes portantes.

Materiais

Bibliografia

Câmara de Leiria aprova demolição da capela das Chãs, in Região de Leiria, 07-04-2010; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artístico de Portugal, Distrito de Leiria, Lisboa, 1945; http://ttonline.dgarq.gov.pt [consulta em 15-04-2010].

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

DGARQ/TT: Memórias Paroquiais (vol. 32, nº 110, p. 653-658, Regueira de Pontes, Leiria)

Intervenção Realizada

Observações

Autor e Data

Cecília Matias 2005 / 2010

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login