Ponte Romana da Portagem

IPA.00020702
Portugal, Portalegre, Marvão, São Salvador da Aramenha
 
Ponte quinhentista reaproveitando materiais de uma primitiva ponte romana, de tabuleiro rampante, assente em arcos de volta perfeita, revestida por um paramento médio a grande e com pedras bem esquadradas nas aduelas. Destaca-se pelo excelente estado de conservação em que se encontra, não tendo sofrido alterações notórias pelo menos nos últimos três séculos. A questão da datação da ponte é controversa; certos autores como Keil, Laranjo Coelho, Alarcão, Jorge de Almeida, Josefa Neves e Afonso do Paço consideram-na da época de ocupação romana, dos primeiros anos do início da era cristã, integrando a via romana que unia Lisboa a Mérida; outros autores como Jorge de Oliveira, baseados nas informações do Tratado da cidade de Portalegre de Sotto Maior, cura no concelho de Marvão e nascido na freguesia de Alegrete em meados do séc. 16, colocam a sua construção no séc. 16 ou 17, admitindo que tenha havido reaproveitamento de cantaria da antiga ponte romana, que, juntamente, com as pontes da Madalena (v. IPA.00020704) e da Ribeira das Trutas (v. IPA.00020703) serviam os habitantes da cidade romana da Ammaia (v. IPA.00001844) e viajantes que se deslocavam para Mérida, tendo assim uma importância destacada do ponto de vista geopolítico na época.
Número IPA Antigo: PT041210040013
 
Registo visualizado 211 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Transportes  Ponte / Viaduto  Ponte pedonal / rodoviária com torre-portagem  Tipo arco

Descrição

Ponte de cinco arcos de volta perfeita, formados por aduelas dispostas regularmente; um dos arcos mais afastado no sentido N. encontra-se parcialmente entaipado, os restantes estão equidistantes e descarregam sobre três pilares de secção retangular com talhamares triangulares a montante, correspondendo a jusante pegões de secção quadrada. A diretriz da ponte não é retilínea, formando vértices no centro e nos intervalos dos arcos centrais que são assim zonas mais elevadas. O tabuleiro, rampante, tem 52m de comprimento por 3,80m de largura e pavimento em calçada irregular. Aparelho de opus reticulatum, com fiadas de pedras graníticas de tamanho irregular, sensivelmente paralelas. Guardas com um metro de altura, sendo, na zona sul, um pouco mais elevadas.

Acessos

Marvão, Rua da Ponte Romana. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,383636, long.: -7,381235

Protecção

Categoria: CIP - Conjunto de Interesse Público, Portaria n.º 429B/2013, DR, 2.ª série, n.º 123 de 28 junho 2013 *1 / Incluído na Zona de Proteção da Cidade romana de Ammaia (v. IPA.00001844) / Incluído na Área Protegida da Serra de São Mamede (v. IPA.00028261)

Enquadramento

Urbano, isolado, lançado sobre o Rio Sever, junto a um açude e a uma piscina fluvial, a montante, e Torre medieval da Portagem a sul. Numa zona particularmente rica em termos de património arquitetónico e arqueológico romano sendo de referir as ruínas romanas da cidade da Ammaia (v. IPA.00001844).

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Transportes: ponte

Utilização Actual

Transportes: ponte

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Sem afetação

Época Construção

Séc. 16 / 17 (conjetural)

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 01 - construção de uma ponte; séc. 16, finais - séc. 17, início - construção da ponte com reaproveitamento de materiais da antiga ponte romana que existia a montante da atual e que foi derrubada; 1619 - Diogo Pereira de Sotto Maior refere ter visto ainda de pé a antiga Ponte da Portagem " ... onde ainda se parece o lastro que o rio nunca pode desfazer. Foi derribada e disfeita por cobiça de se dizer que furtavam por ela os direitos das mercadorias que passavam para o reino de Castela. Em seu lugar se fez outra mais abaixo, sobre o mesmo rio (Sever), onde está uma torre que está mais abaixo da cidade (de Ammaia), que se chamava a Portagem. Ali custumavam residir os guardas do reino e se despachavam os direitos d'el rei" ; 2012, 21 novembro - publicação do projeto de decisão de classificação da ponte e torre da portagem como Monumento de Interesse Público e fixação de uma Zona Especial de Proteção conjunta, em Anúncio n.º 13726/2012, DR, 2.ª série, n.º 225; 2013, 15 maio - publicação do projeto de decisão relativo à classificação da Ponte e Torre como Conjunto de Interesse Público, em Anúncio n.º 178/2013, DR, 2.ª série, n.º 93.

Dados Técnicos

Estrutura autónoma.

Materiais

Estrutura em cantaria de granito.

Bibliografia

ALARCÃO, Jorge - Portugal Romano. Lisboa: Verbo, 1973; ALMEIDA, João - Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses. Lisboa: ed. do Autor, 1948, vol. X; COELHO, Possidónio Laranjo - Terras de Odiana - subsídios para a sua história documentada. 2.ª ed. Marvão: Câmara Municipal de Marvão, 1988; KEIL, Luís - Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Portalegre. Lisboa: Academia Nacional de Belas-Artes, 1943, vol. 1; NEVES, Josefa da Conceição - «Uma Colecção particular de materiais romanos de Aramenha» in Conimbriga. Coimbra: 1972, XI; OLIVEIRA, Jorge - «A Ponte Quinhentista da Portagem - Marvão» in Ibn Maruan. Marvão: Câmara Municipal, 1992, n.º 2; PAÇO, Afonso do - Carta Arqueológica do Concelho de Marvão. Lisboa: Imprensa Nacional, 1953; RIBEIRO, Aníbal Soares - Pontes Antigas Classificadas. Lisboa: MEPAT- JAE, 1998; SOTTOMAYOR, Diogo Pereira - Tratado da Cidade de Portalegre. 2.ª ed. Portalegre: Câmara Municipal de Portalegre, 1984.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

DGPC: DGEMN/DSID, DGEMN/DREMSul/DM

Documentação Administrativa

DGPC: PT DGEMN:DSARH-010/141-0044

Intervenção Realizada

Observações

*1 - classificação conjunta da Ponte e Torre da Portagem.

Autor e Data

Helena Mantas e Marta Gama 2001

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login