Pelourinho da Golegã

IPA.00002019
Portugal, Santarém, Golegã, Golegã
 
Pelourinho quinhentista, de pinha campaniforme, com soco octogonal de três degraus, onde assenta coluna dórica e remate em pináculo campaniforme. A coluna dórica ostenta datação, revelando a sua feitura no séc. 19. São visíveis mas não legíveis, decorações no corpo principal da peça de remate.
Número IPA Antigo: PT031412020002
 
Registo visualizado 219 vezes desde 27 Julho de 2011
 
   
   

Registo

 
Edifício e estrutura  Estrutura  Judicial  Pelourinho  Jurisdição régia  Tipo pinha

Descrição

Estrutura em cantaria de calcário, composta por soco octogonal de três degraus, onde assenta a base de secção quadrada, de pequena altura, sob uma segunda, com os cantos chanfrados, obtendo-se concordância com a base da coluna formada por três molduras circulares de alturas decrescentes, ligando ao fuste monolítico, circular rematado por capitel dórico, coroado de um ornato em forma de campânula.

Acessos

Largo da Imaculada Conceição. WGS84 (graus decimais) lat.: 39,401529; long.: -8,486238

Protecção

Categoria: IIP - Imóvel de Interesse Público, Decreto n.º 23 122, DG, 1.ª série, n.º 231 de 11 outubro 1933 / ZEP / Zona "non aedificandi", Portaria, DG, 2.ª série, n.º 153 de 04 julho 1946

Enquadramento

Urbano, destacado, isolado. Implanta-se frente ao edifício dos Antigos Paços do Concelho (v. PT031412020016) e da Igreja Matriz (v. PT031412020001), em largo pavimentado a cantaria, apresentando ligeira pendente. No muro de suporte de terras fronteiro ao antigo edifício da Câmara, uma fonte de espaldar recortado, com bica ao centro e taça ovalada, irregular.

Descrição Complementar

Utilização Inicial

Judicial: pelourinho

Utilização Actual

Cultural e recreativa: marco histórico-cultural

Propriedade

Pública: estatal

Afectação

Autarquia local, Artº 3º, Dec. nº 23 122, 11 Outubro 1933

Época Construção

Séc. 16 / 19

Arquitecto / Construtor / Autor

Desconhecido.

Cronologia

Séc. 16 - época em que a vila da Golegã se desenvolveu e afirmou; provável construção da estrutura primitiva; 1712 - é da Comarca de Santarém e pertence à Coroa; tem juiz de fora, 3 vereadores, escrivão da câmara, procurador do concelho, escrivães do judicial, juiz dos órfãos com o respectivo escrivão, escrivão da portagem, escrivão das sizas, escrivão das notas, inquiridor; tem vigário da vara, com seu escrivão e 2 meirinhos; 1857 - data gravada no terço superior do fuste.

Dados Técnicos

Sistema estrutural autónomo.

Materiais

Estrutura em cantaria de calcário.

Bibliografia

ALMEIDA, José António Ferreira de, Tesouros Artísticos de Portugal, Lisboa, 1980; CHAVES, Luís, Os Pelourinhos, Lisboa, 1938; COSTA, António Carvalho da (Padre), Corografia Portugueza…, vol. III, Lisboa, Officina Real Deslandesiana, 1712; MALAFAIA, E.B. de Ataíde, Pelourinhos Portugueses - tentâmen de inventário geral, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1997; MONTEIRO, Manuel, Os Pelourinhos, Lisboa, 1935; SEQUEIRA, Gustavo de Matos, Inventário Artístico de Portugal - Distrito de Santarém, vol. III, Lisboa, 1949.

Documentação Gráfica

Documentação Fotográfica

IHRU: SIPA, DGEMN/DSID

Documentação Administrativa

Intervenção Realizada

PROPRIETÁRIO: 1948 - restauro e montagem do pelourinho.

Observações

Autor e Data

Rosário Gordalina 1991 / Cecília Matias 2008

Actualização

 
 
 
Termos e Condições de Utilização dos Conteúdos SIPA
 
 
Registo| Login