Igreja Paroquial de Amor / Igreja de São Paulo

IPA.00020728
Portugal, Leiria, Leiria, Amor
 
Arquitectura religiosa, barroca. Igreja paroquial de uma só nave, coberta por tecto simples de estuque em caixotões, uma abóbada estucada a cobrir a capela-mor, e um arco-mestre com a data de 1780. A estrutura barroquista bastante singela, onde avulta o portal, de colunas coríntias e frontão curvo, documenta um tipo regional de igrejas de Setecentos. Interiormente, possui um altar-mor em talha dourada, dois altares colaterais e dois laterais, tendo um destes últimos sido acrescentado ao altar-mor em época recente. Capela baptismal com evestimento a azulejos azuis e brancos setecentistas e um painel de azulejos azuis sobre esmalte branco, do século 18, a representar o baptismo de Cristo. A pia baptismal é em pedra calcária. O coro-alto é em madeira, assente sobre três arcos abatidos. O varandim é de balaústres de madeira, e o púlpito em pau preto. A estrutura barroca, bastante singela, desta Igreja, onde avulta o portal,de colunas coríntias e frontão curvo, documenta um tipo regional de igrejas de Setecentos.
Número IPA Antigo: PT021009010106
 
Registo visualizado 363 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Edifício  Religioso  Templo  Igreja paroquial  

Descrição

Planta longitudinal composta por nave, capela-mor mais baixa e estreita tendo a sacristia adossada à parede fundeira da capela-mor; torre sineira adossada à fachada lateral esquerda, e sacristia adossada à fachada lateral direita, ao corpo da capela-mor; volumes articulados e coberturas diferenciadas em telhados de duas águas na nave, capela-mor, sacristia e 3 águas na sacristia lateral e em cúpula bolbosa na torre, onde se destaca um catavento. Fachadas rebocadas e pintadas de branco, percorridas por embasamento de cantaria na fachada principal e corpo da torre e faixa pintada a cor cinza nas laterais, rematadas por friso, cornija e em beirada saliente nas fachadas laterais e empena simples nas posteriores, firmadas em cada um dos vértices por cruz pétrea. Fachada principal de 2 panos formados pelo corpo da nave e torre sineira, marcados por pilastras e cunhais apilastrados. Corpo da nave rematado em friso e cornija saliente encimado por frontão triangular com o tímpano decorado com laçarias, símbolos da igreja representando o orago e filactera, e sobrepujado por volutas recortadas que ladeiam acrotério com decoração vegetalista e sobre o qual se eleva cruz latina; sobre os cunhais e a ladear o frontão dois pináculos; rasgado por portal principal em arco abatido com moldura recortada e fecho com imagem de um "putti alado". A enquadrar o portal duas colunas assentes em plinto simples com capitéis coríntios que sustentam entablamento com pequenos modilhões suportando cornijas e sobrepujado por frontão curvo com tímpano preenchido por concheado e ladeado por pináculos. A ladear as colunas duas lápides com inscrições. Sobre o frontão rasga-se janelão de volta perfeita rematado por cornija místilinea saliente sobrepujada por frontão triangular e uma data incisa; a ladear este janelão dois vãos mais pequenos, decorados por pingentes e de verga curva com remate em frontão triangular. Do lado esquerdo, adossado à face, torre sineira, de dois registos, o inferior com embasamento e cunhais apilastrados, de cantaria, cego nas faces exteriores e aberto por janelão na face principal, de moldura rectangular com peito recortado e decorado por pingentes, encimado por frontão tendo do tímpano uma cartela circular; no segundo registo, uma inscrição entre a cornija e o friso sobre o qual se abrem as quatro janelas sineiras em arco de volta perfeita assente sobre impostas e fechos salientes; sobre a sineira voltada à face principal um relógio circular; remate em friso e cornija; cunhais firmados por fogaréus. Fachada lateral esquerda rasgada por três janelas rectilíneas no corpo da nave, e duas portas travessas com o mesmo perfil, uma no corpo da nave outra na sacristia. Fachada lateral direita aberta por três janelas de moldura em arco rebaixado, e uma porta travessa de moldura rectangular rematada por frontão curvo decorado no tímpano com os atributos dos Santos e sob os quais se encontram os seus nomes, S. PEDRO E S. PAULO; janela de igual moldura no corpo da capela-mor. Fachada posterior rasgada por dois janelões de molduras diferenciadas no corpo da sacristia adossado à capela-mor. INTERIOR rebocado e pintado de branco, percorrido por azulejo de padrão policromo, formando silhar, cornija saliente onde assenta cobertura de perfil curvo em estuque pintado a azul e branco, formando caixotões. Coro-alto em madeira pintada de creme e castanho, iluminado pelos três vãos já referidos, de planta recta sobre três arcos abatidos, assentes em 4 pilares, dois embebidos, sobre plintos paralelepipédicos, com guarda de madeira balaustrada. O sub-coro com dois modihões, um de cada lado, onde assenta o tecto em caixotões de madeira, apresenta pequeno guarda-vento de madeira; pias de água benta, uma do lado da Epístola e outra do Evangelho, onde se abre também uma porta de acesso ao coro e torre sineira. A nave possui, no lado do Evangelho um púlpito em madeira de pau preto, com guarda em balaústres, assente em mísula, duas capelas laterais, porta travessa de moldura rectangular e dois altares laterais, A capela baptismal elevada por um degrau do piso da nave, com acesso através de arco de volta perfeita com pilastras e arco almofadados com desenhos geométricos, assente em impostas e fecho central saliente; apresenta planta quadrangular com tecto pintado de azul com elemento decorativo central em estuque branco. Paredes rebocadas e pintadas de branco com silhar de azulejos azuis e brancos, em albarradas e com representações do baptismo de Cristo. Ao centro pia baptismal circular sobre coluna; sobre o silhar de azulejos um registo, também em azulejo azul e branco, recortado, com a representação do baptismo de Cristo; pavimento em mosaico; o baptistério é protegido por porta em ferro de decoração fitomórfica elevada por frontão. Junto do púlpito a capela da Ordem Terceira de São Grancisco, com acesso através de arco de volta perfeita com cobertura em falsa abóbada de berço pintada a azul e estucada , com paredes rebocadas e pintadas de branco e silhar de azulejos nas laterais; ao centro mesa de altar sobre supedâneo e no qual se eleva retábulo em talha policroma, creme, dourado e castanho, de planta recta e três eixos separados por estípides ornadas por festões; o eixo central definido por moldura recortada, castanha e dourada, com fundo azul, frente ao qual se ergue a cruz com o crucificado e os laterais, mais pequenos, com duas mísulas suportando imaginária protegida por baldaquinos; remate em entablamento e cornija recta, sobre a qual assenta ático com resplendor, ladeado por urnas e terminado por frontão contracurvado, delimitado por duas bolas, encimado por volutas recortadas. Na parede fundeira do ático parede pintada de azul e estrelas imitando o firmamento celeste. Junto aos retábulos colaterais, dois laterais em talha dourada e branca de planta rectangular de um só eixo delimitado por colunas coríntias assentes em plintos paralelepipédicos, com um nicho em arco de volta inteira com pedestal suportando imaginária e ladeado por mísula também com imaginária; remate em entablamento suportando ático com resplendor e ladeado por fragmentos de frontão. Mesas de altar em urna. Arco triunfal de volta perfeita sustentado por pilastras, ladeado por dois retábulos de talha dourada e policroma, dispostos em ângulo, dedicados ao Sagrado Coração de Jesus (Evangelho) e à Virgem Maria (Epístola). Capela-mor elevada por dois degraus, com paredes rebocadas e pintadas de branco, e friso de azulejos na continuidade das paredes da nave; cobertura em falsa abóbada de berço em estuque assente em cornija; pavimento lajeado a cantaria. Sobre supedâneo com três degraus ergue-se o retábulo-mor de talha dourada e branca, de planta côncava de três eixos, definidos por duas colunas torsas assentes em plintos paralelepipédicos tendo, ao centro, ampla tribuna com arco de volta perfeita, entablamento suportando com trono expositivo de cinco degraus, com o interior apainelado e decorado elementos vegetalistas; nos eixos laterais, mísulas protegidas por baldaquinos concheados, contendo imaginária. Sobre entablamento ático de volta perfeita em painéis decorados com elementos vegetalistas, dourados e separados por festões; banco e sotobanco decorados por folhas de acanto. Sacrário sobre mesa de altar tipo urna.

Acessos

Largo Padre Joaquim Margalhau; Rua do Rei Lavrador; Rua da Base Aérea. WGS84 (graus decimais) lat: 39.803373 long:-8.860815

Protecção

Enquadramento

Urbano, isolado. Destacado em plataforma, no centro da aldeia, numa cota superior à via pública, rodeada do lado esquerdo e posterior por construções incaracterísticas. O templo é separado da via pública e das construções confinantes por muro em alvenaria rebocado e pintado de branco com faixa pintada a cinza marcando o embasamento, formando um amplo adro com acesso pela fachada principal através de um lanço de escadas chapeado a cantaria e aberto a toda a largura da fachada ladeado por dois pilares com remate em pináculos de bola e pela fachada lateral direita, por entrada reentrante, delimitada por dois pilares rematados por bolas e através da qual se acede à fachada posterior.No muro estão encastradas dois elementos que pertenceriam a pias de água benta. O adro é em calçada à portuguesa, formando quadrados simétricos, marcados por pedra preta. Frente à fachada principal um cruzeiro de braços simples com inscrição na base: "SANTA MISSÃO / 19 DE SETEMBRO / 2 DE OUTUBRO / DE / 1952". Do lado esquerdo a Capela mortuária, de planta rectangular simples; fachadas delimitadas por cunhais firmados por pináculos, rebocadas e pintadas, com portal principal rectangular, com pequeno alpendre de 2 águas com cruz no vértice; sobre o alpendre rasgam-se 3 janelas de verga curva sendo a central maior que as laterais; remate em empena simples, com friso e vértice rematado por cruz na fachada principal e beiral saliente nas laterais. Do lado direito existem várias lápides tumulares com inccrições.

Descrição Complementar

INSCRIÇÃO na Torre Sineira: "ACABADA NU TEMPO DO PRIÔR J.G.M. E JUNTA / DE PAROCHIA COM AJUDA E SERVISSOS / DOS PAROCHIANOS. CONSTRUIDA POR M.V.R.- 1910". INSCRIÇÕES NA FACHADA PRNCIPAL: lápide à esquerda - "À SAUDOSA MEMÓRIA DO / REV. P.E JOA QUIM GONÇALVES MARGALHAU, / PRIOR DESTA FREGUESIA DE 1908 A 1952, / OS SEUS PAROQUIANOS ETERNAMENTE AGRADECIDOS/ PELOS 44 ANOS DE INTENSO TRABALHO / E ZELO APOSTÓLICO. / AMOR , 5 DE JULHO DE 1952"; lápide à direita - "BENEFICIAÇÃO DO ADRO / CALÇADA, ESCADARIA, ILUMINAÇÃO / COM O APOIO DE: / CÂMARA MUNICIPAL, JUNTA DE FRGURSIA / E CONSELHO ECONÓMICO / ANO DE 1996". Quando da sua construção inicial, a igreja tinha no altar-mór as imagena de vulto de São Paulo, São Pedro e São Francisco e o Menino Jesus; do lado do Evangelho a imagem de vulto de Nossa Senhora do Rosário, num nicho de pedra dourado; do lado da Epístola um outro altar com três nichos em talha tendo as imagens de Santa Luzia, Santa Marta e São Sebastião, todas de vulto. Tinha sacristia, um sino pequeno capela baptismal junto à porta principal.

Utilização Inicial

Religiosa: igreja paroquial

Utilização Actual

Religiosa: igreja paroquial

Propriedade

Privada: Igreja Católica (Diocese de Leiria - Fátima)

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 17 / 18 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

1630 - foi erguida a freuguesia de Amor, desmenbrada de de São Tiago em Leiria; 1780 - data inscrita no alto do arco-mestre que poderá corresponder ao período de construção do templo; 1910 - obras de construção; 1950 - a escultura de São Paulo esteve na exposição de arte religiosa de Leiria; 1995, 04 setembro - o edifício surge proposto como Valor Concelhio pelo PDM de Leiria, DR n.º 204.

Dados Técnicos

Materiais

Bibliografia

BELLO, Mark e MACHADO, Carlos de Sousa, Leiria e o seu Distrito, Secretariado Nacional de Informação, Cultura Popular e Turismo, 1994, pp.87-89; Câmara Municipal de Leiria, Aglomerados Urbanos-Património, in Plano Director Municipal, Relatório 9, pp. 1,4-5; O Couseiro, ou as Memórias do Bispado de Leiria, Braga, 1868, p. 121, 207-208; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artístico de Portugal. Distrito de Leiria, Academia Nacional de Belas Artes, Lisboa, 1955, pp.70-71, vol. V; Tesouros Artísticos de Portugal, Selecções do Reader’s Digest, 2ª edição, Porto, 1982, p. 96.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: DGEMN/DSID, SIPA

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: séc. 20, anos 50 - modernização do templo; 1996 - obras de beneficiação do adro: calçãda, escadaria e iluminação; 2005 - obras gerais de conservação no exterior: rebocos e pinturas das fachadas.

Observações

*1 - haveria no lugar da Amor uma ermida de invocação de São Paulo, com confraria, sem renda, de se mandou demolir quando foi erguida a paróquia, para onde mudaram o Santo; tinha Confraria de Defuntos como a da Torre, com o seu compromisso e bodo.

Autor e Data

Cecília Matias 2010

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login